Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

 

 

 

 

 

 

O dunguinismo no Brasil

Olavo de Carvalho
Dirio do Comrcio, 11 de maro de 2014

          


Dentre os movimentos neofascistas que floresceram na Rssia para ocupar o espao ideolgico do comunismo, o mais interessante e, de longe, o mais forte, a corrente "eurasianista" criada e liderada pelo prof. Alexandre Duguin. Filho de um oficial da KGB, Duguin um colaborador e um protegido do governo russo, o idelogo maior por trs das decises estratgicas de Vladimir Putin.

Sem um estudo srio dos seus ensinamentos impossvel entender a linha de ao do Kremlin. Creio ter sido o primeiro a chamar a ateno do pblico brasileiro, desde uns quinze anos atrs, para a importncia crucial do fenmeno Duguin. Graas mrbida indolncia mental das nossas elites, a advertncia caiu em ouvidos moucos.

Mas, se so avessos a todo estudo solitrio, os brasileiros de classe mdia e alta so, na mesma medida, altamente propensos a deixar-se arrastar por qualquer bandeira ideolgica que chegue do exterior com suficiente respaldo financeiro e disposio de conquistar o territrio. Assim, se ningum se preparou intelectualmente para enfrentar a epidemia duguinista que eu anunciava como inevitvel, essa epidemia acabou entrando no Brasil como quem arromba uma porta aberta, fazendo no s centenas adeptos nas universidades como tambm cooptando agentes pagos dispostos a tudo pela glria do Imprio Eurasiano, que no fim das contas no seno a boa e velha Me Rssia com roupagem multinacional.

O eurasianismo surgiu do antigo movimento "nacional-bolchevique" inaugurado pelo prprio Duguin e pelo romancista Eduard Limonov no incio dos anos 90 do sculo findo.

A idia inicial era reunir num vasto front ideolgico tudo o que fosse anti-ocidental e anti-israelense no mundo: comunismo, nazismo, fascismo e sobretudo os vrios movimentos "tradicionalistas" herdeiros dos ensinamentos de Ren Gunon, Julius Evola, Frithjof Schuon, Ananda K. Coomaraswamy.

Duguin e Limonov divergiram quanto ao governo Putin, que o segundo condenava e no qual o primeiro viu sua grande oportunidade de subir na vida. Duguin tornou-se o idelogo do regime, vivendo em instalaes confortveis, rodeado de centenas de assessores, tudo pago pelo governo, enquanto Limonov ia para a cadeia.

O nacional-bolchevismo estava acabado: nascia, em seu lugar, o "eurasianismo", que praticamente a mesma coisa adornada com uma profuso de novos e rebuscados argumentos extrados das obras do gegrafo ingls Halford J. Mackinder (1861-1947), dos pensadores "russfilos" do incio do sculo 20, dos tericos nazifascistas e dos tradicionalistas gunonianos e schuonianos.

O ncleo da doutrina a idia de que a histria humana inteira pautada por uma guerra sem fim entre "potncias terrestres", ou "eurasianas", e "potncias martimas", ou "atlnticas". Hoje em dia essas duas foras so representadas, respectivamente, pelo bloco russo-chins e pela "aliana atlntica" dos EUA com a Inglaterra e Israel.

De acordo com Duguin, os povos "terrestres" so guiados por altos ideais hericos, os "atlnticos" pela cobia e desejo de poder. O mundo s ser feliz quando o bloco atlntico for destrudo e o Imprio Eurasiano dominar – sem nenhuma cobia ou desejo de poder, claro – o globo terrestre inteiro. So simple as that.

A fora do duguinismo reside no atrativo que exerce sobre mentalidades diversas e aparentemente incompatveis entre si: patriotas russos ansiosos para restaurar as glrias imperiais do czarismo, saudosistas do Fhrer e de Mussolini, comunistas em crise de desamparo ideolgico desde o fim da URSS, catlicos tradicionalistas inconformados com as reformas do Conclio Vaticano II, intelectuais gunonianos revoltados contra o materialismo moderno e, como no poderia deixar de ser, brasileirinhos universitrios sempre dispostos a receber de braos e pernas abertos uma formuleta ideolgica prt--porter que os dispense de ler livros. A expanso do duguinismo no Brasil tem sido muito rpida mas, como no poderia deixar de ser, passa totalmente despercebida da mdia e dos "formadores de opinio", assim como aconteceu com a ascenso do Foro de So Paulo de 1990 a 2007.

E justamente a que eu entro na histria. Momentaneamente em crise de dvida, alguns duguinistas principiantes decidiram colocar as idias do seu guru em teste, promovendo um debate entre ele e este articulista. O texto integral dos pronunciamentos de parte a parte foi publicado pela Vide Editorial, de Campinas, sob o ttulo Os EUA e a Nova Ordem Mundial. Um Debate entre Alexandre Duguin e Olavo de Carvalho (2012).

Mesmo o leitor que no morra de amores pela minha pessoa notar que, no confronto entre um escritor independente e o poderoso representante da ditadura russa, os argumentos do meu adversrio foram reduzidos a p. As mensagens finais do prof. Duguin no escondem sua irritao e despeito ante um oponente que no lhe deixava mesmo margem para outra coisa.

Incapaz de refutar qualquer das minhas objees ao eurasianismo, o prof Duguin no era e no , no entanto, sonso o bastante para deixar de perceber na minha influncia o principal obstculo penetrao das suas idias no Brasil. Era de se esperar, portanto, que mais cedo ou mais tarde a militncia duguinista, inconformada com a humilhao do seu guru, desistisse da concorrncia intelectual e partisse para uma campanha de "character assassination" no bom e velho estilo KGB, muito mais maliciosa, peonhenta, organizada e bem subsidiada do que qualquer iniciativa similar da esquerda nacional. Nos prximos artigos darei alguns detalhes sobre o episdio, altamente significativo do futuro que se prepara para o Brasil.

 


.

 

Bookmark and Share

Comente este artigo no frum:

http://www.seminariodefilosofia.org/forum/15