Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

Poder absoluto

Olavo de Carvalho
Jornal do Brasil, 16 de agosto de 2007

 

Um breve exame do site http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/ basta para mostrar que o esquema petista tem o controle total da situação política e domina seus adversários para muito além do que estes ousam admitir em público ou até perante si mesmos.

O PT possui, para começar, um serviço de inteligência com informantes voluntários espalhados por todos os setores da existência social, prontos a vasculhar a vida financeira e pessoal de cada inimigo, fornecendo ao comando petista os elementos para destruir em poucos minutos as reputações que bem entenda. Os serviços secretos oficiais, hoje aliás também sob o controle do Partido-Estado, são apenas um pontinho na imensa área coberta pela KGB lulista.

O domínio estratégico que o PT exerce sobre a situação nacional estende-se para muito além do território brasileiro. Núcleos petistas ativos nos EUA e na Europa criaram uma rede de contatos que dá ao partido os meios de intimidar e paralisar seus adversários por intermédio da pressão de poderes internacionais (e ainda reclamar que “agentes do imperialismo” são os outros). Quem pode contra isso?

Há ainda a imensa malha de organizações militantes, treinadas e experientes, fazendo com que a declaração do sr. presidente, de que é o campeão imbatível da mobilização popular, não seja de modo algum uma bravata, mas a expressão fiel de uma realidade temível.

Os adversários do petismo, em contrapartida, só têm, em matéria de meios de ação, aqueles que lhes são propiciados pela posse de vários órgãos de comunicação – jornais, rádios e estações de TV – cujo funcionamento depende da proteção estatal e portanto, em última instância, do beneplácito petista. O PT é proprietário e mandante direto dos seus meios de ação e ao mesmo tempo é o provedor e administrador das armas dos seus adversários, apto a controlar a pressão oposicionista como o maquinista que gira as válvulas numa caldeira industrial.

Tais são as razões pelas quais a chamada “Zé-lite” só pode mover, contra o império petista, uma oposição débil, autocastrada e condenada a sobreviver dos favores de um inimigo onipotente. Toda a vida política nacional tornou-se uma agitação de superfície que só serve para encobrir e garantir a supremacia petista.

Nem conto, nesse diagnóstico, com o fato incontestável de que quase todos os antipetistas na classe rica estão tão sujos e comprometidos em esquemas de corrupção quanto a própria elite petista, com a diferença de que esta sabe mais da vida deles do que eles jamais saberão dela.

Nem menciono a evidência banal de que todo o trabalho petista se apóia numa elaboração analítica e estratégica de muitas décadas, que lhe dá uma retaguarda histórica e um horizonte de consciência incomparavelmente mais vastos do que seus adversários podem sequer imaginar.

E não é preciso lembrar que a assim chamada “oposição”, culturalmente cercada e enquadrada pela hegemonia gramsciana desde pelo menos duas gerações, nem mesmo consegue raciocinar fora dos parâmetros impostos pela cosmovisão esquerdista que domina até os pontos mais íntimos e discretos do imaginário nacional.

O fato de que até manifestações populares modestas e limitadíssimas, como as que se viram nas semanas passadas, surjam aos olhos do PT como intoleráveis ameaças golpistas, mostra até que ponto o esquema dominante se afeiçoou às delícias de um poder absoluto que nem mesmo precisa destruir fisicamente seus adversários porque psicologicamente já os colocou de joelhos.