Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

Rodízio de santidades

Olavo de Carvalho
Jornal do Brasil, 7 de setembro de 2006

 

A construção do sistema nacional de roubalheira petista não começou em 2003, nem é um desvio acidental da linha partidária. Vem do início dos anos 90. É parte integrante da estratégia de conquista progressiva do poder total, que passa pela destruição sistemática da ordem pública e pela parceria ignóbil entre partidos esquerdistas e organizações criminosas no Foro de São Paulo. Não há um só dirigente do PT ou de qualquer outro partido de esquerda que não saiba disso, nem jornalista que o ignore. Por isso mesmo conseguiram escondê-lo tão bem.

Agora que se tornou difícil continuar negando as patifarias mais espetaculares usadas para implementar o grande engodo, só resta aos mentores esquerdistas fazer aquilo que previ em março de 2004: “Se o PT cair em total descrédito..., entrará em ação o Plano B: suicidar o governo alegando que falhou porque estava muito ‘à direita’ -- e aproveitar-se da oportunidade para acelerar a transformação revolucionária do país, ... transferindo a militância (petista) para outra e mais agressiva organização de esquerda.” (Cf. http://www.olavodecarvalho.org/semana/040311jt.htm.)

O manifesto (publicado na Folha de terça-feira) no qual 250 picaretas acadêmicos internacionais, lulistas históricos, saem repentinamente acusando o governo Lula de “neoliberal” e pedindo votos para a Sra. Heloísa Helena, já é o plano B em ação.

Retroativamente, o padroeiro da esquerda é jogado para a direita junto com suas culpas, a data dos delitos é transferida para 2002 e doze anos de conspiração criminosa desaparecem numa nuvem de enxofre, de trás da qual emerge puro e santo o novo objeto de devoção, veraz e autêntico como uma virgem celeste de desfile carnavalesco, esmagando sob os seus mimosos pezinhos a serpente do capitalismo malvado e ladrão.

Limpar-se na sua própria sujeira é a tática mais velha e persistente do repertório esquerdista. Não há limites para a mendacidade, a malícia, a perversidade e o grotesco da mente revolucionária. Seu único deus é o Poder, sua única moral é a da vitória a todo preço. O resto é jogo dialético para estontear o adversário.

Continuem confiando nessa gente e ela lhes roubará tudo, a liberdade, a bolsa, a vida e o último resíduo de dignidade, como roubou no Leste Europeu e em Cuba. E, se vocês acham que existe algum esquerdista mais honesto que o outro, não estão de todo errados: o antecessor é quase sempre um pouco menos canalha do que o sucessor.

***

Acabo de ler, maravilhado, o estudo que Paulo Mercadante consagrou a um herói da inteligência brasileira (Tobias Barreto, o Feiticeiro da Tribo, UniverCidade, 2006). Não sei o que admirar mais: o estilo e a erudição do autor, remanescente da espécie extinta dos grandes escritores brasileiros, ou a energia incansável com que o personagem, isolado e sem recursos no meio provinciano, luta para manter-se ao nível dos debates filosóficos do seu tempo, um dever que os intelectuais subsidiados de hoje em dia ignoram solenemente. Honrado pela mídia chique com a infalível homenagem do silêncio total, o livro só se torna, por isso, ainda mais digno de atenção.