O poder do blefe

Olavo de Carvalho


O Globo, 24 de abril de 2004

“A desinformação vem da profusão da informação, de seu encantamento, de sua repetição em círculos”, diz Jean Baudrillard, citado pelo meu caro Merval Pereira no dia 21. A descrição é exata, mas, como seria de se esperar num autor que é hoje a encarnação mais completa da impostura intelectual na França, ele só enuncia uma verdade genérica para poder lhe dar em seguida uma aplicação particular monstruosamente falsa. Pois o homem pretende – nada mais, nada menos – que haja no mundo um processo de desinformação em marcha… para justificar a invasão americana do Iraque.

Alan Sokal, em “Imposturas Intelectuais”, já mostrou que um dos procedimentos argumentativos mais constantes no autor de “Le Système des Objets” é o blefe. Pela milésima vez, Baudrillard joga o peso de uma sentença ex cathedra contra fatos objetivamente verificáveis, e não perde a aposta. Embora todos os leitores estejam conscientes do maciço anti-americanismo da grande mídia na Europa e nos EUA, o mestre mandou acreditar que ela está a serviço de George W. Bush, e muitos deles dizem amém, por medo de entrar em combate com um luminar da ciência munidos tão-somente de armas acessíveis ao cidadão comum. A premissa subjacente é a de que você pode ter lido muitas notícias, mas o professor deve ter lido mais, caso contrário não diria o que está dizendo. A tentação de averiguar só passa pela cabeça de dois ou três importunos que podem ser descartados a priori como fanáticos de direita ou, em último caso, como caipiras incultos que em plena moda de desconstrucionismo e relativismo ainda acreditam em verdade objetiva. Baudrillard, consciente disso, pode proclamar tranqüilamente que a Terra é cúbica, que dois mais dois são cinco ou que a mídia fala bem do presidente americano. Ninguém o contestará, exceto eu, que, como ninguém o ignora, sou neonazista e agente do Mossad, além de caipira inculto autonomeado filósofo entre aspas.

Mas essa vil exploração da covardia intelectual do público não funcionaria sem as raízes que a sustentam no sólido chão de um hábito milenar. Nosso Senhor ordenou furar o olho que nos escandaliza, e ao longo de vinte séculos os crentes se acostumaram a refugiar-se na autoridade da tradição contra o assédio de pretensos fatos que pareçam desmentir a sua fé. A partir do momento em que a classe dos “intelectuais” tomou o lugar do clero na condução moral e mental das multidões e fez do ódio revolucionário o Ersatz oficial da caridade cristã, nada mais lógico do que ela apelar a um reflexo condicionado que a sedimentação do tempo tornou infalível, ordenando ao público que fure os olhos para não enxergar o que está em todos os noticiários de TV.

Há uma diferença, é claro. No cristianismo, nem todos os fiéis se contentam com a obediência ingênua. Alguns querem argumentos e provas, e, começando com discussões banais sobre milagres e virtudes, podem ingressar numa escalada intelectual que reforçará sua fé na medida em que aumente e consolide o seu acervo de conhecimentos. Afinal, dizia Einstein, um pouco de estudo nos afasta da religião, muito estudo nos aproxima dela. Já com o prestígio da intelectualidade ativista sucede o contrário. Se você estuda muito, acaba descobrindo o que Sokal descobriu: que os Baudrillards são apenas charlatães desprezíveis. Por isso a autoridade deles se sustenta no blefe: apostam que a maioria semiculta se absterá de conferir o que dizem – e, por um efeito estatístico bem previsível, acabam vencendo na maioria dos casos.

É assim que, esvaziada de seu sentido técnico que pressupõe o controle estatal ou partidário dos meios de comunicação, a palavra “desinformação” pode ser usada para camuflar a desinformação efetiva, atribuindo poderes desinformantes a quem não os desfruta de maneira alguma e ocultando o exercício deles por aqueles que os detêm e os usam numa alucinada “repetição em círculos” de um discurso anti-americano obsessivo e onipresente.

Baudrillard é o equivalente europeu de Noam Chomsky: nada do que ele diz – seja nas suas obras acadêmicas, seja nos seus palpites jornalísticos — resiste a um exame atento.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano