Recordar é viver, ou: “Quem sofreu sob o teu jugo te conhece”

Olavo de Carvalho

12 de junho de 1997

Singela homenagem deste website a Luiz Pinguelli Rosa e ao secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares

Cinco anos atrás, ambos já demonstravam ter todos os requisitos corporativos e subintelectuais necessários para chegar aonde chegaram. Olhem para o passado deles e terão uma imagem do futuro deste país.

I. O pajé

Este artigo, publicado no Jornal da Tarde de São Paulo, 12 de junho de 1997, foi depois reproduzido em A Longa Marcha da Vaca Para o Brejo: O Imbecil Coletivo II. — O. de C., 31/12/02.

Antigamente ” afirma-se ” os homens eram muito ignorantes e, na treva, deixavam-se guiar por algum pajé, que supunham detentor do conhecimento e operador de milagres. Ele talvez operasse alguns, mas o maior de todos era o de fazê-los acreditar nisso. E de tal credibilidade desfrutava, que mesmo o chefe guerreiro ” o cacique ” se submetia às suas ordens, por entender que a macumba de um discurso complicado é mais temível arma do que flechas e tacapes.

Transcorridos não sei quantos séculos, o Prof. Luiz Pinguelli Rosa ressurge do fundo das eras, exigindo do Exército a obediência milenar que os guerreiros devem à casta sapiencial, encarnada, para os fins da presente controvérsia, nele mesmo.

O pivô do debate é o reator atômico que os homens de armas pretendem construir com seus conhecimentos próprios, passando por cima dos sumos entendedores da matéria, que segundo o prof. Pinguelli Rosa se encontram todos nos órgãos acadêmicos, como a Coppe ” entidade da qual não sai um tostão sem o aval roseano, ou pinguélico.

O projeto, denuncia Pinguelli, é “altamente suspeito”. Suspeito de que? Em apoio do professor, esclarece Cláudio Camargo, da Comissão Nacional de Energia Nuclear, que o reator de farda, soi disant concebido com o propósito de produzir radio-isótopos para consumo industrial, não tem capacidade para tanto ” deixando subentendido que por trás da finalidade alegada deve haver outras, ocultas, de natureza propriamente militar e infalivelmente sinistra. O jornal do Rio que divulga a denúncia coloca-a, de maneira eloqüente, no verso da página concedida ao Imperador do Japão, que discursa sobre o morticínio de Hiroxima e Nagasaki. Com esse envoltório gráfico, a tese do prof. Rosa prescinde de provas, pois se apóia num dos mais persuasivos lugares-comuns da retórica visual contemporânea: a ciência contra a violência, o saber contra o poder. Já vimos isso mil vezes no cinema: o audacioso acadêmico pacifista que desafia o establishment militar.

Como o prof. Pinguelli não ofereceu nenhum argumento científico contra o projeto militar, vejo-me, com alívio, dispensado de enunciar algum a favor, coisa que aliás não saberia fazer. Digo apenas que a persuasividade do lugar-comum a que ele recorre se apóia num equívoco: a suposição de que o progresso do saber é mérito da casta acadêmica, enquanto os militares só se ocupam de truculências retrógradas. Na verdade, os militares muitas vezes põem a ciência para andar e fazem coisas úteis, enquanto a casta acadêmica despende imensas verbas públicas com pesquisas bizantinas que não raro só servem para o deleite de seus caprichos, para a satisfação de sua vaidade ou para alimentar o discurso mistificador em cujo fascínio se assenta o seu poder. Quase todos os confortos com que a tecnologia nos ajuda na vida diária ” do leite condensado aos computadores, do celular à Internet ” foram criações da pesquisa militar. Enquanto isso, os universitários se ocupavam precipuamente de criar e fomentar as ideologias que produzem guerras. Da Revolução Francesa até hoje ” com a notória exceção do expansionismo bismarckiano “, não se fez uma só guerra por exigência de militares, mas todas para realizar alguma doutrina acadêmica, fosse de Karl Ritter ou de Karl Marx, de Georges Sorel ou de Vilfredo Pareto, de Carl Schmitt ou de Régis Débray. Os militares sempre dizem que não dá, mas acabam se rendendo, como os caciques da Idade da Pedra, à mágica das palavras. Isso não quer dizer que, nos tempos modernos, as atribuições das castas tenham se invertido. Ao contrário: é da natureza das coisas que os homens de idéias inventem os pretextos de matar, obrigando os homens de armas a inventar os meios de sobreviver ” os quais acabam, por inescapável conseqüência, melhorando a vida dos sobreviventes. O estereótipo cinematográfico que vem em socorro do Prof. Pinguelli é falso, como é falso que o Prof. Pinguelli ou seu fiel escudeiro estejam em posição insuspeita para lançar suspeitas sobre o Exército brasileiro. Afinal, sobre a comunidade acadêmica que eles representa ainda paira, silenciada mas irrespondida, a denúncia formulada por Wanderley Guilherme dos Santos: “O dispêndio governamental com o ensino superior constitui vastíssimo desperdício, a universidade brasileira é em grande medida um embuste e é enorme a variedade de parasitas que a habitam” (prefácio ao livro de Edmundo Campos Coelho, A Sinecura Acadêmica, Rio, Iuperj, 1987). Sendo o Prof. Pinguelli um dos grão-operadores da torneira estatal, é de se supor que numa imaginária CPI da safadeza acadêmica ele seria bastante atormentado por algum Roberto Requião ou equivalente. Isto só não vai acontecer porque as CPIs existem apenas para lisonjear a opinião pública, cujos construtores ” jornalistas, artistas, etc. ” são membros menores da casta sapiente e protegem a fama de seus maiores com devotado esprit de corps, como se viu na singular diagramação do jornal carioca.

Já do ponto de vista intelectual, acredita-se, o Prof. Pinguelli é insuspeitíssimo para falar sobre reatores. Ao menor sinal de dúvida, ele fará divulgar a lista ponderável de seus trabalhos sobre o assunto ” que eu, em pessoa, nunca vi em nenhuma revista científica internacional, talvez porque não as leia, mas que devem estar lá, ah, se devem! Ademais, ele tem em seu currículo o fato de ter sido presidente da SBPC ” aquela entidade que nomeia um semi-analfabeto para avaliar um trabalho científico e, denunciada, faz desaparecer o acusado sob o manto do anonimato. Portanto, guerreiros, acautelai-vos: o pajé tem poderes.

II. Resposta a um Cordovil adivinhão

Infelizmente, não encontrei entre os meus escritos
nenhum que tivesse o dr. Luiz Eduardo Soares
como personagem principal. Mas neste, que saiu no Jornal do Brasil
em 14 de dezembro de 1997, ele aparece como destacado coadjuvante
do jornalista Cláudio Cordovil
na perpetração de um dos mais notáveis feitos de vigarice intelectual
já registrados nos anais do Imbecil Coletivo II.

Salvo engano, sou autor de doze livros publicados e profiro, na Faculdade da Cidade, um curso aberto ao público e bem documentado em centenas de apostilas. Tenho o direito de julgar que meu pensamento não é secreto nem de difícil acesso.

Não obstante, o Sr. Cláudio Cordovil prefere adivinhá-lo à distância, com base em frases soltas captadas de dois alunos que freqüentam meu curso há não mais de quatro meses e de cujas idéias não sou, malgrado o que diz o Sr. Cordovil, nem pai nem tutor.

Será o Sr. Cordovil um rapaz tímido, que ama e odeia de longe? Ou será simplesmente um tremendo adivinhão que se faz de repórter? Ou será ainda, na pior das hipóteses, um fanático esquerdista disposto a mentir até à exaustão, até à náusea, até ao desespero, tudo pela causa, como sempre mentiram os seus antepassados ideológicos, capazes de ocultar durante um século, com a ajuda de Cordovis, uma centena de milhões de mortos?

Qualquer que seja o caso, o Sr. Cordovil criou, pelos seus métodos telepáticos, uma visão de minhas idéias bem diferente daquela que poderia obter se consentisse em averiguá-las de corpo presente, seja ante os livros, seja nas aulas.

Vale a pena examinar o caso? Vale, mas somente por um dever de consideração para com o próprio JB, do qual tenho sido colaborador e no qual saíram vários artigos depois reunidos em O Imbecil Coletivo. Pois, da matéria do Sr. Cordovil, o jornal emerge trazendo na testa a acusação de dar espaço a odiosas pregações extremistas. Desde logo, deve-se portanto perguntar ao Sr. Cordovil: o senhor acha mesmo que, se meus escritos tivessem o conteúdo que o senhor diz que têm, a direção do JB já não o teria percebido? Acha que ela aguardaria, para vetar a publicação de vulgares propagandas fascistas, o sinal de alerta agora disparado pelo tirocínio infalível de Cláudio Cordovil? O senhor acha mesmo que é o homem mais inteligente do JB?

Das duas uma: ou a direção do JB não compreendeu os meus artigos, ou não os compreendeu o Sr. Cláudio Cordovil.

Para avaliar a compreensão do Sr. Cláudio Cordovil, basta medir, numa reportagem destinada a conjeturar os “pressupostos ideológicos” do jornal O Indivíduo, o nível dos conhecimentos que ele possui sobre o assunto.

1. Ele qualifica de “ultraconservador” o filósofo José Ortega y Gasset ” deputado eleito por uma coligação de esquerda sob o patrocínio de García Lorca e um dos primeiros exilados do governo franquista.

2. Qualifica a metafísica de “ferramenta filosófica que não permite a reflexão sobre a ação, o movimento, a política e, logo, sobre a liberdade”. Só há um lugar do mundo onde o termo “metafísica” tem essa acepção: a vulgata marxista (por exemplo, o grotesco Manual de Marxismo-Leninismo de Otto V. Kuusinen, Academia de Ciências da URSS, várias edições). Nota-se que o jornalista desconhece outras acepções, caso contrário não ignoraria que ação, movimento e liberdade são temas essenciais de toda metafísica, por exemplo em Maurice Blondel (ação), em Aristóteles (movimento) ou em Schelling (liberdade). Quanto à afirmação de que a metafísica impede a reflexão sobre a política, é realmente difícil avaliar a profundidade da ignorância requerida para proferi-la. Qualquer manual de história da filosofia informará aos interessados que a reflexão política no Ocidente começa com Platão e Aristóteles ” isto é, com os dois fundadores da metafísica ocidental. Se o Sr. Cordovil não insistisse em gritar que ignora essas coisas, eu teria alguma dificuldade em acreditar.

3. Ele identifica escolástica e conservadorismo, ignorando que a famosa e aliás desastrada “abertura para a esquerda” do Concílio Vaticano II foi inteiramente obra de escolásticos, entre os quais Maritain. Desconhecendo todos os escolásticos, ele ignora também que os há de direita e de esquerda, que o confronto entre conservadores e progressistas, na Igreja, é na origem e em essência uma quizília de escolásticos.

4. Ele inclui entre os ultraconservadores o filósofo Éric Weil, que não terei a generosidade de lhe dizer quem é.

5. Quando um dos meninos entrevistados, Álvaro de Carvalho, afirma que a função do intelectual não é transformar o mundo, mas compreendê-lo, o Sr. Cordovil, fazendo pose de superior, diz que o entrevistado “desconhece os rudimentos do conceito moderno de intelectual”. Qual o conceito moderno a que se refere? Naturalmente, o conceito gramsciano do intelectual ativista ” o único que o Sr. Cordovil conhece, o único que é moeda corrente nos ambientes provincianos onde ele fez sua cabeça, e que, com a presunção típica do ignorante, ele imagina ser consenso mundial. O conceito defendido por Álvaro é o de Julien Benda, coisa que qualquer homem letrado reconheceria à primeira vista. Mas Benda é mais um autor do qual o Sr. Cordovil nunca ouviu falar, e que vem sendo bastante estudado nos últimos anos por autores que o Sr. Cordovil também desconhece.

Com essas qualificações, imagina-se a compreensão profunda que o Sr. Cordovil poderia obter de meu pensamento num simples olhar de relance, ou, melhor dizendo, de esguelha, aliás dirigido não a mim, mas a um espelho miniaturizado e não muito fiel.

Partindo dessa compreensão profunda, o Sr. Cordovil informa ao público que o conteúdo de meus cursos se compõe de “uma mistura de Sto. Tomás de Aquino e darwinismo social”. Por uma simples questão de polidez para com os leitores, devo, de minha parte, informar:

1 ” Sto. Tomás, em meus livros, só é citado uma vez, em Aristóteles em Nova Perspectiva, como autor de certas indicações, corretas mas parciais, concernentes à relação entre poética e lógica em Aristóteles. Nas minhas aula, nenhum texto ou doutrina de Sto. Tomás foi estudado, exceto de passagem, entre outras dezenas de autores, no curso História Essencial da Filosofia. Em contrapartida, aprofundamo-nos por meses ou anos em textos de Husserl, Leibniz e Lavelle, que o Sr. Cordovil não cita e que, aliás, ignora como a todos os demais. Não há vergonha nenhuma em ser tomista, mas também não há em não sê-lo.

2 ” A única menção ao darwinismo social em minhas obras está em duas páginas de A Nova Era e a Revolução Cultural, e é sumariamente contra. Mas o Sr. Cordovil não leu.

3 ” Do mesmo modo ele não leu o restante de minhas obras, motivo pelo qual pode estar persuadido de que “desferem ataques raivosos a teóricos que abordam a justiça social”. Mas não precisaria lê-las para notar a tremenda falsidade do que diz. Bastaria que lesse o Jornal do Brasil do dia 6 de janeiro de 1996, onde, no caderno Idéias, os grosseiros “ataques raivosos” são assim qualificados: “Se a obra de O. de C. se distingue da prosa empolada e vazia dos philosophes de plantão, é sobretudo por seu texto humorado, pela busca permanente de clareza e honestidade intelectual.” Caso o Sr. Cordovil se recuse a ler jornais que o aceitem como empregado, poderá em vez disso consultar o Jornal da Tarde de São Paulo, do dia 7 de janeiro de 1995, onde o crítico Luís Carlos Lisboa diz que, nas obras como nos cursos do hidrófobo autor de A Nova Era “predominam o equilíbrio e a coerência”.

Na verdade, não me lembro de ter discutido, exceto de passagem num artigo publicado aliás no JB, nenhuma teoria da “justiça social”. Não sei de que teóricos o Sr. Cordovil está falando, a não ser que ” valha-me Deus! “, qualquer esquerdista, ao dizer qualquer coisa sobre o que quer que seja, sobre os faraós do Egito ou sobre o consumo do Santo Daime, sendo em seguida criticado por Olavo de Carvalho, se torne ipso facto um teórico da justiça social.

No que diz respeito à “veneração fundamentalista” que eu inspiraria a meus alunos, é juízo de valor que vale quanto vale quem o emite. Não sei dizer quanto vale o Sr. Cordovil, pois não domino a técnica do cálculo infinitesimal.

Quanto aos intelectuais estatais consultados, é significativo que jamais tenham tido a coragem de discutir comigo, mas, vendo à solta dois aluninhos meus com apenas quatro meses de experiência, logo tenham esfregado as mãos, imaginando que maravilhosas vitórias intelectuais não poderiam obter contra adversários mais comproporcionados às suas forças. Quanto mais com a ajuda do Sr. Cordovil!

Não é de estranhar que, excitados como lobos diante de carne tenra, tenham se precipitado e, na ânsia de puxar da cartola toda sorte de insultos ideológicos, acabassem usando, de atropelo, carimbos mutuamente contraditórios. De fato, acusam os meninos de individualistas e de anti-individualistas, e os rotulam, ora de apóstolos da ordem estatal rígida, ora de ultraliberais e anarquistas adeptos da redução do poder de Estado.

Acostumados a lidar com categorias ideológicas padronizadas, sentiram-se desorientados ante a aparente indefinição do jornalzinho e, não conseguindo catalogá-lo, projetaram em cima dele toda a confusão mental histérica de suas pobres cabeças.

Não vou analisar em detalhe o que dizem. Destaco apenas o seguinte:

1 ” Um tal Sr. Birman, que se imagina psicanalista e talvez o seja, pois no mundo de hoje tudo é possível, põe à mostra, como numa sessão de psicoterapia, sua compulsão de ver no jornalzinho de umas centenas de exemplares a ponta de um iceberg, de imaginar por trás dele um grupo militante de extrema-direita, um vasto movimento organizado, internacional, temível como a peste e Hitler. Com isto ele denuncia apenas o estado patético de sua imaginação que, possuída pelo medo, infla até às nuvens, suando de pavor e de ódio impotente, a força dos três meninos que o apavoram. E depois, levando a farsa ao extremo limite do auto-engano, ainda inventa um jeito de posar de herói: Birman, o denunciador do complô direitista internacional, Birman, o escavador de exércitos secretos. É de fato muito lisonjeiro para esse poltrão atacar meninos e chegar em casa garganteando batalhas contra potências misteriosas. Se eu estrangulasse um bebê de três anos, inventaria uma história dessas: diria que por trás dele havia um baita Schwarzenegger que, por ser essencial, era invisível aos olhos. Esse Sr. Birman é um rapaz muito doente.

2 ” O Sr. Luís Eduardo Soares, cientista político ” o que não é lá muita recomendação, pois no mais das vezes designa apenas um político frustrado que teve de se contentar com um palanque acadêmico ” , assegura-nos que O Indivíduo segue o modelo um “anarquismo de direita”, bebido em Locke (liberal clássico) através de Robert Nozick (neoliberal), e ao mesmo tempo se inspira em Metternich e Joseph de Maistre (apóstolos da autoridade estatal), e René Guénon, (que o Sr. Soares cita sem saber quem é, imaginando-o talvez algum teórico da Action Française, mas que, informo aos leitores, foi muçulmano mais anti-ocidental que Louis Farrakhan). Santa misericórdia! Haverá em O Indivíduo tamanha riqueza de matizes ideológicos, provenientes sobretudo de autores que os rapazes nunca leram e que só poderiam tê-los influenciado por meios esotéricos desconhecidos? Ou o Sr. Soares é que na sua fúria catalogante gasta de uma vez todos os seus carimbos, não reparando que projeta em O Indivíduo apenas os fantasmas terroríficos de seu próprio subconsciente? Como diria Cláudio Moura Castro, o Sr. Soares padece do mal brasileiro de não ler o que um autor escreveu, mas o que ele acha que o autor quis dizer no fundo, muito no fundo ” tão no fundo que até o autor o ignora por completo. Ademais, que é que sabe o Sr. Soares das leituras dos meninos, exceto o que possa lhe ter informado o incrível ” no sentido etimológico ” Sr. Cordovil?

4 ” O Sr. Soares assinala em O Indivíduo “ecos de um conservadorismo anti-individualista que sonha com a comunidade”, enquanto o Sr. Birman diagnostica, no mesmo jornal, um individualismo radical que “recusa da noção de comunidade”. Sugiro aos editores a realização de um debate no próximo número.

Cada um desses senhores, evidentemente, se atrapalha, se embrulha, se mela todo no afã de dizer às pressas alguma coisa bem feia contra O Indivíduo. O leitor que julgue, que diga qual a hipótese mais provável, mais sensata, menos doente: o jornalzinho é misteriosamente movido pelas influências ocultas de autores que os meninos nunca leram, ou, ao contrário, os Srs. Soares e Birman é que, atônitos diante de um objeto difícil de catalogar, projetam nele a esmo reminiscências de leituras soltas? A mixórdia ideológica que enxergam em O Indivíduo é rebuscada demais, artificiosa demais, “intelectual” demais: é uma fantasia de acadêmicos, projetada sobre meninos que jamais poderiam encarná-la.

Isso não quer dizer que os Srs. Soares e Birman tenham lido muito. Quer dizer apenas que manejam mal, como em geral o fazem os mini-intelectuais do seu calibre, as fontes de que dispõem. Em vez de usá-las como pontos de referência, catalogam-nas em boazinhas e malvadas, e usam-nas como matéria-prima em sua fábrica de carimbos.

Quanto a Hilton Japiassu, professor de filosofia do IFICS, o que deve alta recomendação em Nova Iguaçu, ele também lê no jornalzinho, como seu colega Soares, várias coisas que não estão lá ” inclusive uma apologia do “conformar-se, consumir, ganhar dinheiro” que, se lá eu a encontrasse, muito teria me escandalizado. Mas não me escandaliza que o Sr. Japiassu veja o que não existe, ou jure que viu o que não viu. Intelectual estatal é para isso mesmo.

Mas o Sr. Japiassu vai mais longe no exercício de sua alta missão deseducativa. Esse autor de um livro de epistemologia recai na velha confusão entre origem e valor da consciência, confusão tão primária, tão boba, já tantas vezes desfeita desde que Leibniz respondeu a Locke no século XVIII, que deveria dar a um professor de filosofia, em caso de cometê-la, demissão por justa causa. Do fato de que a consciência só se forma em sociedade, ele deduz que, uma vez formada, ela não pode se opor ao consenso da sociedade. A consciência individual a que se refere O Indivíduo não é obviamente a do “menino-lobo” de que fala o Sr. Japiassu, isolado e privado de educação, mas, ao contrário, a do spoudaios, do homem maduro capaz de se opor, mesmo sozinho, ao consenso da massa, como o fizeram Sócrates e Jesus, coisa que aliás o Sr. Japiassu, que por mal dos pecados é também padre, não tem o direito de ignorar. Os meninos de O Indivíduo, na sua tenra juventude, já dão a amostra, ingênua e canhestra o quanto se queira, mas corajosa, do que poderão ser na maturidade. Eles já são, na sua bravura solitária, O Inimigo do Povo, de Ibsen. Mas, na cabeça de um professor de subserviência, tal perfeição humana deve ser inimaginável. Para o Pe. Japiassu só há dois caminhos: ou do unanimista que diz amém à massa e segue Barrabás, ou o do menino-lobo que não segue nada porque de nada sabe. Tertium non datur. Que coisa abominável, um padre que ignora a solidão de Santa Teresa em seu templo interior, “sola con El Solo”, a “noche oscura” do solitário São João da Cruz, ou mesmo a simples solidão do crente sincero que faz seu exame de consciência diante do “Deus que sonda os rins e corações”! Que temível sinal dos tempos, um sacerdote de Barrabás a pregar no templo de Cristo!

Mas não falemos só de coisas tristes. Divertido é o show de ignorância presunçosa que se exibe no manifesto do Coletivo Cultural da PUC-Rio, uma entidade à qual sou muito reconhecido pela propaganda gratuita que sua denominação faz de meu livro O Imbecil Coletivo: Atualidades Inculturais Brasileiras. Essa notável produção literária coletiva, que é por si uma amostra do estado de coisas no ensino universitário nacional, alerta gravemente a população contra “as conseqüências da chamada teoria do darwinismo social, que legitimou a escravidão”. Dito isto, passo à aula de História:

1 ” A aplicação do darwinismo à história social foi invenção de Herbert Spencer, nos seus First Principles, de 1862. O darwinismo social como ideologia política apareceu em 1892, com a conferência de Thomas H. Huxley, “Evolução e ética”. Nasceu e tornou-se ideologia dominante no Império Britânico, onde a luta aberta contra a escravidão era política oficial desde muitas décadas, adotada em escala mundial pela Coroa, em parte por autêntico humanitarismo, em parte para debilitar o colonialismo luso-hispânico.

2 ” Nos Estados Unidos o darwinismo social também não foi de nenhuma ajuda para os escravistas do Sul, pela circunstância de ter vindo à luz 28 anos depois do término da guerra civil que eliminara a escravidão.

3 ” No Brasil do século passado houve muitos darwinistas e spencerianos. Mas foram todos, sem exceção, abolicionistas ” a teoria de Huxley chegou depois da Abolição.

4 ” Depois da data da conferência de Huxley, só existiu escravidão nos países islâmicos, em cuja cultura não há o menor traço de darwinismo social ou coisa similar, sendo a idéia evolucionista, em geral, repudiada como materialismo ocidental.

Eu poderia recomendar aos signatários alguns livros a respeito, mas não vou fazê-lo: seus professores são pagos para isso, embora achem mais lícito gastar dinheiro público para lisonjear estudantes em vez de educá-los. Em contrapartida, vou perguntar: será justo e decente que o órgão incumbido de encarnar a personalidade cultural de uma universidade saia fazendo manifestos sobre coisas das quais ignora tudo? Será lícito e ético usurpar o nome de “cultura” para adornar com ele as inépcias fulgurantes de politiqueiros estudantis?

Tudo o que se pode alegar em favor dessas criaturas é que também são vítimas: vítimas da injeção de ignorância que, paga por suas famílias de parceria com o Estado, recebem diariamente sob o rotulo de “ensino”. São, é verdade, vítimas culpadas: colaboram alegremente com o estelionato cultural que as emburrece. Mas seu castigo é certo: se continuarem assim, todos se tornarão futuros Japiassus, Birmans, Soares e ” misericórdia! ” Cordovis.

Para encerrar, noto que o Sr. Cordovil saiu da redação imbuído do propósito de retratar a “identidade ideológica” dos editores de O Indivíduo. Mas por que três meninos que decidem fazer um jornal de estudantes têm de possuir obrigatoriamente uma identidade ideológica pronta, padronizada, facilmente reconhecível no catálogo de dois itens que constitui todo o universo mental do Sr. Cordovil? Por que não podem ter opiniões sobre este ou aquele fato em particular, sem reduzi-las tão precocemente a um sistema já catalogado?

No entanto, o Sr. Cordovil já saiu da redação com seu carimbo, com seu ferro em brasa atiçado para marcar os meninos com o estigma do preconceito, para fazer deles, mediante a marca infame, objetos do ódio universal. E fez isso com frieza, com premeditação, mesmo sabendo que uma de suas vítimas era menor de idade.

Tanto foi essa a sua decisão, tanto foi esse o seu ato, que, ouvindo citar autores dos quais nunca ouvira falar, e confessando que pouco entendera das declarações, nem por isto achou melhor adiar sua sentença. Citassem quem citassem, dissessem o que dissessem, os entrevistados já estavam de antemão marcados com o nome do execrável: “extrema-direita”.

Que é, exatamente, extrema-direita? É fascismo? É nazismo? É conservadorismo? É hinduísmo? É liberalismo? Para o Sr. Cordovil, é tudo isso ao mesmo tempo, é qualquer coisa de que a esquerda não goste. Ele joga sobre os meninos todos os rótulos, sem perceber que se desdiz no ato, que revela com isso apenas sua intenção de insultar a todo preço, mesmo ao preço da mais flagrante contradição.

Os meninos dizem coisas ingênuas, algumas das quais eu não endossaria de maneira alguma, mas que jamais poderiam, com honestidade, ser interpretadas no sentido maligno que lhes dá o Sr. Cordovil. Eles fazem a apologia da sociedade hindu, e ele conclui que são perseguidores de povos inferiores. Eles fazem a apologia da liberdade, e ele conclui que são sacerdotes da autoridade estatal. Eles falam dos direitos e garantias individuais da Constituição, e ele conclui que são perigosos inimigos do Estado de Direito.

E o mais edificante de tudo é que a acusação inicialmente brandida por acusadores vociferantes ” racismo! ” já não vem aqui explícita, mas velada, como que envergonhada de sua própria mentira, embrulhada na capa de um substitutivo genial ” “extrema-direita” ” improvisado para continuar ferindo a quem já não se pode acusar na justiça.

Tudo isso é tão absurdo, tão perverso, tão obviamente farsesco, que não dá vontade de responder nada. Dá vontade de guardar silêncio. Tentar falar com o Sr. Cordovil é coisa vã como falar com um jumento, um tatu, uma porta, um muro. Ele não ouve, não quer ouvir, talvez nem mesmo possa ouvir. Não falo, portanto, para ele.

Devo então falar à opinião pública? Mas como? Por que canais hei de atingi-la, se ela é deformada em massa pelo mais poderoso noticiário de TV, que não dá a seus três difamados nenhum direito de resposta?

Posso reagir no varejo, aqui e ali, dispondo às vezes de um espaço de três laudas para refutar centenas de mentiras. E quanto aos milhões de telespectadores que já foram ludibriados, quem lhes dirá a verdade? Quem lhes contará que a novelinha anti-racista é montada por farsantes que, vociferando na mídia, não têm sequer a hombridade de denunciar na justiça o crime que, no fundo, sabem inexistente? Quem revelará a esses milhões que a própria reitoria da PUC já vacila nas acusações, que o reitor Jesus Hortal já declarou que os meninos “não fizeram nada de tão grave”? Quem mostrará aos brasileiros que, enquanto a acusação falsa é estampada em oito colunas, o desmentido, já discreto em si, vem escondido e diluído no meio de uma reportagem, para não dar na vista, para não por a nu a maldade e a mentira de tantos e tantos caluniadores?

De outro lado, por que tanta mobilização, tantas assembléias, tantos cochichos, todo esse zunzum dos diabos por causa de três meninos que deram uma opinião? Por que essa santa aliança de professores, jornalistas, burocratas, líderes estudantis, militantes, intelectuais, atores e cantores ” todos contra três, apenas três estudantes, por trás dos quais não há sequer a proteção de uma família, de um círculo de amigos, de um clube de futebol de botão? Por que tanta força de ataque reunida para dar combate a tão modesto adversário? Por que tanta violência, tanta crueldade travestida de mansuetude, por que tantas calúnias transmitidas em massa na TV sem direito de resposta? Por que, enfim, essa grotesca assembléia de luminares do nada, reunidos pelo Sr. Cordovil para pontificar sobre o que ignoram, todos sem a menor curiosidade de investigar antes de opinar, todos sem o menor cuidado de pesar suas palavras antes de dispará-las, como bombas, sobre três vidas que mal começam? Por que esse cinismo de atribuir “intenções de violência” logo às três vítimas inermes da difamação política mais injusta e sádica que já se viu na história nacional? Isso já não diz tudo da psicologia dos nossos intelectuais de esquerda? Isso já não mostra até que ponto essa gente é covarde, prepotente, raivosa, disposta a esmagar sob o peso da gritaria universal a mínima voz divergente? Isso já não mostra o tipo de sociedade que querem implantar neste país?

Apêndice

Resposta a três Cordovis

O sr. Cláudio Cordovil, que iniciou esta contenda, pretende dar nela a última palavra, falsa como a primeira. Odeio voltar a este assunto, mas, desde o início de minha carreira literária, desgostoso com o ambiente de presunção hipócrita que me rodeava, prometi a mim mesmo jamais me fazer de orgulhoso, jamais me abrigar num silêncio falsamente aristocrático, jamais recusar uma resposta nem mesmo ao mais Cordovil dos difamadores.

Tomo portanto um engove e anoto:

1. O sr. Cordovil diz que a minha iniciativa de lhe responder “não foi lícita”, porque meu nome fora citado apenas três vezes ” notem bem: apenas três vezes ” na sua matéria. Infelizmente, a licitude do exercício de um direito constitucional não é matéria na qual o JB costume consultar o saber jurídico do sr. Cordovil. Quando redigir a próxima Constituição Brasileira, o sr. Cordovil estatuirá que qualquer calúnia espalhada por ele só dará direito de resposta depois de proferida quatro vezes. Pela Constituição atual, basta a primeira.

2. O sr. Cordovil informa que guardou para si as mais bombásticas revelações contidas na fita gravada com os meninos, divulgando só as mais inócuas, a título de “aperitivo” (sic). Quando li estas palavras, fiquei atônito, pois nunca, em trinta e dois anos de jornalismo, vira um repórter gabar-se de esconder a notícia, e, pior ainda, fazê-lo nas páginas mesmas do jornal ao qual sonegara as informações. Só vim a entender o paradoxo quando, linhas adiante, li que o sr. Cordovil receitava a leitura de um livro sobre a tal “retórica da intimidação”. Não li esse livro, mas compreendi instantaneamente por que o sr. Cordovil o recomenda com tanta ênfase: é não apenas o seu livro de cabeceira, mas o seu manual de redação. Só que no meu tempo esse tipo de coisa não se chamava retórica. Chamava-se blefe .

3. O sr. Cordovil diz que sou um escritor raivoso. Ele é mau leitor e mau psicólogo. Mau leitor: confunde a raiva que um escritor sente com a raiva que ele desperta. A diferença é elucidada pela estilística, hoje quase uma ciência exata: o estilo raivoso é duro, crispado, cheio de afetações, sem naturalidade ou senso de humor. É o estilo do sr. Cordovil. Já Rivarol e Voltaire, Chesterton e Shaw, muitas vezes foram lidos entre espasmos de ódio precisamente porque escreviam rindo.

Mau psicólogo: Diagnostica projetando-se no diagnosticado, em vez de observá-lo. Raivoso, eu? Bobagem. Sádico, talvez. Pois embora procure ater-me às mais elevadas intenções morais, não posso, como não o pôde jamais qualquer escritor humorístico, negar o fundo de prazer maligno que sentimos ao espremer piolhos intelectuais.

4. Ele diz que se recusa a me exibir suas credenciais intelectuais. Recusa-se, mas exibe-as já na mesma frase, ao colocar o pronome oblíquo com a destreza daquele menino da piada que, para mostrar o incremento de seu QI, meteu o sorvete na testa. Erro típico de quem escreve com raiva.

5. Ele diz que não pretende polemizar comigo. É verdade. Prefere fazê-lo com garotos de 17 anos. Nada mais justo. Vejamos, portanto, como ele se sai contra esse que publica uma cartinha ao lado da sua resposta. Chama-se Sérgio de Biasi, não é meu aluno, só o vi por algumas horas, não tenho idéia do que ele pensa ou deixa de pensar e suponho até que não goste muito de mim. Pois bem: esse menino, que aparece na matéria do sr. Cordovil como defensor de tais ou quais opiniões, informa que nunca escreveu em O Indivíduo sobre os assuntos mencionados e que jamais foi entrevistado pelo Sr. Cordovil. Knock-out aos três segundos do primeiro round. Sugiro ao Sr. Cordovil que teste suas forças contra uma velhinha com Alzheimer.

6. O sr. Cordovil acusa-me de mobilizar contra ele uma “máquina de guerra”. A única máquina de guerra de que disponho é este meu velho e cansado cérebro, o cérebro de um homem pobre e sem recursos, que nada pode, materialmente, contra a formidável frente única que reúne a reitoria da PUC, o movimento Cambralha, o Diretório Central dos Estudantes, o “Jornal Nacional”, a revista Veja-Rio, o sr. Cordovil e enfim toda a intelligentzia esquerdista, representada no caso pelos srs. Birman, Japiassu e Soares ” e bem representada, aliás, pois dificilmente os atributos da mediocridade, na gama variada que vai da presunção à tolice, passando pelo histrionismo e pela falsa moral, estiveram tão bem dosados, por igual, em três… direi indivíduos? Não. Três exemplares, três cópias, três reimpressões fiéis de um só discurso, que é aliás o mesmo do sr. Cordovil e de todo o seu pugilo de bravos.

No meu tempo, mais de três contra um era covardia. Hoje, juntam-se cem contra um e alegam lutar valentemente contra uma “máquina de guerra”. É lisonjeiro, mas cansativo. Sinto-me um pittbull bicado por cem galinhas. Nessas criaturas, o senso das proporções parece funcionar às avessas: em vez de regular o medo pela gravidade relativa do perigo, avaliam o tamanho do adversário pela intensidade do medo que lhes inspira.

7. O sr. Cordovil alardeia coragem, mas dá inequívocas demonstrações de covardia. A mais bonita é esta: ele procura amenizar ex post facto suas palavras, dizendo que no seu texto apareci apenas como “pai intelectual” dos meninos, coisa inocente já informada pelo JB uma semana antes. Mas o que o sr. Cordovil afirmou em sua matéria não foi isso: foi que oriento um grupo de extrema-direita infiltrado na PUC. Grupo de extrema direita quer dizer exatamente: grupo militante que prega a destruição do Estado de Direito e o uso de meios violentos para instaurar uma ditadura. Não é bem a mesma coisa. A diferença é a que vai da simples fofoca ao crime de calúnia.

8. O sr. Cordovil diz que tem uma fita gravada à disposição do público. Pois bem. Tenho setecentas, além de umas trezentas apostilas e mais doze livros publicados ” tudo isso à disposição do sr. Cordovil ou de quem quer que seja, para verificar se algum dia preguei algo que se parecesse mesmo de longe a uma ação política qualquer, extremista ou moderada, direitista ou esquerdista. Posso ser acusado, isto sim, de pregar o absenteísmo político, a vida interior, o desprezo ao esquema amigo-inimigo que se tornou, para todos os intelectuais ativistas, a chave suprema do saber humano.

É curioso que o Sr. Cordovil pretenda denunciar minhas idéias e ações políticas sem ter examinado nada, absolutamente nada desse material, sem ter me entrevistado, sem ter assistido a uma única de minhas aulas, sem ter investigado o que quer que fosse acerca de meus ditos e feitos. O qualificativo mais brando que encontro para isso é: irresponsabilidade, leviandade, falta completa de ética jornalística.

Vamos agora aos Srs. Soares e Birman. Tal como o sr. Cordovil, eles alegam que sua conversa não era comigo, que eu não tinha nada que lhes responder. Mas como é possível que, de uma matéria onde se fala quase nada a meu respeito, eu saia carimbado com o rótulo de mandante de um crime contra a segurança do Estado?

Deveria eu agüentar isso calado, repetindo estas consoladoras palavras: “Não é comigo”?

A mim me parece, ao contrário, uma sublime cara-de-pau da parte de todos eles emitirem com tanta leviandade uma acusação tão porca e ainda achar que responder-lhes é falta de educação. Desejariam que eu me deixasse polidamente carimbar, caluniar e condenar? Desejariam que eu deixasse minha vida resumir-se no verso de Rimbaud: Par délicatesse j’ai perdu ma vie?

Quanto cinismo em três cabeças tão miúdas! Vejam só o ar santarrão com que essas pessoas, assumindo a defesa dos cem agressores que cobriram de tapas e cuspidas os editores de O Indivíduo, pregam o “respeito” e o “diálogo”, como se não acabássemos de ter aí mesmo a amostra do tipo de diálogo respeitoso que desejam.

O sr. Soares, então, chega ao cúmulo da desfaçatez ao declarar-me carente de credenciais “para o debate acadêmico”. Que coisa mais linda! Tapas, cuspidas, censura, falsas denúncias de um crime contra o Estado ” e o doutorzinho chama a isto “debate acadêmico”! É precisamente para este tipo de debate ” e somente para isso ” que uma universidade que tem no corpo docente um Soares ou um Birman pode credenciar. Se eu tivesse tais credenciais, haveria de jogá-las na privada o quanto antes, para que meus filhos não as vissem.

A polêmica deve ser civilizada, pontifica o sr. Soares. A polêmica exige respeito, diz o sr. Birman. É preciso manter a dignidade do tom, perora o sr. Cordovil. Quem não percebe que a única dignidade que essa gente conhece é um tom, um ar, uma afetação exterior?

Haverá algum respeito, dignidade, vida intelectual civilizada em acusar publicamente um inocente de conspirar para a destruição das instituições democráticas, para a instalação de uma ditadura reacionária, sobretudo quando quem faz essa acusação jamais viu de perto o acusado, jamais leu um de seus livros e nada sabe de suas atividades particulares ou públicas? Respeito vem de re-spicere, que quer dizer olhar duas vezes antes de falar. O “respeito” que essa gente alardeia é apenas a fala mansa dos Iagos, dos intrigantes, dos caluniadores sorrateiros.

Da minha parte, não posso fingir respeito por esse tipo de comportamento, pois seria desrespeitar-me a mim próprio.

Ademais, de que adianta argumentar polidamente, ou mesmo aos berros, com quem não sabe sequer o que é um argumento? O Sr. Birman, por exemplo, diz não ter encontrado, em minha carta, nenhum argumento, “só impropérios”. Já eu, na carta do Sr. Birman, encontrei vários argumentos, no sentido birmaniano do termo. Ei-los, por ordem de entrada e citadas ipsis litteris: “vociferações raivosas”, “bobagens e tolices”, “sopa de fel”, “bestiário de mau gosto”, “maneira feroz”, “babando na gravata”, “medo da sua saliva”, “violência verbal”, “adjetivos ofensivos”. Com isto chegamos à metade da carta; daí por diante o Sr. Birman nada mais diz a meu respeito. Por esse mostruário da sua dialética, aliás de uma originalidade estilística sem par, entendemos por que ele não viu na minha resposta nenhum argumento. Temos também uma amostra da sua cultura lingüística: ele qualifica a minha resposta de “bestiário” (livro sobre animais) querendo dizer “bestialógico” (coleção de besteiras). Mas não posso assegurar que haja nisso uma prova de incultura: talvez tenha sido um “ato falho”, expressão do juízo secreto que, no fundo, o sr. Birman faz de si mesmo, e que não cabe a mim confirmar ou impugnar, já que não sou nem me imagino psicanalista.

Mas, já que o sr. Birman padece da natural dificuldade de encontrar o que desconhece, facilitarei aqui as coisas para ele, reproduzindo, mais detalhado e visível, um dos argumentos que ele encontraria na minha carta se soubesse o que é argumento:

1. O Sr. Birman diz que os meninos constituem um grupo de extrema direita que é apenas a ponta visível de uma imensa organização subterrânea.

2. O Sr. Birman desconhece (ele próprio o declara) tudo da atividade dos meninos e das minhas, sendo portanto sua assertiva mera conjetura.

3. Ele não a apresenta como conjetura, mas como certeza inquestionável e auto-evidente.

4. Logo, o Sr. Birman acredita piamente que sua conjeturação é prova apodíctica da verdade do conjeturado.

5. Isso não é muito certo, logicamente, nem muito normal, psicologicamente.

6. Logo, há algo de errado com o pensamento do Sr. Birman.

Que raio de outra coisa é isso, senão um argumento? Identificá-lo é fácil, quando não se é o sr. Birman. Difícil é respondê-lo, quando se é precisamente isso e a natureza cruel não nos deixa ser nada mais. Talvez por essa razão o sr. Birman tenha preferido mudar de assunto, disfarçando após o fato consumado a gravidade de suas acusações conjeturais. Assim, onde ele jurava enxergar com certeza absoluta a ação concreta de “um grupo de extrema direita”, procurando com isto alarmar o público ante a ameaça de conspirações para a derrubada do Estado de Direito, agora ele diz apenas sentir um vago “cheiro de conservadorismo”. O que pretendia ser visão tornou-se cheiro, a pretensa evidência mostrou-se nada mais que suspeita difusa e rala. O sr. Birman também se pavoneia de altas coragens, mas como explicar esse súbito acesso de prudência no ousado denunciador de conspirações? Prudência, aliás, que espertamente muda o tom sem se desmentir de maneira explícita. Prudência que antes mereceria o nome de malícia, por jogar habilmente com uma linguagem escorregadia, que diz sem dizer e se desdiz sem desdizer. Bilinguis maledictus.

Quanto ao sr. Soares, comete a safadeza intelectual de praxe: ao comparar as idéias dos meninos da PUC com certas correntes de pensamento, não distingue entre a intenção consciente do texto e as semelhanças fortuitas que seus detalhes soltos apresentem com tais ou quais ideologias. Depois disso, fica fácil alegar que estas ideologias se contradizem umas às outras e acusar os meninos de “confusão”, aliás sem perceber que esta mesma acusação se incompatibiliza com a de extremismo, que pressupõe a coerência do compromisso com uma opção ideológica unilinear.

Por exemplo, ele vê no pensamento dos meninos elementos de individualismo e de anti-individualismo, e os acusa de contradição. Nem de longe lhe ocorre que qualquer estudante no pleno gozo de seus neurônios e não fanatizado por um compromisso sectário pode ” e deve ” admitir parcelas de verdade em doutrinas opostas, consideradas em planos distintos, e buscar, mediante um exercício do pensamento pessoal, uma solução dialética da oposição, que não cabe a um professor lhes dar pronta. É precisamente colocando os alunos diante de oposições desse tipo que se desenvolve neles o pensamento crítico, vacinando-os ao mesmo tempo contra todo simplismo fanático. Já o Sr. Soares só conhece um tipo de ensino: a doutrinação em bloco segundo uma ideologia compactamente coerente.

Mas a coerência em bloco de uma ideologia é com freqüência apenas a unidade exterior de uma vontade política forçada, cheia, por dentro, de toda sorte de paralogismos e contra-sensos. Coerência ideológica é muitas vezes sinônimo de incoerência lógica. O próprio sr. Soares nos dá um exemplo disso, quando, após afirmar que “o pensamento dos meninos é articulado sistematicamente pela filosofia ultraliberal”, assinala neles “o entusiasmo por René Guénon e pela tradição conservadora mística… que considera o individualismo liberal o paroxismo da degradação”. Ora, se os meninos admitem algo de verdade na crítica de Guénon ao liberalismo, é óbvio que seu pensamento não se “articula sistematicamente” segundo a filosofia ultraliberal, mas apenas aceita criticamente alguns aspectos dela, devidamente relativizados pelo confronto com as objeções de Guénon e de outros pensadores (entre os quais alguns esquerdistas, como Max Horkheimer, bastante valorizado no meu curso). Isso é tão simples, tão banal no ensino de filosofia, que somente um microcéfalo intoxicado pelo preconceito pode não enxergá-lo, ou um rematado farsante fingir que não o enxerga.

O gênero de intoxicação que entope os canais neuronais do sr. Soares é no entanto bastante óbvio: ele é um daqueles fanáticos que, jamais tendo examinado sem preconceito as doutrinas que lhe repugnam, toma as suas próprias como pressupostos auto-evidentes e as usa como premissas de “demonstrações” que, na sua cabecinha, devem parecer muito conclusivas. Mas se o sr. Soares acha que todo ataque à affirmative action é racismo, cabe a ele prová-lo, e não tomar essa premissa arbitrária como princípio inquestionável para, com base nela, “provar” mediante escandalosa petitio principii que os meninos são racistas porque atacaram a affirmative action. Já expliquei, em artigos de imprensa, que a affirmative action tem esse nome precisamente porque é uma teoria que não se demonstra mediante argumentos, mas mediante a ação voltada à destruição política de seus adversários: para provar que há muitos racistas, acusa-se de racista quem conteste a teoria e logo o mundo fica povoado de racistas. Isso é fraude intelectual da mais descarada.

Com o mesmo simplismo autêntico ou fingido, o sr. Soares toma como coisa certa e provada a afirmação de que “toda celebração do pensamento puro tem sido celebração da raça branca” ” desastrado chute fora, pois o que de mais significativo sabemos do “pensamento puro” nos veio de hindus e mouros como Shankaracharya e Ibn-Arabi, isto para não mencionar aquele cúmulo de purismo abstracionista que são os trigramas do I Ching. Mas basear-se nessa falsa premissa para condenar os meninos como racistas já deixa de ser simplismo: é jogo difamatório, porque eles nem sequer falaram o que quer que fosse acerca de “pensamento puro”, e este conceito entra no debate como autêntica contribuição do próprio Sr. Soares.

O sr. Soares voa longe do objeto, no seu empenho de ler por atribuição de intenções e adivinhar por associação de imagens. É um pobre cérebro que imagina pensar, quando apenas expressa, com mal disfarçado rancor contra o que não entende, sua tosca confusão interior.

Quase todos os alunos que vêm ao meu curso, vindo das escolas onde lecionam Soares e Birmans, chegam nesse estado e têm de ser levados para a UTI intelectual. Para que cheguem a ter uma experiência efetiva do que é “pensar”, é preciso exercitá-los muito e muito no confronto dos contrários em vários planos e em acepções diversas, método dialético tradicional que tanto escandaliza o simplório Sr. Soares e cuja prática, de fato, não lhe recomendo, por estar manifestamente acima das suas forças.

Também não lhe recomendo que continue tentando jogar contra os meninos a comunidade gay, mediante o expediente barato de marcá-los com o rótulo de “homofóbicos”. O máximo representante dessa comunidade no Brasil, o antropólogo Luiz Mott, homem honesto, acaba de enviar a O Indivíduo um e-mail no qual afirma que, embora discordando das opiniões ali expostas acerca do homossexualismo, não viu nelas nada de ofensivo. Ou pretenderá o Sr. Soares posar de mais gayzista que os gays?

Para encerrar, digo que há muitas maneiras e tons de apresentar uma argumentação. Cobrando de mim o tom sereno e polido de um debate acadêmico, os srs. Soares, Birman e tutti quanti só fazem lisonjear-se a si mesmos, fingindo seriedade de cientistas para dar ares de alta cultura ao que é, na verdade, um ataque grosseiro, sórdido e calunioso a pessoas inocentes. É aliás também por mera auto-lisonja que fingem imaginar que os chamei, a eles ou a qualquer de seus companheiros de militância, para uma polêmica de idéias. Posso tê-lo feito outrora, quando se tratava de discutir questões de cultura brasileira. Aqui e agora, o caso não é discutir idéias: trata-se de denunciar um crime de calúnia, vulgar e estúpido como todos os crimes.

Polemizar em tom acadêmico com esse tipo de gente seria entrar no jogo do fingimento, como os parentes do Henrique IV de Pirandello, que, para não irritar o louco, admitem fazer de conta que são cortesãos de Henrique IV e terminam por acreditar que são mesmo.

Nem vejo sentido em prosseguir a denúncia no plano de uma disputa meramente verbal. As palavras dessa gente contra mim e contra os meninos da PUC não são apenas palavras: são atos. Atos respondem-se com atos. E atos criminosos respondem-se com medidas judiciais, não com bate-bocas na imprensa. A polêmica jornalística está, portanto, encerrada: já encaminhei o caso à justiça, que é a arena certa onde lidar com esse tipo de criatura.

***

Esta resposta foi enviada ao Jornal do Brasil em 19 de dezembro de 1997. Não foi publicada.

Por que, não sei. O que sei é que a imprensa brasileira se acostumou a abrir e fechar polêmicas a seu belprazer, aproveitando-se das partes em litígio como de títeres a serviço de objetivos mercadológicos e políticos que são dela, não deles. O jornal convida um sujeito a falar mal de outro; provoca uma discussão, atiça-a até um certo ponto e, quando imagina que “está cansando o leitor”, interrompe bruscamente a conversa, pouco importando o que os debatedores achem que ainda têm a dizer.

Mas o direito de resposta foi estatuído pela Constituição para servir à defesa dos cidadãos, não ao marketing jornalístico. Se, por uma feliz coincidência, publicar uma determinada resposta é bom para vender jornal, então ótimo: o jornal cumpre a lei e ganha dinheiro. Viva o capitalismo! Mas se o jornal condiciona a publicação ao lucro, se ele seleciona as respostas conforme lhe ofereçam vantagem e não em obediência incondicional à Constituição Federal, então usa em benefício próprio os direitos de um outro, sem o consentimento do titular ” e isto é mais que imoralidade: é um desrespeito à norma constitucional. Admito que, no ambiente de turva inconsciência que reina hoje na nossa imprensa, os jornalistas podem fazer isso sem dar-se conta da gravidade do seu procedimento. Mas pode o criminoso alegar sua insensibilidade como atenuante do crime?

No caso desta polêmica em especial, o escândalo é mais grave ainda, porque foi desrespeitada a paridade de acusação e defesa, que está implícita na lógica mesma do direito de resposta: um ataque, uma defesa; dois ataques, duas defesas. O segundo a falar deve ser também o último: o contrário seria privilegiar abusivamente a acusação.

Ora, o JB publicou primeiro a acusação; depois, a resposta; depois, três tréplicas. Depois, silêncio. Além de me forçar a responder simultaneamente a quatro atacantes, ainda lhes deu o confortável privilégio da última palavra. Feito isso, decretou que a polêmica estava “cansando o leitor”. Como se o direito de resposta fosse condicionado ao prazer da leitura. Como se a honra do cidadão, para ser respeitada, tivesse de ser também atraente, interessante e, para o jornal, lucrativa.

Até o momento em que eu e José Mário Pereira fechávamos a edição deste livro, minha resposta aos novos ataques de Cordovil, Soares e Birman não tinha sido publicada. Não é impossível que o seja nas próximas semanas, quando o livro estiver rodando e for tarde para alterar estes parágrafos. Caso isto venha a acontecer, as considerações acima continuarão valendo como advertência à imprensa brasileira em geral e poderão ser úteis a muitos leitores cujos direitos tenham sido explorados da maneira descrita.

OLAVO DE CARVALHO

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano