O realismo do impensável

Olavo de Carvalho


Jornal da Tarde, 24 de junho de 1999

Escrevendo num jornal carioca, o representante da Unesco no Brasil, sr. Jorge Werthein, procura incutir no público a crença de que toda oposição à lei das armas vem de comerciantes interesseiros, enquanto o apoio vem das massas populares ansiosas de paz e segurança. Eis aí toda a questão reduzida ao mais usado e abusado dos estereótipos: o legítimo interesse público contra a resistência de uma elite sedenta de lucros.

Um argumento estereotipado é um molde fixo e repetível, que tão raramente coincidirá com a variedade complexa dos fatos quão raramente sapatos número 38 servirão para toda a população brasileira. No curso de um debate sério, o apelo a esse tipo de recurso é mais que apelo: é apelação.

Mas o sr. Werthein tem motivos para apelar. Analisada desde o ponto de vista de ideais versus interesses, sua causa é mais que indefensável: é indecente. Vejam, em primeiro lugar, a profissão do referido: é um membro da burocracia globalista, que tem a ganhar duplamente com a proibição das armas. Ganha, de um lado, ao impor a todos governos nacionais uma lei uniforme, provando que quem manda no mundo não são as nações e sim o governo mundial em gestação. Ganha, de outro lado, rebaixando todas as populações ao estado de rebanho inerme, pronto a dizer amém ao governo mundial quando ele tirar a máscara de discrição que agora o encobre e declarar alto e bom som: “Eu vim para ficar.”

Antecipando-se a esse momento espetacular, a Unesco vem discutindo seriamente a possibilidade de eleger seus representantes diretamente, passando por cima dos governos nacionais cujas verbas a alimentam. Já inventou também uma espécie de código penal cultural que, a pretexto de multiculturalismo, lhe permitirá vigiar e punir todas as manifestações culturais que escapem do padrão global politicamente correto.

Ninguém tem a ganhar com essas propostas senão a burocracia global. Ao defendê-las, a classe do sr. Werthein advoga descaradamente em causa própria. A ambição de poder que move essa classe é tão descomunal que raia o impensável. Mas este impensável foi muito bem pensado: ninguém reage contra planos inverossímeis, porque ninguém acredita neles; assim eles acabam se realizando facilmente por falta de resistência. Foi assim que Hitler invadiu metade da Europa – fazendo o que ninguém acreditava que ia fazer.

O progresso na realização do inverossímil já vai adiantado. Uns anos atrás, qualquer representante da Unesco, da ONU ou do FMI que viesse dar palpites sobre legislação nacional seria corrido daqui a pontapés. Hoje em dia o sr. Werthein já pode nos ditar regras sem que ninguém perceba que ele está sendo inconveniente.

Prudência, em todo caso, nunca é demais. Por isto o sr. Werthein trata de disfarçar sua posição real, fingindo que meia dúzia de lojistas e os cidadãos donos de armas são a poderosa classe dominante que nos dirige, enquanto a burocracia global apoiada por um lobby internacional de empresas, fundações, ONGs, jornais e tevês, bancos e estúdios de cinema é apenas “nós, o povo”, pobrezinho como sempre. É o lobo, de novo, movendo contra o cordeiro toda a engrenagem retórica do moralismo fingido.

A aliança entre poderosos interesses multinacionais e a intelligentsia esquerdista das nações do Terceiro Mundo, na qual se apóiam a campanha de proibição das armas e outras semelhantes, é outra improbabilidade aparente que se realiza diante dos nossos olhos, protegida sob o manto dessa mesma improbabilidade.

Muitos ainda relutam em admiti-lo. Entre estes há muitos liberais sinceros, que vêem a globalização apenas como uma saudável circulação de capitais e mercadorias, informações e know-how, e se recusam obstinadamente a enxergar que esse belo movimento já está sendo aproveitado – ou desviado – para conduzir ao fortalecimento de uma burocracia global, com o propósito consciente e deliberado de desembocar num Estado mundial – o Leviatã dos leviatãs.

Essa relutância é explicável. O liberalismo fez suas armas na luta contra o Estado nacional: é natural que esteja despreparado para um combate de escala mil vezes maior. O que não é explicável nem desculpável é que, por ignorância e preguiça, ele acabe servindo de instrumento para erigir, sobre os escombros de seus inimigos menores, a fortaleza de um inimigo supremo e invencível.

Liberais do mundo: acordem! A batalha contra a prepotência das burocracias nacionais não é a última batalha. O horizonte é vasto, e há muitas sombras que ainda não se levantaram.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano