Patifarias

Olavo de Carvalho


Jornal da Tarde, 5 de agosto de 1999

Amigos perguntam-me se não vou escrever nada sobre a cortina de silêncio que a crítica, fielmente esquerdista, baixou sobre o meu trabalho de editor dos Ensaios Reunidos de Otto Maria Carpeaux. O caso é estranho: vários jornais deram amplo espaço à divulgação do livro, chegando a celebrá-lo como um acontecimento histórico, mas esquivando-se de mencionar sua Introdução – o primeiro estudo amplo que já se fez sobre o autor – e os milhares de notas de rodapé com que procurei tornar essa edição um instrumento útil de ensino e pesquisa. Num país onde qualquer antologista de ocasião é alvo de badalações midiáticas e virtual candidato à Academia, esse silêncio é significativo e talvez merecesse comentário. Principalmente porque entre os críticos havia pelo menos dois desses organizadores de seletas. Tentando justificar-se ante um leitor que lhe cobrava a explicação do inexplicável, um deles chegou a alegar que tivera mais trabalho para montar em verbetes uma antologiazinha do que eu para reunir, cotejar, corrigir, interpretar e anotar as 3 mil páginas de Carpeaux (considerando-se que “montar verbetes” significa colocá-los em ordem alfabética, compreende-se a dificuldade desse crítico). Tudo isso torna o episódio bastante interessante.

Mas não, não vou escrever mais nada sobre o caso, porque, importante para mim, considerado na escala nacional, ele se dilui na volumosa onda ascensional do descaramento esquerdista. Que importa a omissão do meu nome numas resenhas, se fatos infinitamente mais importantes estão sendo sonegados diariamente ao leitor brasileiro pela censura branca – em transição para a vermelha – que se instalou em todas as redações do País? Que importa uma mentirinha a mais, se, por exemplo, o apoio financeiro das elites norte-americanas à esquerda revolucionária do Brasil continua um segredo só violado, entre sussurros, em círculos quase esotéricos de estudiosos de geopolítica? Que importa o povo ignorar meus pobres feitos editoriais, se ele também não precisa saber quem paga os anúncios milionários com que um partidinho comunista eleitoralmente nulo ocupa fatias crescentes do horário nobre das mais caras tevês brasileiras? Que importa omitir uma informação literária, se todos os jornalistas se proíbem até mesmo de perguntar por que o nosso presidente decidiu financiar com dinheiro público uma organização que ele mesmo diz não ter outra finalidade senão a derrubada do Estado? Que importa noticiar mal a edição de um livro, se nada é preciso informar ao povo sobre regimes do nosso território – do tamanho de um Estado da Federação – onde é proibida a entrada de brasileiros e onde uma aliança de índios e estrangeiros, sob a proteção da mídia esquerdista, faz o que bem quer com tesouros minerais que bastariam para saciar a fome do mundo?

O povo não precisa saber nada de mim, porque simplesmente não precisa saber nada de nada. Ele não está aí para ser informado, mas para ser feito de idiota. Somente um povo idiotizado, ludibriado, anestesiado pode se submeter à “revolução passiva” de Antonio Gramsci, que consiste precisamente na divisão de trabalho onde uma elite descarada entra com a revolução e a nação entra com a passividade bovina de quem não sabe nem quer saber. Somente um povo idiotizado pode passar por uma revolução comunista sem percebê-la. Somente um povo idiotizado pode imaginar que esta sendo governado por um sonso, quando está sendo levado ao comunismo pela aliança espertíssima de um presidente fingidamente liberal com uma oposição fingidamente nacionalista.

Por isso, não vou dizer mais nada sobre o caso Carpeaux. Há tantas coisas que é preciso dizer e ninguém diz, que me dá vergonha de gastar este precioso espaço do JT com a descrição da mais miúda patifaria das últimas semanas.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano