Perguntas a um menino mimado

Olavo de Carvalho

Jornal do Brasil, 12 de outubro de 2006

Ao reclamar que foi espremido por Geraldo Alckmin ao ponto de se sentir sob interrogatório policial, o sr. Luís Inácio Lula da Silva está se fazendo de coitadinho. É puro fingimento de malandro. Alckmin, por mais brabo que estivesse, foi uma mãe para ele, questionando-o só em banalidades facilmente contornáveis e evitando as perguntas irrespondíveis:

1. É verdade que o senhor fundou e presidiu a maior organização política do continente, na qual partidos legais e grupos de narcotraficantes, seqüestradores e terroristas colaboram em vista de um projeto político comum?

2. É verdade que essa entidade trata por igual todas as organizações filiadas, quer usem de meios lícitos ou ilícitos para a conquista do objetivo comum?

3. É verdade que o senhor, seja como candidato, seja como presidente da República, jamais prestou a seus eleitores qualquer satisfação quanto às suas atividades nessa organização, mantendo-as premeditadamente secretas ou pelo menos camufladas?

4. É verdade que as resoluções dessa organização são aceitas por todas as entidades filiadas, configurando uma estratégia unificada entre a política legal e o crime?

5. É verdade que, embora as Farc distribuam cocaína no nosso território, dêem treinamento a bandidos do Comando Vermelho e do PCC e atirem em nossos soldados das tropas de fronteira, o governo brasileiro tem cumprido rigorosamente o voto de solidariedade a essa organização criminosa, que o senhor assinou pessoalmente?

Se Lula responder “Não” a qualquer dessas perguntas, as atas do Foro de São Paulo e o discurso que ele fez ali em 2 de julho de 2005 provarão que está mentindo.

Se responder “Sim”, admitirá que é cúmplice e protetor das mais violentas organizações criminosas do continente.

Pode-se perguntar também quem paga as despesas do Foro. Pode-se perguntar por que o PT se mobilizou para libertar o falso padre Olivério Medina antes que houvesse qualquer investigação séria sobre os cinco milhões de dólares que ele disse ter trazido das Farc para a campanha eleitoral de Lula. Pode-se perguntar se o governo petista não foi tão brando e paternal ante a invasão da Petrobrás por ter compromissos anteriores com Evo Morales, assumidos em reunião do Foro e portanto superiores ao interesse nacional. Pode-se perguntar se não é verdade que, já na presidência da República, e sem estar autorizado a isso pelo Parlamento, pelos eleitores ou pela Constituição, ele conspirou com Hugo Chávez para produzir o resultado do referendo venezuelano de 2004.

Bastaria que Alckmin perguntasse essas coisas, e a carreira política do seu oponente se desfaria no ar em questão de minutos, deixando um rastro de enxofre. Se Lula ainda se queixa do adversário caridoso que o poupou de vexame tão descomunal, é porque é um menino mimado, habituado a fazer o que bem entende sem jamais prestar contas de seus atos. E quem o deixou assim foi a omissão paternal da mídia e até da oposição em geral, contra as quais ele também resmunga sem motivo.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano