Um lindo casamento

Olavo de Carvalho

Época, 11 de novembro de 2000

Capital monopolista e socialismo nunca foram tão felizes juntos

Quanto mais o socialismo reconhece sua inviabilidade econômica e se vê obrigado a transigir com a iniciativa privada, mais ele se volta para a luta cultural, para a busca do domínio psicológico sobre as multidões. Nos Estados Unidos e na Europa Ocidental a síntese já está tomando forma: economia capitalista, cultura e mentalidade socialistas.

Há quem ache isso lindo, mas há dois problemas. Primeiro: o capitalismo aí já não é o antigo liberalismo, é um capitalismo de monopólios gigantes, tão perfeitamente integrados na estrutura do poder mundial que funcionam quase como estatais globais. Segundo: o socialismo, quanto mais desiste de suas idéias econômicas e se contenta em controlar consciências e condutas, mais intolerante e despótico se torna. Nas universidades e nos debates científicos, por exemplo, o uso da intimidação física para calar os discordantes tornou-se uma modalidade institucionalmente válida de argumentação. O célebre episódio do professor judeu que, tendo falado mal de Hitler na Alemanha pré-nazista, foi surrado pelos alunos e depois, numa universidade americana, apanhou de novo por ter falado mal de Che Guevara é o resumo da ópera, com o detalhe significativo de que em ambos os casos a reitoria deu razão aos agressores. Pouca gente sabe que foi mais ou menos mediante esse tipo de argumentação que o homossexualismo saiu da lista de doenças mentais. Por idênticos métodos o estudo dos clássicos foi substituído, em muitas universidades, por subliteratura feminista, abortista, gay, black etc.

Nada disso foi imprevisto. Em 1970 Leszek Kolakowski já anunciava que o maior perigo do marxismo residia em seu potencial de destruição da cultura. O raciocínio imanente à nova barbárie era simples: se a cultura é superestrutura do domínio de classes, é obrigação da nova era igualitária fazer tábua rasa, destruir o patrimônio milenar de idéias e valores, substituir toda a bibliografia universal pelo Livro Vermelho dos Pensamentos do Presidente Mao ou porcaria equivalente.

De outro lado, os economistas liberais nunca cessaram de denunciar o mariage de raison entre o socialismo e os monopólios privados. Quem quer que entenda um pouco de economia sabe que o socialismo é impossível. Ora, os grandes monopolistas entendem muito de economia. Sempre souberam que qualquer regime socialista acabaria dependendo da ajuda deles e, a médio ou longo prazos, se tornaria dócil como um cãozinho treinado. Socialismo é big business – desde que a oficina fique longe do escritório, é claro.

A globalização da economia simplesmente mudou os termos do acordo de casamento. A antiga partilha territorial cedeu lugar a uma divisão de trabalho: a militância socialista não toca na economia, os grandes grupos econômicos dão suporte às reivindicações esquerdistas que convenham a seus planos globais. A uniformização mundial das legislações trabalhistas e dos direitos de imigrantes, o controle ecológico mundial, a dissolução de culturas religiosas tradicionais etc. – tudo isso é base suficiente para o mais harmonioso dos matrimônios. Por isso, hoje, a esquerda é maciçamente financiada pelo capital monopolista internacional, com a vantagem adicional de poder posar de nacionalista em países periféricos onde o público ignora essas coisas. No Brasil, por exemplo.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano