Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

Picuinhas comunistas

 

Durante vinte anos a obra ensaística de Otto Maria Carpeaux ficou esquecida, abandonada às traças pela máfia esquerdista que o grande crítico tanto ajudara em vida. De repente, esse tesouro é desenterrado por um estranho, por alguém que além de não ser membro do Clube já mostrou seu total desprezo a essa entidade, cuspindo na reputação sacrossanta de alguns de seus diretores. É o escândalo. De norte a sul do país um brado de alerta percorre as fileiras da instituição:

— Roubaram-nos o Carpeaux!

— Quem foi?

O mensageiro baixa os olhos:

— Foi... "a direita"!

Horror! Horror! Horror! Que fazer?, pergunta o secretário-geral, José Stálin Lênin da Silva. Descer o cacete não é possivel — dialetiza —: não podemos criticar quem faz o que seria nossa obrigação. Silenciar? Não podemos: seria deixar para a direita o domínio do espaço aéreo. Por fim, fazendo uso do centralismo democrático, ele mesmo responde, enunciando a linha justa:

— Celebrar a descoberta, omitindo o descobridor.

Assim, anos de pesquisas, setecentas e vinte notas de rodapé e uma introdução de oitenta páginas — o primeiro estudo abrangente que se fez da obra de Carpeaux, com dados inéditos e questões jamais perguntadas — desaparecem das folhas dos jornais, como se nunca tivessem existido. Nada podendo falar contra — porque, raios nos partam, o negócio está bom mesmo —, o melhor é não falar nada. Para não caracterizar juridicamente a falta de todo crédito (pois aí já seria dar a cara para apanhar), o nome de Olavo de Carvalho constará na ficha técnica, em letras miúdas, junto com a data e o preço do exemplar. Nem uma palavra sobre ele no corpo dos textos.

— E isso ainda tem uma vantagem: badalamos as editoras e assim as jogamos contra ele. E, se ele reclamar, diremos que é vaidade ofendida.

Um risinho de auto-lisonja percorre a assembléia: "Ai, como somos maquiavélicas!" Respingos de satisfação molham algumas calcinhas.

A linha justa já foi levada à prática na Folha de S. Paulo de 4 de julho. Agora, em O Globo do dia 17, em matéria assinada pelo velho Pires, o Pires propriamente dito — aquele mesmo d'O Imbecil Coletivo —, escolhido para a tarefa precisamente por não poder ter isenção para falar de quem, em público e sem qualquer contestação, já o chamou de mentiroso.

Aguardam-se as manifestações de fidelidade do JB, de Veja, de Isto É e das demais células.

O mais curioso do caso é a desenvoltura com que esses comunistas consideram o Carpeaux coisa sua, esquecendo a brutal campanha de difamação que, orquestrada por Dalcídio Jurandir, Oswald de Andrade e o futuro dissidente Carlos Lacerda, moveram contra o escritor tão logo ele desembarcou no Brasil. O episódio é brevemente relatado na minha Introdução, e acaba de ser relembrado ao meu editor, José Mário Pereira, por Moacir Werneck de Castro, um dos participantes da operação, hoje aparentemente envergonhado dela, não sei se moralmente ou apenas politicamente, como é de praxe entre comunistas.

O leitor brasileiro não sabe que está sendo enganado, que cada página dos grandes jornais do país é calculada, controlada e censurada pela direção comunista que se apossou dessas publicações, cujos proprietários, atemorizados pelo apoio ostensivo do governo Clinton à esquerda brasileira, tentam salvar a pele ficando caladinhos e puxando, quando podem, o saco de seus seqüestradores.

O leitor brasileiro ainda imagina viver num país onde há liberdade de imprensa.

 

17/07/99

Home - Informaηυes - Textos - Links - E-mail