Valei-me, Alborghetti!

Olavo de Carvalho


Diário do Comércio (editorial), 1o de setembro de 2006

No momento em que escrevo, domingo à tarde, ainda não sei se amanhã o pedido de impeachment presidencial apresentado pela empresária paulista Ana Prudente será lido da tribuna da Câmara, como exige a lei, ou será encoberto por densas camadas de silêncio e desconversa, como já se tornou de praxe. É o empreendimento mais sério e corajoso que já se tentou para acabar com a orgia petista (macheza, no Brasil de hoje, só de saias), mas não creio que chegue a tocar a sensibilidade moral dos parlamentares, que não têm moral nenhuma e são sensíveis como uma casca de tartaruga empalhada. Caso venha a ser lido, provavelmente será abafado na mídia. Já nada espero, da quase totalidade das nossas lideranças políticas, militares, jornalísticas ou empresariais (não falo das intelectuais porque não existem) senão atitudes cada vez mais covardes e cínicas, numa progressão geométrica de abjeções jamais vista em parte alguma ao longo de toda a História da sem-vergonhice universal.

O povo não apenas consente em tudo, mas quase infalivelmente dará sua aprovação ostensiva ao estado de coisas, reelegendo essa criatura mentalmente disforme e fisicamente desprezível cujo traseiro ocupa a vaga que um dia foi de Juscelino Kubitscheck e Humberto Castelo Branco.

Os brasileiros desceram tanto que já não têm a medida de quanto se tornaram mesquinhos, torpes, miseráveis. Têm até o desplante de achar que são normais, que o restante da humanidade é igual a eles.

A sujeira em que se meteram é tão funda, que já não sabem onde foi parar a superfície. Ouvem falar do dia claro e acham que é propaganda imperialista. Ficam com medo da escuridão que eles próprios geraram e, para fugir dela, fecham os olhos. O Pythecanthropus erectus já havia descoberto que isso não funciona, mas esse conhecimento, no Brasil de hoje, tornou-se um segredo esotérico só acessível a meia dúzia de iniciados.

A única linguagem na qual ainda cabe falar deste país e do povo que o habita é a do repórter policial Luiz Carlos Alborghetti, um tipo admirável mas, infelizmente para mim, inimitável (confira em http://www.youtube.com/results?search_query=Alborghetti&search=Search). Sei dizer palavrões, como ele, mas odeio gritar. Prefiro rosnar impropérios direto no ouvido dos destinatários, poupando de constrangimentos os circunstantes inocentes. Juro que, se encontrar por aqui algum ministro de Estado, deputado, senador, comandante militar, alto magistrado da Justiça ou o próprio sr. presidente, de preferência em alguma ocasião solene, na presença de autoridades americanas, puxarei o desgraçado a um canto e lhe lançarei em voz baixa, discreta, serena, educadíssima, insultos e maldições apocalípticas que nem mesmo existem na língua portuguesa e que inventarei especialmente para essa doce ocasião. Direi coisas tão horríveis que o próprio Alborghetti, se as ouvisse, coraria como donzela pudica.

Só não me sinto envergonhado de haver nascido no Brasil porque não tive a menor parcela de responsabilidade nesse infausto acontecimento. Meus antepassados portugueses e alemães, uns burros, achavam que estavam indo para a América.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano