Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

Que é que você quer com a filosofia?

Entrevista de Olavo de Carvalho a Fabíola Cidral

Jornal Vidaqui (São Paulo), 31 de agosto de 2000

 

Em primeiro lugar, o senhor poderia definir a filosofia?

É um cacoete universal dizer que a filosofia não se define, mas estou persuadido de ter encontrado uma boa definição, da qual nenhuma das filosofias existentes escapa e que não se aplica a nenhuma outra atividade cognitiva: Filosofia é a busca da unidade do conhecimento na unidade da consciência e vice-versa. Esta definição aplica-se inclusive às filosofias que negam o conhecimento ou que negam a unidade da consciência.

No seu Seminário de Filosofia o senhor ensina a prática da filosofia. O que é praticar filosofia?

No meu curso, filosofar é partir de um problema colocado pela vida real e, mediante sucessivos exames, tentar elevar-nos a um ponto de vista universalmente válido a respeito dele. Em seguida, descer novamente para examinar nossas atitudes práticas, morais, diante dele. Nestas subidas e descidas, o auto-exame se torna tão importante quanto o estudo objetivo do problema e é inseparável dele.

Qual a sua dica para quem deseja começar a estudar a filosofia?

Decidir, em primeiro lugar, se você quer a filosofia como simples profissão acadêmica, como autêntica disciplina intelectual, como guiamento integral da alma ou tudo isso junto. A profissão acadêmica é hoje o túmulo da filosofia e recomendo-a a quem tenha vocação de coveiro. Se você quer a filosofia como disciplina intelectual, certifique-se primeiro de que tem já uma boa cultura científica e humanística (sobretudo literária e histórica) e um amplo domínio do idioma. Em seguida, anote as perplexidades e os problemas que essa educação adquirida suscitou em você, e, uma vez confirmado que esses problemas são realmente problemas para você, que você tem um interesse vital neles, vasculhe os clássicos da filosofia para saber o que disseram a respeito. Nessa pesquisa pode ser útil um bom dicionário de filosofia, ou um repertório como o que Mortimer Adler e Mark Van Doren organizaram para a série "Great Books of the Western World". Organize as respostas em ordem cronológica e, se o conjunto delas não satisfizer à sua demanda de respostas, busque formular suas próprias respostas pessoais, tratando de manter a discussão num nível compatível com o que foi alcançado pelos filósofos que trataram do assunto antes de você. Quando você tiver conseguido fazer isso com um único problema filosófico, por modesto que seja, você já será um autêntico estudante de filosofia. Se daí para diante não puder mais prosseguir sozinho, venha falar comigo e lhe darei mais umas dicas.

Quais os outros estudos que estão necessariamente ligados com a filosofia?

É o que eu vinha dizendo. A filosofia é uma reflexão sobre o conhecimento adquirido, e supõe, por isto, uma boa cultura pessoal, principalmente a cultura da imaginação (através das artes). Se eu fosse planejar a educação de um aluno ideal, primeiro eu abriria para ele os horizontes do imaginário, através do teatro, da literatura, do cinema, da música, dos mitos, das religiões, dos símbolos; depois o poria em contato com os debates públicos, a política, as leis, a constituição objetiva da sociedade. Quando ele chegasse a um ponto de saturação, com milhões de contradições se agitando na sua cabeça, aí sim começaria o aprendizado da crítica filosófica, complementado pelo estudo das ciências. Mas esse aluno ideal não existe, e essa gradação seriada, na prática, tem de ser feita de maneiras inversas, cruzadas e combinadas.

Qual o perfil das pessoas que freqüentam o seu curso?

Pessoas desiludidas com o ensino acadêmico da filosofia.

O senhor acredita que estudar filosofia pode mudar a vida de uma pessoa? A sua mudou?

Se o estudo da filosofia não mudar a pessoa – e quero dizer mudar para melhor --, é porque simplesmente não se realizou, ficou nas exterioridades, na imitação, na "cultura" filosófica. O estudo verdadeiro começa na hora em que, tendo obtido pela primeira vez uma solução pessoal válida para um problema filosófico, o aluno sente um repuxão na consciência, um apelo a se tornar melhor para ser digno daquilo que sabe.

Como foi a sua formação? Quando despertou este interesse pela cultura?

Meu interesse em saber nasceu na adolescência, diretamente suscitado por uma angustiante sensação de não estar entendendo nada – nem da minha vida, nem da conduta das pessoas em torno, nem do que me ensinavam na escola. Minha formação começou no autodidatismo, por absoluta impossibilidade de encontrar, na época, um ensino à altura do que eu necessitava. Mas não foi um autodidatismo de diletante, porque aos quinze anos eu já me preocupava com a questão mesma da auto-educação, lia muitos livros sobre o assunto e tentava manter meu aprendizado num nível comparável ao do que eu sabia existir nos melhores centros universitários, não só da época como também de outras épocas. Fica aí um conselho: se você quer se educar a si mesmo, tem de estudar primeiro a questão mesma da educação, para não cair num caos de leituras sem proveito.

Mais tarde, quando julguei ter chegado ao limite do que podia aprender sozinho, comecei a escrever para estudiosos consagrados, pedindo ajuda e orientação em questões específicas. Incomodei muita gente, no mundo todo, com minhas perguntas, e em geral fui muito bem recebido. Só tardiamente me interessei por um determinado curso universitário, então dirigido pelo Pe. Stanislavs Ladusans, um filósofo estoniano residente no Brasil. No fim de tudo você descobre que a única finalidade da educação é habilitar o sujeito a aprender sozinho, isto é, a ser um autoditada.

Quais os autores que mais o influenciaram?

Aristóteles, Sto. Tomás, Leibniz, Schelling, Husserl, René Guénon, Eric Voegelin, Xavier Zubiri, além, naturalmente, das escrituras sacras das várias tradições religiosas e também de algumas obras fundamentais da literatura (A Divina Comédia de Dante, as peças de Shakespeare) e das ciências humanas (os escritos de Max Weber, de Lipot Szondi, de Viktor Frankl, por exemplo).

Quais os filósofos da atualidade que o senhor admira?

Depois de Voegelin e Zubiri não apareceu mais nada de interessante na filosofia propriamente dita. Mas, nas ciências humanas, há esse esplêndido René Girard.

E qual o maior da história?

Aristóteles. Quanto mais tempo passa, maior ele fica. Hoje, na filosofia das ciências, Aristóteles é a grande novidade, depois que os biólogos o descobriram.

Como veio a idéia de lançar o primeiro livro?

Durante muito tempo eu mesmo publiquei meus livros, em tiragens pequenas, para um círculo de alunos e amigos. Em 1995, por insistência do Bruno Tolentino, lancei "O Jardim das Aflições" numa tiragem maior, por uma editora profissional. Aí, por uma coincidência, fui trabalhar na Editora da Faculdade da Cidade e lancei por lá "O Imbecil Coletivo", que deu uma encrenca dos diabos e me lançou em polêmicas de imprensa, que não procurei mas das quais não fugi e nas quais, graças a Deus, me saí muito bem.

Como é a sua preparação para escrever uma obra? E um artigo?

Leio sempre de lápis na mão, anotando idéias, perguntas e objeções que a leitura me sugere. Faço também certos exercícios mentais, por exemplo o de tentar traduzir em imagens plásticas uma idéia abstrata, ou, ao contrário, o de tentar expressar em palavras certas impressões fugazes – sensações, recordações. Em seguida esqueço tudo e mudo de assunto. Meses depois a coisa toda reaparece organizada e límpida. Aí exponho minhas conclusões em aula e as submeto, com a ajuda dos alunos, a toda sorte de críticas, e faço novas leituras para tirar as dúvidas. Só então fixo a coisa por escrito. É um método complicado e apareceu sozinho, com a experiência. Não sei se serviria para outras pessoas, mas comigo funciona.

Para os artigos, não preciso me preparar, pois utilizo sobras das informações colhidas para as aulas. Apenas tenho de caprichar mais na redação, pois uma coisa é escrever para alunos, que me conhecem e já sabem situar tudo no contexto certo, outra coisa escrever para pessoas que nunca me viram mais gordo.

"O Imbecil Coletivo: Atualidades Inculturais Brasileiras" foi a sua obra mais polêmica e mais vendida. Qual a causa do "Imbecil Coletivo"?

Eu ficava muito impressionado com a tolice cada vez maior dos nossos intelectuais, sobretudo no que eles escreviam em revistas e jornais de cultura. Peguei o hábito de toda semana, no começo da aula, a título de aquecimento mental coletivo, comentar essas coisas para a classe. Ao voltar para casa, escrevia o que tinha dito e na semana seguinte distribuía o escrito para os alunos. Assim fui colecionando, sem nenhuma intenção de livro, os capítulos que vieram a compor "O Imbecil Coletivo".

É verdade que o senhor já recebeu ameaças de morte?

Ameaças, não. O que recebi foi informação de um "insider" arrependido, que me disse que um grupo a que pertencia já tinha mapeado meus trajetos e horários, já fazia ponto na esquina do meu prédio e aguardava o momento propício de armar uma tragédia. Contei a coisa a um amigo e ele me sugeriu que pusesse um aviso na minha homepage, para que o grupo soubesse que o plano tinha vazado. Um outro amigo, o ex-ministro da Cultura, Jerônimo Moscardo, embaixador do Brasil na Romênia, leu a coisa e me ofereceu um trabalho temporário em Bucareste. Fiquei lá uns meses até a coisa amansar e voltei.

Qual o seu maior sonho profissional?

Na área da investigação, completar as pesquisas que comecei. Como escritor, completar os livros em preparação, especialmente "O Olho do Sol" e "Ser e Poder". Na educação, conseguir formar uma centena de intelectuais da pesada para eles educarem o Brasil de amanhã, se houver tempo. No jornalismo, quebrar o monopólio que domina a cultura brasileira e abrir espaço para um debate intelectual decente. Feitas essas coisas, pretendo me dedicar mais à vida espiritual, porque no fundo a única coisa interessante é Deus.

Quais leituras que o senhor indicaria para aqueles que queiram saber um pouco mais sobre Filosofia?

A "História da Filosofia" de Frederick Copleston e "Dialectics" de Mortimer J. Adler são um bom começo.

Quando será lançado o próximo livro? Qual o assunto?

Vou lançar em breve uma coletânea de ensaios, "História e Ilusão" e uma reedição de "O Jardim das Aflições". Tenho também dois livros escritos pela metade, "O Olho do Sol", sobre teoria do conhecimento, e "Ser e Poder", filosofia política. Espero terminá-los logo.

Quantos artigos o senhor escreve por semana? Para quais jornais e revistas?

Escrevo quatro artigos mensais para "O Globo", quatro para "Época", dois para o "Jornal da Tarde", dois para "Zero Hora" e um para "Bravo!", além de colaborações esporádicas em revistas e jornais de estudantes.