Uma história esquecida

Olavo de Carvalho

Jornal da Tarde
, 17 de janeiro de 2002

Eis aqui uma velha história que você pode usar como antídoto quando assistir, pela tevê, a alguns dos inumeráveis filmes que até hoje apresentam como heróis da liberdade os atores e as atrizes que entraram na famosa “Lista Negra” de Hollywood.

Na noite de 5 de outubro de 1945, 1.500 piqueteiros, atendendo à convocação de uma central sindical comandada pelo Partido Comunista, cercaram os estúdios da Warner, em Burbank, Califórnia. O ator Kirk Douglas viu-os aproximar-se, armados de “facas, porretes, fios de aço, socos-ingleses, correntes”, e ocupar os quarteirões em torno. Ao chegar para o trabalho, os empregados foram impedidos de atravessar o portão, cujos guardas tinham sido surrados e dominados pelos grevistas. “Nem você nem nenhum outro f. da p. vai entrar aí hoje”, informou ao coreógrafo LeRoy Prinz o líder comunista Herb Sorrell, celebrizado com o apelido de “Generalíssimo”. Prinz, um veterano de guerra, respondeu: “Sr. Sorrell, nem você nem nenhum outro f. da p. vai me impedir de entrar.” Entrou, mas não antes de ser surrado por uma dúzia de capangas de Sorrell diante dos olhos da polícia que, em desvantagem numérica, temia interferir. A maioria dos empregados não se deixou intimidar e alguns conseguiram saltar os muros. As tropas de Sorrell então partiram para a agressão generalizada. No fim dos combates, o serviço médico relatou ter atendido 89 empregados da Warner, quatro policiais, três bombeiros, o representante de um sindicato contrário à greve – e apenas seis piqueteiros. Não obstante, nos dias seguintes as manchetes do jornal pró-comunista Hollywood Atom alardeavam: “Uma garota e um veterano torturados pela Gestapo dos estúdios Warner”, “Camisas-pardas da polícia transbordam de violência”, “Warner instala campos de tortura nazistas.”

Esse giro de 180 graus operado nos fatos é típico do jornalismo esquerdista – da época e até hoje. Porém, mais característico ainda é que a inversão da realidade fosse reforçada com uma histriônica retórica antinazista por aqueles mesmos militantes que, durante o pacto germano-soviético, haviam promovido ataques iguais ao de Burbank contra as fábricas que remetiam armas e suprimentos para a Inglaterra e a França atacadas pelas tropas de Hitler.

Durante 23 dias a Warner permaneceu cercada, enquanto destacamentos especiais da central comunista saíam pela cidade ateando fogo às casas de dirigentes do sindicato adversário. Embora não conseguisse paralisar o estúdio, a greve obteve o que queria: impor, pelo medo, a autoridade do partido a toda a indústria cinematográfica.

Pouco antes Sorrell já dera uma amostra do seu poder, ao mobilizar a classe para negar trabalho a dezenas de atores (entre os quais Barbara Stanwick, Lana Turner e Van Johnson) que recusavam aderir à greve. Isso já era costume estabelecido do Partido desde 1940, mas foi então que surgiu a expressão “Lista Negra”. “Stars face blacklist”, anunciava em 15 de junho de 1945 o Hollywood Sun: não era uma referência a Joe McCarthy e seu comitê de investigações no Senado, mas à ditadura comunista que imperava sobre o cinema norte-americano.

O sucesso da investida contra a Warner deu a Sorrell a oportunidade de expandir o domínio comunista para muito além da luta sindical: nos anos seguintes, com a ajuda de John Howard Lawson, Ring Lardner Jr. e outros devotos, ele montou um sistema de fiscalização dos roteiros apresentados a Hollywood, para proibir que chegassem a ser filmados aqueles que não tivessem a porção desejada de ideologia comunista e antiamericanismo. A cota podia até ser modesta, mas não devia faltar. Segundo a orientação do espertíssimo Lawson, mensagens isoladas, espalhadas aqui e ali em milhares de filmes aparentemente inocentes, funcionavam mais do que um só filme ostensivamente comunista – uma regra que foi copiada no Brasil e ainda prevalece nas nossas novelas de tevê.

A censura era rigorosa: o roteirista que saísse da linha era hostilizado até sujeitar-se a um humilhante “mea culpa” ou cair fora da profissão. Tudo isso está fartamente documentado em Hollywood Party. How Communism Seduced the American Film Industry in the 1930’s and 1940’s, de Kenneth Lloyd Billingsley (Roseville, CA, Prima Publishing, 2000) – um livro que decerto não será publicado no Brasil, onde o bloqueio a qualquer informação anticomunista é em geral mais estrito do que nos EUA ou na Europa.

Não é uma preciosa ironia que os próprios comunistas, que implantaram em Hollywood o reinado do terror inquisitorial, se apossassem da expressão “Lista Negra”, quando mais tarde foram obrigados a experimentar um pouco do seu próprio veneno? Não é uma prova da eficácia da mentira repetida o fato de que, quase uma década após a abertura dos Arquivos de Moscou, que comprovam amplamente os serviços prestados ao regime genocida de Stalin por quase todos os acusados do comitê McCarthy, o termo “macartismo” ainda funcione como sinônimo de perseguição a inocentes?

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano