Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

 

 

 

 

 

 

A tradição revolucionária - 4 (final)

Olavo de Carvalho
Dirio do Comrcio, 25 de julho de 2011

 

Para encerrar estas breves explicações, só faltam duas coisas: dar um exemplo concreto, entre milhares de outros possíveis, da continuidade histórica da ação revolucionária, e esclarecer – como me pedem alguns leitores – o conceito de “movimento revolucionário mundial”.

O exemplo trará por si mesmo um começo de esclarecimento.

Escrevendo em 12 de junho de 1883 a Eduard Bernstein, Friedrich Engels dizia que era preciso induzir os inimigos da revolução a “fazer-se uns aos outros em pedaços, moer-se uns aos outros até virarem pó, assim pavimentando o caminho para nós”.

Decorridos quarenta e tantos anos, a proposta ressurge na boca de Lênin, mas agora já não como mera idéia e sim como estratégia pronta para aplicação imediata. Tendo a experiência da guerra imperialista entre as potências européias como condição preparatória do levante revolucionário, mas vendo que os resultados obtidos tinham sido apenas parciais, com a instauração do socialismo num só país, ele se pergunta em 1916 o que é necessário para que a revolução volte a eclodir, mas desta vez em escala mundial. E a resposta que ele dá é inequívoca: precisamos de “uma segunda guerra imperialista”.

Hoje sabe-se, com certeza histórica suficiente, que a sugestão não caiu no vazio, mas foi levada à prática, com destreza quase mágica, pela política externa de Stálin. Estimulando em segredo as ambições imperialistas de Hitler ao mesmo tempo que promovia nas democracias ocidentais uma violenta campanha antinazista, Stálin conseguiu induzir as grandes potências a “fazer-se umas às outras em pedaços”, pavimentando o caminho para a ocupação de meia Europa pelas tropas soviéticas, o que era o seu plano desde o começo.

Entre a carta de Engels e a eclosão da II Guerra Mundial passaram-se seis décadas. Nesse ínterim, o que era apenas uma possibilidade teórica transformou-se num plano de ação e numa estratégia de efeitos avassaladores. Essa transformação só foi possível porque, ao longo de quatro gerações, os revolucionários comunistas não cessaram de meditar e remeditar os mesmos textos, sempre com o propósito de transmutar a teoria em prática e de enriquecer a teoria com os resultados da prática.

Essa continuidade, porém vai muito além da evolução interna do movimento comunista stricto sensu. Thomas Münzer, Maquiavel ou o marquês de Sade nunca foram comunistas nem membros de um partido que não existia no seu tempo. Eram revolucionários no sentido mais genérico do termo. Mas quem pode negar a força que o movimento comunista adquiriu ao absorver suas doutrinas, transmutando-as em ferramentas estratégico-táticas pelos bons préstimos de Ernst Bloch, Antonio Gramsci e Jean-Paul Sartre?

Nem sempre o material absorvido vem da mesma facção revolucionária. A linha nacionalista-romântica do início do século XIX, que deu origem ao fascismo e que muitos revolucionários internacionalistas e materialistas chegaram a condenar como reacionária, acabou se integrando muito bem na cultura comunista através da interpretação que lhe deu o filósofo marxista húngaro Georg Lukacs. Sem isso, florescimentos posteriores como a “teologia da libertação” não teriam sido possíveis.

Do mesmo modo, as lições de Lênin se transformaram num modelo para a criação do movimento fascista italiano.

Às vezes a substância a ser transmutada vem de fonte estranha. O Dr. Freud, um conservador que desprezava o socialismo, estava bem consciente do potencial explosivo das suas teorias, mas não poderia imaginar a facilidade com que, através de Wilhelm Reich, essa força anárquica viria a ser integrada e enquadrada no arsenal do movimento comunista.

A unidade histórica da revolução não é a unidade formal e burocrática de uma “organização”, de um “partido”, mas a unidade viva e móvel de uma “tradição” que, ao longo dos tempos, vai tudo absorvendo e transmutando em instrumento de poder, aumentando incessantemente a força de giro de um “movimento” que, não podendo levar a parte alguma, tem o seu próprio incremento ilimitado como única finalidade e justificação da vida humana.

Onde quer que se veja uma idéia, uma doutrina, um símbolo ser transfigurado em meio de ação política com vistas à concentração do poder para a “transformação do mundo”, ali está presente a unidade do movimento revolucionário mundial, para além de todas as divergências partidárias e ideológicas.

Ao longo do tempo, essa unidade, de início nebulosa e meramente potencial, vai se tornando mais clara aos próprios revolucionários. A confraternização de gayzistas, feministas, comunistas, radicais islâmicos, neonazistas, socialdemocratas e tutti quanti, que hoje reúne facções antes hostis num front mundial contra as democracias ocidentais e o cristianismo, é o resultado de um longo processo de incorporação no qual o movimento revolucionário realiza sua unidade à medida que a percebe, e a percebe à medida que a realiza.

P. S. – Se querem mais uma amostra da hegemonia revolucionária mundial, leiam a notícia publicada em http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110718/not_imp746214,0.php. Fala de um filme do cineasta alemão Alexander Kluge, de nove horas de duração, inspirado em O Capital de Karl Marx – uma idéia de Serguei Eisenstein, cineasta oficial de Stalin, que em 1929 os produtores acharam demasiado dispendiosa e irrealizável. Alguém é capaz de imaginar uma chatice de nove horas de duração, mas anticomunista, sendo financiada por verbas bilionárias e lançada, com grande alarde, em todo o mundo? A indústria inteira do show business, como a quase totalidade da indústria cultural, é pura máquina de propaganda revolucionária – dominada por gente que ainda tem o cinismo de se fingir de marginal e discriminada pelos “donos do capital”.


Bookmark and Share

Comente este artigo no fórum:

http://www.seminariodefilosofia.org/forum/15