Uma dica sobre George Soros

Olavo de Carvalho

Jornal do Brasil, 5 de outubro de 2006

Vou lhes dar uma noticiazinha sobre George Soros, de fonte direta. A despeito dos inúmeros palpites que tem dado sobre a América Latina, ele ignora tudo e mais alguma coisa sobre o Foro de São Paulo. Como é que sei disso? Conversei com ele anteontem, logo após a conferência que deu na Organização dos Estados Americanos, em Washington DC.

Puxar o assunto diante da platéia teria sido um convite à desconversa, privando-me de descobrir algo de substantivo. Ouvi pois com resignação  duas horas de editoriais do New York Times relativamente bem decorados, acrescidos de ilustrações autobiográficas irrelevantes e completados por perguntas elogiosas com respostas auto-satisfeitas.

Terminado o suplício, puxei o cidadão a um canto, apresentei-me como jornalista brasileiro e, como quem não quer nada, mencionei o Foro de São Paulo. Ele pareceu achar que eu era algum relações-públicas do tal do Foro e, só para me agradar, disse que conhecia a organização. Pedi detalhes da sua opinião, e aí o homem se atrapalhou todo. Queria dizer alguma coisa, mas não saía nada. Tentou algumas generalidades, mas falharam. Estava na cara que não eram manobras diversionistas: eram pura camuflagem de ignorância. Dei-me por satisfeito e agradeci muitíssimo a informação que agora passo aos leitores: George Soros não é o espertalhão maligno que se diz. Não é o conspirador onipotente, o orquestrador secreto da cacofonia global. É um ricaço metido a intelectual, manipulado por intelectuais metidos. A imensidão de informações econômicas que ele é capaz de manejar em golpes financeiros geniais não tem de maneira alguma correspondência no material político, estratégico, histórico e cultural ao alcance da sua mente, o qual é limitado, atrasado e errado. Vários detalhes na sua conferência sugeriam isso, e o mico do Foro completava o quadro. Soros está realmente convencido de que é o salvador do mundo, e é mantido nessa ilusão por um exército de puxa-sacos, cuja intensa atividade foi a única coisa notável que vi na sua conferência. Para conservar a lucidez no meio desse assédio hipnótico ele teria de ser um monge asceta, um prodígio de autocontrole, não um carente afetivo sequioso de elogios.

O Soros que conheci me assustou mais, no entanto, do que o monstro de astúcia que a mistificação geral me induziria a esperar. Na via do pecado, ele não parece ter descido ao abismo da maldade pura. Está ainda entre a ignorância e a fraqueza, mas pronto para cair a um solavanco mais forte. É uma alma exígua e vacilante, que o acaso adornou de poderes desproporcionais e à qual o aprendizado adquirido de um mestre muito fraco – Karl Popper – deu um Ersatz de domínio intelectual da situação. Na conferência, ele disse que uma visão errada dos fatos acaba por modificar o curso real dos acontecimentos, levando as ações a resultados impremeditados e indesejados. Pergunto-me que resultados há de produzir na América Latina um agente histórico tão influente, que intervém na área ignorando a maior força política ali existente. O futuro do continente depende mais disso do que do segundo turno eleitoral brasileiro.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano