Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

Obrigado, dona Cecília

Olavo de Carvalho

 

Dona Cecília Coimbra, voltando à carga em O Globo de 20 de janeiro, queixa-se de que respondi a ela e a Márcio Moreira Alves como indivíduos, “ignorando e retirando todo o conteúdo grupal/coletivo de uma determinada luta”.

Ora, dona Cecília! Se eu dissesse que a senhora, o sr. Gilberto Molina, o Márcio e o tal de Betto, ao me atacar, agiam como grupo organizado, vocês com a maior facilidade me tachariam de paranóico. Agora, que a senhora confessou, não corro mais esse risco.

O que se passa entre os esquerdistas e eu desde há alguns anos nada tem, realmente, de uma livre discussão entre indivíduos. É uma ação coletiva de organizações poderosas, ricas, tentaculares, que, através de seus agentes na imprensa, tentam destruir um sujeito inconveniente. Vocês têm tempo, recursos, arquivos, contatos internacionais, funcionários, computadores em rede, todo um arsenal à disposição para sustentar indefinidamente uma guerra que, para cada um de vocês, custa muito pouco. Produzir calúnias e intrigas em escala industrial, nessa base, é a coisa mais fácil. O alvo solitário, tendo de responder a tudo nos intervalos da luta pela vida, desleixando família, estudos e interesses particulares, acabará por tombar, exausto, ou por desistir. Pelo menos é com isso que vocês contam. De fato, diariamente a preguiça me aconselha a desistir. Discutir com almas deformadas, que um longo treinamento ideológico tornou insensíveis à distinção entre verdade e falsidade, é tão inútil quanto tentar ensinar grego clássico a uma manada de porcos-espinhos. No entanto, algo me diz que, se eu desistisse, os porcos-espinhos continuariam porcos-espinhos, mas eu já não seria eu mesmo. No terceiro dia de silêncio, já começariam a me brotar os espinhos nas costas. Assim, pois, continuo.

A desproporção de forças nessa disputa evidencia tão bem a covardia e a perfídia de um dos contendores, que em geral ele prefere manter em segredo a unidade de suas tropas, dando a impressão de que os gritos e pedras que se elevam contra seu adversário desde pontos diversos são o efeito espontâneo de uma reação popular.

Só na última semana, recebi nada menos de seis ataques através da imprensa, sem contar os e-mails carregados de insultos, os constantes apelos à minha demissão enviados às publicações em que escrevo e as intervenções maliciosas, com nomes falsos, destinadas a confundir os debates e a criar uma atmosfera de suspeita no Forum que mantenho na minha homepage na internet. Tudo isso não me atemoriza no mais mínimo que seja mas me mantém ocupado e me exaure na faina da matar insetos – pois seria loucura recusar orgulhosamente um olhar de atenção ao escorpião que se arma para me picar o dedão do pé. E, se é óbvio que esse assédio multilateral nada tem de espontâneo, também é certo que, até agora, eu tinha uma certa inibição de mencionar sua origem “grupal/coletiva”, para não acrescentar, ao desconforto da perseguição, a humilhação de ser chamado de maluco por aqueles mesmos que me puseram nessa situação maluca. 

Mas a senhora – como direi? – deu o serviço. Liberou o assunto proibido. Mostrou que malucos são vocês, malucos e obsediados pelo “íncubo ideológico” de que falava Eric Voegelin; malucos ao ponto de tentar aprisionar um sujeito numa armadilha paranóica só para depois, quando ele se queixa, poder acusá-lo de paranóico. Mas conspiraçõezinhas de intrigantes dependem inteiramente do segredo, e o segredo depende de que, entre os conspiradores, nenhum seja vaidoso o bastante para gabar-se dele em público. Peço pois desculpas por ter atribuído inicialmente sua atitude à ma-fé em vez de à idiotice: a senhora junta as duas em doses iguais.

Devo lhe agradecer, ainda, por ilustrar com tanta clareza, neste seu segundo artigo, os procedimentos de manipulação de texto que, por alto, assinalei no primeiro. Onde digo que um crime “é menos grave”, a senhora logo traduz para “é justificável”. É assim que a senhora transmuta as minhas palavras, de um apelo ao equilíbrio, numa “defesa subliminar da tortura”.

Sou-lhe igualmente grato, aliás, pela redação atenuada que agora a senhora deu à sua caluniazinha. Antes, eu era acusado de ostensiva “defesa da tortura”. Durante a semana, a senhora – ou o “grupal/coletivo”, o que dá na mesma – leu melhor, vacilou, viu que não dava para sustentar esse absurdo, mas, não desejando dar o(s) braço(s) a torcer, optou pelo meio-termo: a “defesa” pura e simples tornou-se “defesa subliminar”. Deve ser subliminar mesmo. Tão subliminar, que nem eu a percebi.

Não obstante essa patente vontade de falsear, a senhora se gaba de que o seu grupo, “acima de qualquer pendência política, é contra qualquer tipo de terrorismo”. Para prová-lo, alega que o TNM não denuncia somente os crimes da ditadura, mas “também os que acontecem nestes tempos neoliberais”. Quer dizer: vocês não discriminam a direita nova; falam dela como falam da velha. Com essa notável declaração, vocês exibem sua carteirinha de identidade ideológica no ato mesmo de jurar que não têm carteirinha nenhuma.

O TNM, na verdade, só existe com a finalidade sectária de denunciar os crimes de um lado para esconder os do outro.

Neste mesmo momento, enquanto a senhora revolve papéis velhos, em busca de indícios que possa alegar contra direitistas nonagenários ou mortos, centenas de pessoas estão sendo torturadas nos cárceres de Cuba, do Vietnã, da Coréia do Norte, da China, com a cumplicidade moral, cultural e política de brasileiros. Um exemplo é o médico cubano Oscar Elias Biscet, reconhecido como “prisioneiro de consciência” pela Anistia Internacional, que está sendo torturado numa prisão de Havana pelo simples fato de falar contra a política fidelista de abortos em massa. Enquanto isso o governo do Rio Grande do Sul gasta um milhão e duzentos mil reais dos cofres públicos para a propaganda do comunismo cubano, ao mesmo tempo que a senhora e sua gangue se mobilizam para destruir a reputação de quem ache que é mais importante denunciar esses crimes de hoje do que vingar ofensas políticas de trinta anos atrás. Se isso não é ajudar o torturador, então não sei o que é ajudar, nem o que é torturador.

A senhora se denuncia até quando pretende bancar a esperta, acusando falhas na minha leitura do seu artigo. Digo que a senhora citou não mais que um exemplo de vítima de atentados militares, e a senhora pula de alegria, achando que descobriu um erro, pois se lembra de ter citado três. Mas não, dona. O que a senhora fez foi citar uma vítima de atentado militar... e atribuir aos militares dois atentados de autoria desconhecida. Não são, pois, três exemplos: é um exemplo verdadeiro e dois falsos. Sei que para a senhora dá tudo na mesma, mas, lamento, não sou capaz de ler do modo como a senhora quer ser lida.

Se a senhora quisesse mesmo punir pessoas más, não precisaria buscá-las nos arquivos históricos. Há muitos carrascos vivos. Se a senhora tem TV a cabo, ligue na Worldnet (Canal 29) a partir das 6h30 da manhã, no programa “TV Martí”, seção “Presídio Político”, e verá um desfile interminável de dedos cortados, orelhas arrancadas, olhos vazados. São os prisioneiros fugidos daquele país que Frei Betto, amigo inseparável do TNM, proclama ser “o reino de Deus na Terra”. Pelo seu número e atualidade, esses casos deveriam nos escandalizar muito mais do que aquilo que, numa época distante, os mortos fizeram aos mortos. Mas a senhora e o sr. Molina preferem escrever a expressão “perigosos comunistas” entre irônicas aspas, para dar a impressão de que não há periculosidade alguma nos torturadores cubanos e nos seus acobertadores locais. Isso não é ser cúmplice moral da tortura? Subliminar, portanto, é a senhora. Mas não tão subliminar que a gente não perceba claramente o viés deformante que a senhora interpõe entre o leitor e a visão dos fatos.

Perigoso, no seu entender, é o “perverso silêncio” em torno dos crimes da nossa ditadura militar. Mas que silêncio? A senhora não lê jornal, não vê televisão? Não tem filhos na escola, que venham lhe reproduzir o discurso das professorinhas contra os “horrores da ditadura”? Não ouve o alarido incessante da mídia em torno dos “anos de chumbo”? Não lê as notícias que a senhora mesma manda plantar contra meros suspeitos que, imediatamente e antes de qualquer comprovação judicial, são então demitidos de seus cargos e expostos à execração pública?

Silêncio há, sim, em torno dos crimes da esquerda. Um silêncio total, obstinado, sistemático, só varado pelo site de Ternuma, um miúdo fragmento de memória histórica cercado de ameaças e insultos por todos os lados. Os defensores da guerrilha brasileira, por exemplo, alegam que ela foi reação legítima contra a ditadura. Mas como poderia sê-lo, se já existia antes da ditadura, no tempo de João Goulart, em plena vigência das liberdades democráticas? Então ela já era dirigida e financiada desde Cuba. Eu e muita gente na esquerda sempre soubemos disso, mas era proibido falar. Se déssemos com a língua nos dentes, desmantelaríamos nossa própria retórica, confessando que a abominável “direita” tinha dito a verdade, que as guerrilhas não eram reação nenhuma contra a ditadura, que a ditadura é que era uma reação legítima contra uma agressão internacional. Para ocultar isso, não só mentimos na ocasião, mas continuamos mentindo durante vinte anos. Com uma diferença: eu parei; vocês continuam. A pesquisadora Denise Rollemberg, que segundo leio em Elio Gaspari foi a primeira a conseguir investigar o assunto depois de três décadas de compacta censura, diz que esses “episódios são guardados a sete chaves e quem conhece não fala”. Não fala, para “não dar armas ao inimigo”. No meu tempo de militância, essa desculpa justificava tudo. Éramos adestrados para sobrepor, ao critério verdade-falsidade, o par schmittiano amigo-inimigo. Esse adestramento é o pai de todos os totalitarismos, de todas as tiranias, de todas as mentiras ideológicas. E nós o aceitávamos como o mais alto padrão de moralidade concebível, cobrindo de injúrias quem não se enquadrasse nele. O seu maldito “grupal/coletivo”, dona Cecília, não é outra coisa senão o sindicato dos adestradores.

23/1/2001