Os ricos em fuga

 Olavo de Carvalho


 O Globo, 2 de março de 2002

O destino de cada nação depende de muitos fatores, mas um deles é a existência — ou não — de indivíduos que se sintam responsáveis, de maneira direta e pessoal, por esse destino. Juntos ou separados, tais indivíduos formam uma espécie de aristocracia, que não se confunde com a nobreza hereditária, com a grande burguesia ou com a classe letrada. Ao contrário. Muitas vezes provêm dos meios populares, mas seu senso de responsabilidade e iniciativa acaba por levá-los a uma posição de liderança da qual emergem, com o tempo, aquelas três classes privilegiadas. A aristocracia européia nasceu todinha dos talentos militares espontâneos que, ante a passividade geral da sociedade em decomposição após o fim do Império Romano, se ergueram contra os bárbaros invasores, organizaram a defesa e restauraram o senso de ordem, de lei, de civilização. Seus privilégios originaram-se do simples reconhecimento das comunidades, que deram terras, dinheiro, cargos públicos e direitos especiais àqueles que as salvaram do perigo. De modo análogo, a elite comunista que governa a China até hoje conquistou seu lugar pelo ofício das armas, provando sua disposição e capacidade de defender o país contra a invasão japonesa melhor do que podia fazê-lo o velho governo constituído; terminada a guerra, a China tinha uma nova classe dominante. Os exemplos poderiam multiplicar-se ad infinitum: as classes que ascendem ao domínio das sociedades não surgem do nada, nem da exploração: surgem da capacidade de liderar o conjunto, de propor metas e estratégias, de guiar e organizar o povo para a realização de valores que são reconhecidos por todos.

Nem sempre, é claro, a nova classe se constitui no campo da guerra. Os desbravadores de território, os pioneiros da técnica e da indústria, os sábios, os educadores morais e intelectuais da multidão — são outros tantos exemplos de líderes que o próprio povo eleva espontaneamente à condição de classe privilegiada, por gratidão e respeito, quando não pelo simples efeito natural, quase aerodinâmico, que eleva mais alto os que voam na frente.

Mas também é certo que, consolidados os privilégios, nem sempre os valores e virtudes que os geraram se transmitem às gerações subseqüentes. Com o tempo, os herdeiros acabam por imaginar que sua posição na sociedade é uma espécie de direito natural ou divino, eterno e incondicionado; que seu único dever é desfrutar de seus privilégios ou ampliá-los per fas et per nefas, ainda que em prejuízo da sociedade que os elevou ao poder e à glória. Então seus interesses entram em choque com os da maioria. A luta de classes não é a força causal constante que move a sociedade, mas é o efeito inevitável do declínio da própria classe dominante. Por isso mesmo é utópico acreditar que o “direito de propriedade” possa ser defendido incondicionalmente, a despeito da temperatura moral da época; pois o direito de um não é senão a obrigação de outro para com ele — e a obrigação da maioria para com as elites, que deriva temporalmente e depende logicamente da obrigação destas para com ela, não poderia subsistir por muito tempo à autodemissão moral das classes superiores.

Por fim, é claro que, entre os dois momentos acima apontados, o da ascensão criadora e o da expansão predatória, arrivistas e oportunistas de toda sorte embarcam como passageiros clandestinos na classe dominante em formação, apressando o declínio de seu ímpeto originário, a deterioração de suas virtudes e a dissolução de seu senso de responsabilidade.

Dito isso, a aplicação desse critério para a obtenção de um diagnóstico moral das classes superiores no Brasil de hoje pode ser feita da maneira mais fácil, mediante a simples coleta de um dado que é visível — literalmente — com os olhos da cara. Percorra o leitor as ruas centrais de qualquer grande cidade brasileira, aquelas mesmas ruas onde pouco tempo atrás se instalavam orgulhosamente os escritórios das melhores empresas: verá uma multidão de placas de “Vende-se” e “Aluga-se” em imóveis abandonados, deteriorados, cobertos de inscrições no hediondo alfabeto dos grafiteiros. Panorama idêntico observa-se nos bairros residenciais que dez ou quinze anos atrás eram considerados elegantes. E mesmo os condomínios fechados são progressivamente abandonados por outros mais longínquos, cada vez mais longínquos. O território conquistado num esforço secular de construção e civilização é transferido da classe alta para a média, desta para os trabalhadores, destes para a multidão dos biscateiros, prostitutas e prostitutos, mendigos, assaltantes, batedores de carteiras e passadores de drogas. A feiúra, a violência e o caos se expandem em círculos concêntricos, à medida que a elite foge. Foge deixando atrás de si um rastro de miséria, abandono, decomposição.

Mais que um símbolo, o abandono do espaço geográfico é um sintoma objetivo da demissão das classes superiores. Aqueles que, diante do perigo e da dificuldade, abandonam suas próprias casas, com muito mais presteza abandonarão seus deveres e suas responsabilidades, cada qual cuidando apenas da própria sobrevivência, num geral e obsceno “salve-se quem puder”.

Esse processo é psicologicamente compreensível, mas moralmente injustificável. Como admitir que aqueles a quem o curso da História reservou as melhores porções do território não sejam sequer capazes de unir-se para defendê-lo? Não sabem que, ao fugir da luta, não beneficiam de maneira alguma o povo, mas simplesmente o deixam à mercê dos piores e dos mais violentos? Não são nem capazes de perceber que, se os ricos se deixam dominar pelo medo e fogem, muito mais terrível será o medo que se apossará das almas dos pobres quando, junto com os símbolos visíveis da ordem, a própria ordem tiver desaparecido? Não sabem que o território abandonado não fica para o povo, mas para uma nova classe dominante, arrebanhada às pressas entre arrivistas descarados e brutais? E não sabem que o abandono do território físico é apenas o prelúdio de um geral abandono do país?

PS.: No Rio Grande, o cientista político José Giusti Tavares, autor do belo livro “Totalitarismo tardio — o caso do PT”, está sendo processado por ter dito que “o PT não é um partido constitucional, é um partido revolucionário que realmente aposta na luta armada e não aposta em governar” — uma verdade óbvia que eu mesmo venho reiterando há uma década, em artigos e até em livros, sem que ninguém tenha tido jamais a imensa cara de pau de me processar por isso. É óbvio que o PT não aposta somente na luta armada (nem o prof. Giusti jamais pensou uma coisa dessas), mas, como é da tradição leninista, aposta sempre nos dois cavalos do páreo revolucionário: de um lado, apoio discreto às Farc e ao treinamento guerrilheiro do MST; de outro, um discurso democrático e legalista para fins analgésicos.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano