O que Obama vai fazer

Olavo de Carvalho


Digesto Econômico, set/out/nov/dez de 2008

“Que se pode esperar do governo Obama?” é a pergunta do momento. Para respondê-la, analistas acadêmicos e jornalísticos usam invariavelmente de um método que já se consagrou pela sua capacidade de errar: examinam a tônica geral dos discursos de campanha e confrontam-na com os problemas objetivos – econômicos, militares, diplomáticos – que o novo governante terá de enfrentar. Esse método falha por duas razões:

Primeira: raciocina com base no pressuposto de que o quadro institucional permanecerá inalterado e de que portanto o novo presidente desempenhará, a seu modo, substantivamente as mesmas funções do seu antecessor. Não concebe, portanto, que dentro de uma estratégia revolucionária, uma das funções primordiais do governante é precisamente a de redefinir essas mesmas funções. Obama aprendeu isso desde a juventude com seu guru Saul Alinsky: “Mudança é desorganizar o que está organizado e criar em cima uma nova organização.”[1]

Segunda: raciocina sempre desde o pressuposto de que o governante representa o interesse nacional e há de defendê-lo, com toda a sinceridade, conforme o acordo que logre encontrar entre as exigências da militância que o elegeu, as reivindicações dos aliados de ocasião e as pressões da situação objetiva. Essa premissa já não faz o mínimo sentido numa época que se caracteriza, acima de tudo, como a da emergência e implantação do governo mundial. Hoje em dia, o interesse nacional de todos os países está subordinado a planos de envergadura global impostos por uma elite econômica, burocrática e intelectual cujo poder transcende o de qualquer nação em particular, inclusive o dos EUA. Muitos presidentes e primeiros-ministros são colocados em seus postos com a ajuda e sob a orientação dessa elite, não para defender o interesse nacional, mas para contrariá-lo em função de objetivos de escala imensamente maior que, embora já descritos há mais de meio século por autores do porte de um Arnold Toynbee[2] e de um Carroll Quigley,[3] quase nunca são levados em conta por aqueles analistas, e não o são por um motivo muito simples: como o admitiu publicamente David Rockefeller, um dos líderes máximos do globalismo, a luta pela implantação do governo mundial fracassaria se fosse divulgada prematuramente, sendo portanto a discrição, a desconversa e a desinformação algumas das funções essenciais da grande mídia no período intermediário.[4] Entre os “meios antidemocráticos” que Toynbee considerava indispensáveis à implantação do governo mundial, está, com toda a evidência, o controle do fluxo de informações fornecido ao público. A uniformidade crescente do jornalismo mundial, da qual a campanha contra os supostos agentes humanos do aquecimento global, a gritaria universal anti-Bush ou as ondas de entusiasmo em torno de Lula, de Obama, ou do Fórum Social Mundial dão amostras eloqüentes, explica-se facilmente pela concentração cada vez maior da propriedade dos órgãos de mídia nas mãos, precisamente, dos grupos econômicos mais interessados no governo mundial. Que uma parte dos agentes menores do processo reclame contra essa concentração, alegando ver nela o efeito espontâneo da pura mecânica do capitalismo, deve-se em parte a um automatismo ideológico residual, em parte ao desejo astuto que esses grupos e pessoas têm de camuflar suas próprias ações sob o manto de pretensas tendências ou leis históricas anônimas, atribuindo a culpa das mudanças mais desagradáveis à situação anterior que as transformações em curso visam precisamente a suprimir.

Como, por outro lado, a mídia também tem por função condensar o “senso comum” (no sentido sociológico e gramsciano do termo), fornecendo à população um sentimento de orientação e certeza quanto ao que está acontecendo, o leitor culto será levado, mais dia menos dia, a ter de escolher entre acompanhar a opinião geral ou buscar uma compreensão mais realista e científica do estado de coisas. No primeiro caso, ganhará aquela reconfortante sensação de segurança que advém de se enganar a si próprio junto com a maioria. No segundo, alcançará a certeza razoável que lhe permitirá fazer previsões acertadas, à custa de parecer estranho ou maluco aos olhos de muitos. Como a minha escolha já foi feita faz tempo, o método que emprego para responder a perguntas como aquela que abre este artigo não se baseia nas convenções acadêmicas e jornalísticas usuais, mas em precauções científicas elementares, o que tem me permitido alcançar algum sucesso na previsão do curso das coisas, sucesso cujo preço é, naturalmente, o ódio daqueles que não o alcançaram.

Uma dessas precauções é a seguinte: num tempo de mudança acelerada, forçada desde cima por grupos cuja linha de ação permanece discreta, é praticamente impossível prever o curso geral das ações de um novo governo. Tudo o que podemos e devemos fazer é abdicar das previsões gerais e ater-nos àqueles pontos particulares, poucos mas significativos, já determinados pelo curso da ação anterior, de tal modo que o novo governo tenha de lhes dar continuidade necessariamente. Em vez de deduzir do quadro geral as ações particulares que o governante deverá hipoteticamente empreender para enfrentá-lo, é preciso partir das ações particulares já existentes ou praticamente inevitáveis, e daí, se possível, ir laboriosamente subindo até o quadro geral. Digo “se possível” precisamente porque na maior parte dos casos só podemos alcançar uma certeza razoável quanto às linhas de ação particulares, ficando o sentido geral das coisas tão fora do nosso alcance intelectual quanto do controle do próprio governante. Mesmo os poderes mais formidáveis só são capazes de determinar uma fração mínima dos resultados de suas ações. Daí que todo prognóstico sério quanto aos rumos de um novo governo deva se ater às ações que ele tenha de empreender tão-somente para manter e ampliar o poder de que foi investido, especialmente aquelas que derivem de compromissos imediatos já assumidos com as forças políticas e econômicas que o geraram.

A esse preceito acrescenta-se um segundo, de igual obviedade: quaisquer que sejam os seus objetivos proclamados, um esquema de poder zelará sempre, acima de tudo, pela sua própria continuidade e expansão. Para agir é preciso ser, dizia Sto. Tomás de Aquino. A existência e continuidade do esquema são a condição prévia para que o esquema faça o que quer que seja. Portanto o que se deve averiguar antes de tudo é o que um governante terá de fazer necessariamente, não para alcançar tais ou quais metas, nem para enfrentar as dificuldades objetivas que acossam a nação ou uma parte dela, mas simplesmente para conservar – e, no caso de um governante revolucionário, ampliar – o poder de ação que já tem. Não sei, portanto, o que Obama vai fazer em linhas gerais. Não sei e ninguém sabe. Mas sei o que ele já está fazendo e vai ter de continuar a fazer, não para alcançar certos fins, mas simplesmente para conservar e ampliar o domínio dos meios.

Observo, de passagem, que foi por esse método que anunciei, logo após a primeira eleição de Lula, que ele nada faria de efetivo contra o narcotráfico, pela simples razão de que fora colocado no poder – e poderia ser apeado dele – pelo esquema internacional do Foro de São Paulo, cujos interesses se identificavam visceralmente com os das Farc, então e ainda hoje a maior fornecedora de cocaína ao mercado nacional.[5] Excetuando-se a hipótese de que seja louco, um governante pode fazer muitas coisas, mas não destruir os meios de fazer qualquer coisa.

Toda a carreira de Obama e sua ascensão ao poder foram subsidiadas inteiramente por forças notoriamente anti-americanas. Alegar que são apenas anti-Bush e não anti-EUA é apenas um giro retórico de ocasião, indigno de exame. A função essencial que o novo presidente desempenhará no cargo não é muito diferente daquela que Strobe Talbott recomendava a Bill Clinton: “Vender o multilateralismo como se fosse um meio de preservar e ampliar a liderança americana no mundo.”[6] Trata-se, em resumo, de debilitar e submeter a instâncias supranacionais o poder nacional que se finge incrementar. Nos seus discursos de campanha, bem como em declarações de seus assessores, Obama prometeu diminuir o orçamento militar americano em até 25%, desacelerar as pesquisas nucleares e, – pasmem – “desmilitarizar o espaço”. Isso, alegadamente, tornaria os EUA mais simpáticos aos olhos da humanidade e lhes daria uma tremenda liderança diplomática no mundo. Só mocinhas de cabeça oca – que não por coincidência constituíram a parcela mais decisiva do eleitorado de Obama – podem acreditar numa coisa dessas. A eficácia da ação diplomática é, por definição, proporcional ao poder militar que lhe dá respaldo.

Em toda ação política – e esta é a terceira precaução metodológica que recomendo –, é preciso distinguir entre as metas finais anunciadas e a substantividade dos atos empreendidos para alcançá-las. Estes são uma realidade, aquelas apenas uma hipótese, quando não um pretexto. Logo, o sentido da ação revela-se antes na natureza dos meios usados do que nos fins nominais proclamados. Debilitar militarmente uma nação é… debilitá-la militarmente. Que isso possa fortalecê-la diplomaticamente é uma hipótese de longo prazo, rebuscada demais e contrária a toda experiência histórica. A conexão que aí se pretende ver entre os fins alegados e os meios escolhidos baseia-se, ademais, numa premissa que é, uniformemente, a do discurso anti-americano geral: os EUA são odiados por causa de sua força militar; se aceitarem tornar-se mais fracos, serão amados perdidamente pela humanidade.

Note-se que, no caso, aquilo que o candidato enfatizou no discurso de campanha não foi a materialidade dos meios e sim a suposta beleza dos fins, sob aplausos frenéticos de multidões de estudantes para os quais mesmo a completa destruição dos EUA não deixaria de ser uma idéia investida de algum sex appeal. Idêntico poder de atração tem essa idéia sobre todos aqueles que financiaram a carreira de Obama desde sua adolescência: milionários árabes, agitadores pró-terroristas, corporações globalistas e, last not least, George Soros. Se uma coisa é certa, é que o objetivo de debilitar militarmente os EUA, já perseguido com notável tenacidade pelo governo Clinton, será seguido à risca por Barack Obama pelo simples fato de que realizá-lo é uma das razões fundamentais da sua existência como político. É algo que ele simplesmente não pode deixar de fazer, tal como, mutatis mutandis, Lula não pôde deixar de sacrificar os interesses e a soberania da nação aos objetivos maiores do Foro de São Paulo e do esquema globalista que o sustenta, como se viu no caso das pressões bolivianas contra a Petrobrás, e mais claramente ainda na questão Raposa Serra do Sol.

Não deixa de ser curioso – e deprimente – observar que, numa época em que as soberanias nacionais são contestadas abertamente nas altas esferas da política mundial, e sua limitação ou eliminação progressiva é mesmo proclamada como uma condição básica para a sobrevivência da espécie humana, analistas com pretensões científicas continuam tomando como premissa ao menos implícita de suas previsões a suposição de que os governantes agem sempre em função do interesse nacional, como se fossem príncipes da Renascença empenhados em quebrar a unidade do império e instaurar novas unidades soberanas.

Hoje em dia um governante pode contrariar na base os mais vitais interesses da sua nação e receber, por isso mesmo, tanto apoio da opinião internacional que a própria população do seu país, julgando as coisas pela aparência mais visível e não pela substancialidade das ações envolvidas, acabe vendo nele uma espécie de herói nacional.

A fórmula de Talbott foi seguida à risca por Bill Clinton, por isso mesmo um dos presidentes americanos mais aplaudidos pela mídia mundial. Ele diminuiu o arsenal americano de armas atômicas sabendo que a China aumentava consideravelmente o dela; fomentou o quanto pôde os investimentos americanos na China ao mesmo tempo que estrangulava com impostos e legislações restritivas a indústria americana; bloqueou as investigações sobre a espionagem chinesa no laboratório nuclear de Los Alamos e, nos últimos dias do seu governo, quando o principal agente chinês envolvido na operação já estava preso, deu-lhe indulto sem qualquer motivo razoável. Não é preciso explicar que em tudo isso ele agiu contra o interesse nacional americano e praticou o mais estrito “multilateralismo”, fomentando a transformação da China numa potência econômica e militar com pretensões a tornar-se o centro dominante nas próximas décadas. Também não é preciso dizer que os aplausos daí decorrentes na mídia internacional deram uma tremenda impressão de prestígio americano crescente, fazendo com que o declínio aparecesse como ascensão aos olhos do povo. Ainda mais entusiasticamente foi aplaudido o ex-presidente americano pela sua intervenção “humanitária” em Kosovo, a qual, sob o pretexto de punir um genocídio que hoje sabemos ter sido perfeitamente inexistente, só teve como resultado efetivo fazer de uma região que era cristã uma praça-forte islâmica, e isto ao preço do genocídio verdadeiro aí empreendido pelas tropas muçulmanas treinadas e subsidiadas pelo próprio Bin Laden.[7] Aí, novamente, a simpatia da mídia internacional foi vendida à população americana como prova de grande sucesso da ação anti-americana ordenada pelo presidente.

Quando Obama promete melhorar a “imagem” internacional dos EUA em troca da redução do poderio militar americano, ele está aplicando de novo a fórmula de Talbott: trocar a realidade por uma imagem e em seguida vender a imagem como realidade. Que ele vai realmente fazer isso é algo de que não se pode duvidar seriamente, pois essa proposta é a razão fundamental ou quase única do apoio que recebeu de toda parte no mundo, apoio que só um perfeito idiota imaginaria nascer das preferências espontâneas da população e não de um esforço coordenado da elite globalista que domina as organizações de mídia em todos os quadrantes da Terra. Se ele voltar atrás nesse compromisso, sua carreira política não durará mais um dia.

Mas Obama não foi eleito só para fazer de novo o que Clinton já fez. À debilitação do poderio americano no quadro internacional ele associará um aumento prodigioso do poder de controle do Estado americano sobre as vidas dos cidadãos e sobre a formação da opinião pública.

Não digo que ele “pode” fazer isso ou que “tende a” fazer isso. Digo que o fará necessariamente, se não for impedido, porque fazê-lo é preciso para consolidar o poder das forças que o elegeram e bloquear desde já um possível retorno dos republicanos ao domínio das duas casas do Congresso em 2010. Conservar e aumentar o seu poder é a condição mais básica da existência mesma das forças políticas, e tais condições se tornam tanto mais necessárias e urgentes quando se trata de uma força política empenhada em fazer mudanças profundas na sociedade. Qualquer que seja o teor dessas mudanças, a primeira delas é e tem de ser a consolidação do poder de ação necessário para empreendê-las. Foi aliás por ter descuidado disso que George W. Bush fracassou por completo. Em vez de consolidar a hegemonia republicana, debilitando o adversário, ele preferiu improvisar uma aliança suicida com este último, forjando um simulacro de união nacional contra um inimigo externo. Essa união, ao esboroar-se com velocidade mais que previsível (exceto aos olhos dos gênios do Departamento de Estado), levou junto consigo o prestígio da presidência e o controle republicano das duas casas do Congresso.[8] Os democratas não costumam cair tão facilmente nesse equívoco. Já antes mesmo da posse de Obama estão preparando o retorno da legislação restritiva ironicamente denominada Fairness Doctrine (“Doutrina da Eqüidade”), que visa a destruir o pouco de equilíbrio que ainda resta entre os meios de comunicação americanos, transferindo aos democratas metade do tempo de que os republicanos desfrutam no rádio, sem conceder a estes nem uma fração sequer da hegemonia democrata nos jornais e na TV.

Alguns comentaristas republicanos, e não dos piores, raciocinando erroneamente segundo a premissa de que as regras do jogo permanecerão inalteradas, chegam a imaginar que a vitória de Obama foi boa para o seu partido, pois lançará sobre o novo presidente a responsabilidade de enfrentar a crise econômica e previsivelmente fracassar, preparando assim um retorno triunfal dos republicanos nas eleições legislativas de 2010. É um dos erros de método a que me referi. Em 2010, as regras do jogo estarão tão radicalmente alteradas que os republicanos em geral, e os conservadores em especial, mal terão como fazer-se ouvir pela opinião pública. A “mudança” aí prometida por Obama pode começar já antes da sua posse na presidência: encorajados pela vitória no pleito presidencial, os senadores e deputados democratas não vêem a hora de aprovar o retorno da catastrófica e anti-democrática Fairness Doctrine.[9]

A essa mudança fundamental, que dará ao establishment esquerdista o controle quase completo dos meios de comunicação, Obama pretende acrescentar um item mais complicado, mas cuja implementação é um compromisso explícito que ele assumiu com a ala enragée da sua militância, cujo apoio ele terá de continuar cortejando caso não pretenda voltar contra si a parcela mais ousada e vociferante da nação americana, coisa que ele só fará se for louco. Refiro-me ao projeto da “Força Civil de Segurança Nacional”.[10] Obama já vem trabalhando nesta idéia há muitos anos, no quadro da ONG “Public Allies”. Trata-se, muito simplesmente, de armar a militância radical e fazer dela, segundo as próprias palavras do novo presidente, uma força tão poderosa e tão bem subsidiada quanto o Exército, a Marinha e a Aeronáutica. A verba que deverá ser alocada para isso já é calculada pelos planejadores obamistas em 500 bilhões de dólares anuais. Cada voluntário recrutado receberá aproximadamente 1.800 dólares por mês, mais a garantia de bolsas de estudo, vagas nas melhores universidades e inumeráveis outras vantagens sociais que, associadas ao armamento e ao adestramento militar, farão dessas hordas de fanáticos, muito rapidamente, uma classe privilegiada investida meios de poder assustadores.

Contra quem se voltará esse poder? Destinar-se-á a “força civil” a substituir com vantagem os militares na repressão e controle do terrorismo? Impossível. A gestão Bush já reduziu a zero o número de atentados terroristas no território americano. Pretender ir abaixo de zero não faz sentido.

Será então a nova força destinada a combater a criminalidade, a restaurar a segurança pública e assim a promover a paz social, a tão ansiada “reconciliação” entre as raças? Igualmente impossível. Se, por um lado, oitenta por cento dos militantes da Public Allies já se constituem de jovens de raça negra, muito provavelmente a mesma proporção se manterá na “força civil”, pois onde mais, senão nas fileiras da sua própria militância, iria o obamismo recrutar os voluntários para essa tarefa? É certo, de outro lado que, da totalidade dos crimes interraciais praticados nos EUA, 85 por cento – quase a mesma proporção dos membros da Public Allies – são cometidos por negros contra brancos,[11] com o detalhe politicamente correto de que as estatísticas oficiais de criminalidade se recusam a tratar os hispânicos como um grupo em especial e os incluem entre os “brancos”, debitando na conta destes os crimes eventualmente cometidos por imigrantes ilegais hispânicos contra negros. Um vasto empreendimento de repressão aos crimes interraciais poria ainda mais negros nas cadeias que eles já superlotam. Seria um suicídio político formidável, jogando contra Obama a comunidade cuja cor de pele é um dos motivos mais fortes da sua presença no cargo presidencial. (A propósito, convém lembrar que a explicação usual da proporção maior de presidiários negros como efeito do “racismo” é uma fraude completa, de vez que os Estados onde há proporcionalmente mais negros do que brancos nas prisões não são os do Sul e sim os do Norte, e não são os governados pelos republicanos e sim pelos democratas.[12])

Igualmente impossível é que a nova força de segurança se destine a controlar o problema da imigração ilegal. Obama já está formalmente comprometido com o projeto de anistia total para os ilegais, e muito em breve o conceito mesmo de “imigrante ilegal” terá sido abolido. Excluídas essas três finalidades, que tarefa resta para uma força monstruosa, do tamanho do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, senão policiar e reprimir os grupos políticos e religiosos considerados “suspeitos” segundo a perspectiva esquerdista? Isso já estava no programa dos democratas desde os tempos de Madeline Albright, que via uma grande ameaça à segurança nacional nos grupos formados por pessoas religiosas, conservadoras e, como metade da população americana, armadas. Apenas, a gestão Clinton não contava, para a repressão a esses grupos, senão com o FBI e as polícias estaduais, onde naturalmente muitos agentes e homens de comando veriam com horror uma ação abrangente e drástica contra pessoas inocentes. A jovem militância obâmica já vem previamente vacinada contra esses escrúpulos pela doutrinação maciça.

Debilitar o Estado americano no exterior e fortalecê-lo no interior são os dois pilares fundamentais da política de Obama. Ele não pode desistir nem de um nem do outro, não só porque eles se complementam, mas porque são as principais razões de ser da sua existência como político. Toda a carreira de Obama foi amparada e subsidiada por forças que desejam ardentemente essas duas coisas. Ao discerni-las como realizações fundamentais nas quais o governo Obama empenhará o melhor dos seus talentos, não esbocei nenhum quadro geral das perspectivas desse governo, apenas chamei a atenção para duas linhas de ação já em movimento, fortemente arraigadas nas metas constantes dos democratas no poder, e já previamente articuladas com o mais vasto esforço de formação de militância que já se viu nos EUA (só para as campanhas de internet, Obama tem a seu dispor uma rede de nada menos de quatro milhões de pessoas, formalmente comprometidas a continuar fazendo pelo governo o que fizeram pelo candidato). Qualquer que seja o desenho geral que o governo Obama venha a mostrar ao mundo, essas duas linhas estarão lá e afetarão profundamente o conjunto. Que vários analistas, republicanos, democratas ou independentes, anunciem um governo “moderado” ou “centrista”, só provêm do fato de que não possuem os instrumentos analíticos necessários para compreender a situação. “Radical” e “moderado”, no mais das vezes, são termos que se aplicam melhor à descrição de estilos retóricos que à de ações substantivas. O “radical” esquerdista Hugo Chávez não conseguiu desmantelar a pujante oposição venezuelana, ao passo que o “moderado” Lula foi desmantelando um a um todos os focos de resistência direitista, ao ponto de que hoje só lhe resta oposição de esquerda. Obama pode muito bem manter um perfil “moderado” nas áreas de atuação mais visíveis, ao mesmo tempo que discretamente vai implementando aquelas duas medidas que, por si, bastam no entanto não só para alterar irreversivelmente o quadro político americano, mas para “mudar o mundo”.

É claro que Obama pode ser impedido de realizar esses planos, seja por fatores incontroláveis, seja pela ação organizada de seus adversários. O que é certo é que o esforço de concretizá-los, de maneira mais espetacular ou mais discreta, será uma das constantes do seu governo, e qualquer sucesso que ele obtenha nesse sentido, mesmo incompleto ou mínimo, deixará uma cicatriz na face histórica dos EUA e da espécie humana.

Notas:

[1] Brad O’Leary, “For Obama, All Roads Lead to ACORN and Saul Alinsky”, em http://www.modernconservative.com/metablog_single.php?p=2319.

[2] Em America and the World Revolution, cit. em Olavo de Carvalho, “Travessia perigosa”, Diário do Comércio, São Paulo, 12 de maio de 2008 (http://www.olavodecarvalho.org/semana/080512dc.html; tradução inglesa em http://www.olavodecarvalho.org/english/articles/080601lf_en.html).

[3] V. Carrol Quigley, Tragedy and Hope. A History of the World in Our Time, New York, Macmillan, 1966.

[4] V. Will Banyan, “The proud internationalist”, em http://www.scribd.com/doc/296854/Will-Banyan-
The-Proud-Internationalist-The-Globalist-Vision-of-
David-Rockefeller#document_metadata
.

[5] V. Olavo de Carvalho, “Lula e Lulas”, em O Globo, 2 de novembro de 2002 (http://www.olavodecarvalho.org/semana/02112002globo.htm; v. também http://www.olavodecarvalho.org/semana/16112002globo.htm e http://www.olavodecarvalho.org/semana/030308globo.htm).

[6] Cit. em John Fonte, “Global Governance vs. the Liberal Democratic Nation-State: What Is the Best Regime?”, Bradley Symposium 2008, Hudson Institute, Washington D.C. (http://pcr.hudson.org/files/publications/
2008_Bradley_Symposium_Fonte_Essay.pdf
).

[7] V. Joseph Farah, “Bill Clinton’s other genocide”, WorldNetDaily, July 26th. 2005, http://www.worldnetdaily.com/index.php?pageId=31471.

[8] V. Olavo de Carvalho, “Avaliando George W. Bush”, Diário do Comércio, São Paulo, 18 de junho de 2008, http://www.olavodecarvalho.org/semana/080618dce.html; tradução inglesa emhttp://www.olavodecarvalho.org/english/articles/080618dc_en.html.

[9] Obama pessoalmente nega que pretenda aplicar a Fairness Doctrine, mas sabe que não precisará sujar suas mãozinhas nisso, já que o Congresso o fará por ele. Ademais, a equipe de Obama tem um respeitável histórico de tentativas de silenciar os adversários (v. http://www.worldnetdaily.com/index.php?fa=PAGE.view&pageId=79273). Para completar, nos círculos obamistas o nome mais cotado para chefiar a equipe de transição é Henry Rivera, que durante sua gestão na presidência da Comissão Federal de Comunicações foi um adepto ferrenho da Fairness Doctrine (v. http://www.worldnetdaily.com/index.php?pageId=80424).

[10] V. http://www.ibdeditorials.com/IBDArticles.aspx?id=305420655186700.

[11] V. http://www.colorofcrime.com/colorofcrime2005.html.

[12] V. Steve Sailer, “Mapping the unmentionable: Race and crime”, em http://www.vdare.com/Sailer/050213_mapping.htm.

2 Curtidas

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano