Velhas feridas

Olavo de Carvalho


O Globo, 6 out 2001

Negar a um país agredido militarmente o direito de reagir, obrigá-lo a submeter a organismos estrangeiros a decisão e o comando de suas operações de defesa, eis decerto um ataque mais devastador à sua soberania nacional do que poderia sê-lo a derrubada de mil torres de mil World Trade Centers.

Por ter derrubado as torres, Osama bin Laden é acusado mundialmente de um crime colossal. Mas infinitamente mais criminosos são aqueles que se aproveitam da desorientação momentânea da vítima para atacá-la simultaneamente por todos os lados, exigindo-lhe não apenas que abdique do direito elementar de autodefesa, mas que o faça de joelhos, com humildade e contrição, reconhecendo no atentado terrorista uma sentença divina, cuja justiça superior — já que Deus escreve direito por linhas tortas — não é minimamente afetada pelo detalhe acidental de ter entrado em vigor por meios criminosos.

Mal assentada a poeira dos edifícios tombados, milhares de bocas entraram em ação para reverter contra os EUA a onda de indignação espontânea que se erguera no mundo contra os autores do atentado. Em uníssono, como um coro bem disciplinado, líderes e intelectuais esquerdistas esforçam-se para completar na esfera jurídica, política e diplomática a obra que bin Laden iniciou no campo militar. Sim, que outro objetivo poderia bin Laden ter em vista com as agressões de 11 de setembro senão fazer vergar a espinha dorsal dos EUA, humilhar e debilitar a nação mais forte e mais próspera do mundo? E como alcançar mais eficazmente esse objetivo senão roubando dessa nação o direito de revide e forçando-a a desgastar-se num extemporâneo “mea culpa” no instante em que ela mais precisa de concentrar suas forças e seu orgulho nacional para defender-se do agressor?

A articulação lógica dos atentados e da artificialíssima onda de anti-americanismo que se seguiu poucos dias depois é tão evidente, que toda afetação de bons sentimentos por parte dos promotores dessa campanha perversa se desmascara a si mesma, no ato, como patente hipocrisia dos maiores e, na verdade, únicos aproveitadores do crime.

Únicos, sim. Que benefício podem extrair das atrocidades de bin Laden os países islâmicos? Ser expostos aos olhos do mundo como nações de bárbaros, de assassinos, de fanáticos? Voltar contra si mesmos os canhões e as ogivas nucleares dos EUA? Só se forem mais loucos do que os retrataria o mais rancoroso anti-islamismo que se possa conceber.

Que benefício pode esperar Israel? Ficar espremido entre dois fogos numa guerra de proporções mundiais? Expor os judeus de Nova York, de Londres, de Paris, ao rancor vingativo dos muçulmanos que aí habitam em número incomparavelmente superior ao deles? Impensável.

E os EUA, então, que podem esperar ganhar, seja com os ataques do dia 11, seja com o envolvimento numa guerra que pode se alastrar e jogar contra eles metade do mundo?

Não, os EUA não ganham nada, Israel não ganha nada, os países islâmicos não ganham nada.

Só quem pode ganhar e aliás já está ganhando é uma classe bem definida de pessoas, não identificadas com nenhuma nação em particular, mas unidas por um propósito ideológico e estratégico comum. Quem ganha é internacional esquerdista.

A velocidade indecente com que, passado o escândalo do primeiro momento, a máquina mundial da propaganda anti-americana entrou em ação, para vibrar sobre o corpo combalido da vítima um segundo e mais portentoso golpe, não pode ser explicada senão pela coerência absoluta de propósitos entre o primeiro ataque e o segundo, entre o bin Laden das montanhas do Afeganistão e os milhares de bins Ladens da diplomacia e da mídia.

A hipótese, aliás, de que o primeiro disparasse seus Boeings numa pura efusão de iniciativa isolada, anárquica, sem qualquer respaldo num propósito político de maior envergadura, é suficientemente pueril para não merecer sequer ser discutida. Sobretudo depois que a unidade desse propósito já nem cuida mais de camuflar-se, mas, sem temer represálias, se exibe despudoradamente na convergência de tantos discursos, de Koffi Annan a Fidel Castro, passando por uma infinidade de solícitos Baltazares Garzóns.

Não sei se essas forças armaram bin Laden. Mas, armadas por ele, impõem hoje aos EUA uma ameaça infinitamente mais temível que a de todos os kamikazes e talebãs de mil e uma noites de pesadelo.

O que não se pode negar é que algo a emergência desse estado de coisas nos ensina. Ela destrói, de um só golpe, o mito do mundo unipolar. Nunca existiu mundo unipolar. A Guerra Fria foi simplesmente substituída por um novo duelo de gigantes: de um lado, os EUA; de outro, um agregado multinacional de poderes que inclui a “intelligentzia” esquerdista mundial, os organismos internacionais (ONU, Unesco, OMS, OIT, FMI, Banco Mundial), milhares de ONGs e um punhado de conglomerados financeiros que, mesmo quando de capital majoritariamente americano, têm interesses que vão muito além dos da nação americana e freqüentemente contra eles. Esse agregado representa claramente o núcleo da Nova Ordem Mundial, uma força dirigista e socialista que vive de sugar energias vitais dos EUA, usá-las em projetos megalômanos de controle universal que restringem a soberania nacional americana junto com a dos demais Estados e, por fim, lançar a culpa de tudo na própria nação americana.

Não conheço mais de três ou quatro brasileiros que saibam do conflito mortal que hoje opõe os interesses americanos aos do globalismo. Massa e elites, não só no Brasil, mas em todos os países do Terceiro Mundo, são mantidos na ilusão de que os organismos internacionais, por exemplo, são braços do poder americano, o qual na verdade eles estrangulam, subjugam e debilitam a cada dia. Não conheço mais de três ou quatro brasileiros que saibam dos protestos desesperados de nacionalistas estadunidenses contra a opressão globalista que, entre nós, passa por ser a encarnação suprema da ambição nacional americana.

A mobilização repentina e uníssona dos porta-vozes daquele agregado, numa ostensivo ataque à soberania nacional dos EUA, tem o mérito de revelar ao mundo o conflito longamente ocultado. Nunca houve mundo unipolar. O pólo antagônico, apenas, era invisível porque não tinha identidade estatal; sua unidade, camuflada pela pluralidade de suas faces dispersas pelo mundo, só podia ser apreendida mediante um esforço de abstração, dificultoso para muitos, repugnante para outros. A súbita radicalização ocasionada pelos atentados de bin Laden trouxe a revelação forçada dessa unidade. Antes, qualquer um podia recusar-se a vê-la, por inibição de revolver velhas feridas da Guerra Fria. Agora essas feridas supuraram todas de uma vez.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano