Três notas

Olavo de Carvalho

Diário do Comércio (editorial), 11 de setembro de 2007

Ao protestar contra a diferença de tratamento dado por um indivíduo de nome Odilo Scherer ao movimento “Cansei” e ao “Grito dos Excluídos”, meu caro amigo Reinaldo Azevedo, com inegável boa fé, cai no erro de fazê-lo “com todo o respeito” (sic) e ainda concedendo ao sujeito o tratamento de “Dom Odilo”.

A Igreja Católica chama a isso “respeito humano”, uma expressão que parece inofensiva mas que significa colocar inadvertidamente uma criatura humana, ou várias delas, acima da Igreja e do próprio Cristo.

O “Decretum Contra Communismum”, assinado pelo papa Pio XII e confirmado por João XXIII, deixa claro que o católico que preste favores a um partido comunista está, automaticamente, excluído dos sacramentos. Não pode recebê-los nem muito menos aplicá-los.

Odilo Scherer não apenas prestou vários favores aos comunistas, mas os recusou abertamente ao partido contrário, com intolerável desonestidade e cinismo.

O texto do decreto é taxativo e insofismável: a excomunhão é automática, não dependendo portanto de julgamento explícito proferido por um tribunal eclesiástico. Todo católico que saiba disso e que conheça o caso Odilo Scherer tem não só o direito mas o dever estrito de recusar a esse cidadão o tratamento devido aos príncipes da Igreja e mesmo aos sacerdotes em geral. Tem também a obrigação de recusar os sacramentos se oficiados por ele, e de recusá-los não por intuito ofensivo, mas por um ato de caridade: para impedir que o excomungado acrescente à sua folha corrida espiritual mais um sacrilégio. Estão excluídos dessa obrigação somente os moribundos e os incapazes, que podem aceitar os sacramentos de não importa quem.

O próprio Scherer só poderá voltar a receber os sacramentos se a isso autorizado por um bispo genuíno, após confessar seu pecado e submeter-se à devida penitência. Até lá, sua presença no Arcebispado é um escândalo no estrito sentido bíblico do termo.

Os fiéis têm a obrigação de expulsá-lo de lá como se expele um demônio em sessão de exorcismo: Em Nome de Nosso Senhor Jesus Cristo – fora!

***

Depois que furei o balão do manifesto pró-Quartim, revelando a fonte originária da “mentira deslavada” contra o qual o documento protestava, recebi algumas cartas de esquerdistas, entre enfurecidas e lacrimosas, reclamando que sou malvado, impiedoso e maquiavélico. Talvez eu o seja mesmo, ou pelo menos possua as virtudes requeridas para aparecer com essa imagem no espelho mental comunista. Qualquer que seja o caso, eis aí um bom motivo para que esses tipinhos burros e mendazes que dominam as nossas universidades desistam de se meter comigo, mesmo na base de mil contra um. Eles podem infundir medo na “zé-lite” — política, empresarial e militar –, mas a mim só inspiram desprezo.

***

Se o leitor tem uns minutinhos para meditar sobre o curso dos tempos, talvez aprenda alguma coisa comparando estas duas declarações:

Primeira : “Ninguém neste país tem mais autoridade moral, ética e política do que o nosso partido. Admitimos que tem gente igual a nós, mas não admitimos que tenha melhor.” (Luís Inácio Lula da Silva, no 3º. Congresso do PT.)

Segunda : “Ponha-se na presidência qualquer medíocre, louco ou semi-analfabeto e vinte e quatro horas depois a horda de aduladores estará à sua volta, brandindo o elogio como arma, convencendo-o de que é um gênio político e um grande homem, e de que tudo o que faz está certo. Em pouco tempo transforma-se um ignorante em um sábio, um louco em um gênio equilibrado, um primário em um estadista. E um homem nessa posição, empunhando as rédeas de um poder praticamente sem limites, embriagado pela bajulação, transforma-se num monstro perigoso “. (Olympio Mourão Filho, Memórias: A Verdade de um Revolucionário , Porto Alegre, L&PM, 1978, p. 16.)

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano