Panos quentes

Olavo de Carvalho


O Globo, 29 de janeiro de 2005

Graças a um convênio firmado em 11 de dezembro passado, juízes e policiais cubanos poderão atuar em território da Venezuela com amplos poderes para investigar, capturar e interrogar cubanos ou venezuelanos que sejam procurados pela ditadura de Fidel Castro.

Há trinta mil cubanos na Venezuela. Foram para lá em busca da liberdade que não tinham no seu país. De repente, os direitos de que gozavam na nova pátria são suspensos, a distância que os protegia do tirano suprimida.

Não sei de acontecimento semelhante na história universal das perseguições.

No mesmo ato, os próprios venezuelanos nativos passam a viver sob o regime policial cubano, de modo que Hugo Chávez poderá se livrar de opositores sem que seu governo tenha de assumir a responsabilidade pela prisão e sumiço dessas incômodas criaturas.

Nada poderia revelar mais claramente a índole da integração latino-americana tal como planejada pelo Foro de São Paulo. Mas nem uma só linha a respeito saiu na mídia brasileira, sempre dócil e solícita no seu empenho de camuflar a realidade da revolução continental sob a fachada encantadora dos intercâmbios turísticos, comerciais e – digamos que o sejam – culturais.

No corrida revolucionária latino-americana, o motor são evidentemente as Farc. O piloto, Cuba, tem dois pedais para controlar a velocidade: a Venezuela é o acelerador, o Brasil o breque. A Venezuela produz as mudanças revolucionárias, o Brasil amortece o choque (o mesmo sistema reproduz-se em escala nacional, com a política econômica servindo de breque, o MST de acelerador).

Mas, desta vez, com a eclosão do conflito Venezuela-Colômbia, pisar no breque não bastou: o piloto teve de controlar manualmente a situação. Há dias Fidel Castro, descendo do Olimpo, vem mantendo conversações telefõnicas com Álvaro Uribe, tentando contornar uma crise que ameaça por tudo a perder. A implementação do convênio totalitário é um passo essencial para “reconquistar na América Latina o que perdemos no Leste Europeu”, objetivo proclamado por uma das assembléias do Foro. O ditador cubano não pode permitir que etapa tão vital e delicada do processo seja abortada pela eclosão de uma guerra que arriscaria suscitar a intervenção norte-americana, desmantelando a articulação tão meticulosamente montada, ao longo de mais de uma década, entre os governos esquerdistas da AL, o narcotráfico, a China e o radicalismo islâmico. Fidel Castro não nasceu ontem. Se a indústria brasileira de panos quentes não pode fornecer o material requerido, ele vai em pessoa entregar o produto.

***

O Tratado da Lei do Mar, que voltou à pauta e pode ser assinado ainda este ano, concede à ONU o controle direto e total de 70 por cento da superfície terrestre e de todos os recursos naturais aí existentes. É o golpe mais profundo e mais vasto já desferido nas soberanias nacionais, mas a mídia brasileira despreza solenemente o caso, e nossos nacionalistas de opereta parecem não estar nem ligando, já que seu seu nacionalismo não passa de anti-americanismo e está sempre pronto para ceder alegremente ao imperialismo burocrático da ONU quaisquer bens que os americanos jamais tenham pensado em nos tomar.

O governo Bush, talvez achando que já foi longe demais no seu gostinho de humilhar a ONU, primeiro com a intervenção no Iraque, depois com a denúncia do propinoduto universal de Saddam Hussein, está inclinado a ceder. Uma das primeiras missões dadas à nova secretária de Estado Condoleezza Rice foi a de amansar a maioria republicana, que está espumando de raiva do Tratado. Se os EUA assinarem essa coisa, terão dado vida nova a um adversário agonizante.

***

E, por falar em ONU, a comemoração dos 60 anos da libertação dos prisioneiros de Auschwitz – a primeira que a entidade consagra às vítimas do Holocausto desde sua fundação – foi realizada com o plenário metade vazio. Mil discursos inflamados não mostariam de maneira mais eloqüente o ódio antijudaico de tantos governos. Como diria o falecido Stanislaw Ponte-Preta, sua ausência preencheu uma lacuna.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano