Passado e presente do dr. Greenhalgh

Olavo de Carvalho

Diário do Comércio (editorial), 25 de outubro de 2006

O deputado Luiz Eduardo Greenhalgh acaba de enviar ao site Mídia Sem Máscara uma “notificação extrajudicial” na qual, com a autoridade que acha que tem, ordena sejam retirados do ar vários artigos, entre os quais o meu “Aids, Brasil e Uganda”, em cujo rodapé há algumas referências dolorosamente verídicas à sua empombada e hipersensível pessoa.

Como o artigo foi publicado originariamente no Diário do Comércio de 17 de outubro de 2005, em cujo site continua acessível ao público sem que isto incomode em nada o enfezado notificante, é óbvio que a iniciativa autoritária, voltada seletivamente contra o pequeno jornal eletrônico que apenas reproduziu a matéria, é uma abjeta tentativa de intimidação discriminatória que muito revela sobre o caráter do dr. Greenhalgh.

Para piorar ainda mais as coisas, cada uma das informações transmitidas no artigo é baseada na coluna de Cláudio Humberto e no livro de Adolpho João de Paula Couto, A Face Oculta da Estrela, as quais fontes também continuam à disposição dos leitores sem sofrer qualquer constrangimento da parte do referido.

Essas informações – repito-as para tirar desse censor autoconstituído a ilusão de poder ocultá-las – são as seguintes:

“Em plena legalidade democrática, um ano depois de assinada a Constituição de 1988, o  dr. Luiz Eduardo Greenhalgh pregava a revolução pelas armas, o desmanche do Exército, da Marinha e da Aeronáutica e a revisão da Lei de Anistia para transformá-la num instrumento de vingança jurídica contra todos os que cometeram o crime eternamente imprescritível de opor-se ao terrorismo comunista no Brasil… O programa do homenzinho, simples e brutal, abrangia:

– Remanejamento das Forças Armadas, transferindo para o Norte os oficiais que serviam no Sul e vice-versa, para afastá-los das frações por eles comandadas, prevenindo possíveis ações armadas contra os planos revolucionários do futuro governo de esquerda.

– Reformar metade dos oficiais da ativa (ele já tinha a lista dos selecionados).

– Extinguir todos os órgãos de Inteligência e abrir seus arquivos para exame de uma ‘Comissão Popular’.

– Revisão da Lei de Anistia e processo em cima de todos os ex-colaboradores da repressão ao terrorismo.

Para maior claridade do esquema, Greenhalgh concluía: ‘Só através da luta armada é que conseguiremos garantir a realização do plano.’”

Se na sua notificação ele alega agir em defesa da sua “boa fama e reputação profissional”, não creio que a tentativa de apagar à força os rastros de um passado abominável do qual jamais se arrependeu confirme uma coisa ou a outra, principalmente porque em grande parte essa fama e essa reputação advêm do seu sucesso em abafar o inquérito sobre o assassinato do prefeito Celso Daniel, coisa que não é propriamente boa nem aliás profissional. Ele diz também proteger a sua “honra”. Não precisa e não adianta. Um monumento à sua honorabilidade já se encontra em http://www.youtube.com/watch?v=GPDodHSol0w. É a conversa grampeada dele com o assessor presidencial Gilberto Carvalho, discutindo detalhes da operação-abafa. Mas todo esse empenho de esconder, camuflar, escamotear e apagar, no qual o dr. Greenhalgh gasta as melhores energias do seu profissionalismo, é perfeitamente vão. Mil vezes o deputado dará sumiço no seu passado e mil vezes ele reaparecerá no presente, já que a diferença entre esses dois momentos é mínima: o dr. Greenhalgh era e é um adepto fanático e auxiliar fiel do terrorismo revolucionário, tanto quanto qualquer colaborador político da Al-Qaeda, do Hezbollah, das Farc ou do Mir chileno. Não cito estas duas últimas organizações por acaso. Seus agentes operam no Brasil, vendendo drogas e seqüestrando nossos compatriotas, seguros de que, se forem presos, o dr. Greenhalg tudo fará para libertá-los, como fez com os seqüestradores de Abílio Diniz e de Washington Olivetto e com o falso padre Olivério Medina, aquele mesmo que informou ter trazido cinco milhões de dólares da narcoguerrilha colombiana para a campanha presidencial de Lula em 2002. O dr. Greenhalgh adquiriu ainda mais fama e reputação quando o deputado Jair Bolsonaro disse que ele sofria de tendinite de tanto contar dinheiro, recebido das indenizações políticas que patrocina. Não sei se havia nisso alguma verdade, mas duvido que dos seqüestradores estrangeiros ele receba alguma coisa. Ele os ajuda por puro amor à truculência comunista.

Ciente de que o Mídia Sem Máscara nada publicou que não possa provar, recomendei ao site, do qual sou fundador e uma espécie de editor platônico, que ignore solenemente a notificação e mande o presunçoso queixar-se à Justiça, caso seja louco de levar a sério seu próprio blefe.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano