O nome da ganhadora

Olavo de Carvalho

Época, 14 de outubro de 2000

O Brasil odeia corrupção, mas não liga para espionagem. Quem ganha com essa diferença?

Na onda de moralismo persecutório que assola o país, há uma desproporção monstruosa entre as tempestades de cólera que se desencadeiam à simples suspeita de algum desvio de dinheiro público e a tolerante indiferença ante a prática generalizada da espionagem política.

Dentre milhões de brasileiros, pareço ser o único sensível à esquisitice desse fenômeno, no qual nem o povo, nem as autoridades, nem a imprensa dão sinal de perceber nada de mais. Inútil lembrar a meus concidadãos que o presidente Nixon, inabalável no cargo após dúzias de denúncias de corrupção, foi tirado de lá num relance à primeira revelação de um único delito de grampo. Inútil evocar os inumeráveis discursos e análises que naquele tempo ressaltaram a diferença crucial entre simples atos desonestos e a usurpação da autoridade do Estado. A ordem democrática, constatou-se então, pode sobreviver a todas as fraudes, mas não a justiceiros autonomeados que se arrogam os poderes do serviço secreto. Não há, aí, medida comum: os bens do Estado não podem valer mais que o Estado mesmo, fundamento e garantia desses bens.

No Brasil, porém, é o contrário: ninguém se ofende de que meros cidadãos particulares, a serviço de interesses grupais, se sintam autorizados a furtar documentos, grampear telefones e vasculhar extratos bancários de seus desafetos políticos. Mas que alguém toque numa parcela qualquer de “nosso” dinheiro, e a nação toda se ergue, enfurecida, exigindo cabeças. A usurpação da autoridade não é nada, o dinheiro público é tudo. O defraudador vulgar é uma ameaça à segurança nacional, o espião político é no máximo um pecador venial, tolerado, perdoado e até enaltecido em nome da prioridade dos fins sobre os meios. Tal é a escala de valores subentendida em todo o nosso discurso moralizante, quer ecoe no Parlamento, na imprensa ou em conversas de botequim. Quanto mais implícita e subtraída a todo exame crítico, mais essa norma se consolida como unanimidade nacional.

Ora, quaisquer que sejam as causas sociais do crime e da corrupção, ninguém nega que elas residem na mentalidade vigente, no código de valores e contravalores que determinam, consciente ou inconscientemente, a conduta dos seres humanos. E a escala de valores que acabo de descrever estabelece, da maneira mais ostensiva, o primado absoluto do dinheiro sobre a ordem legal que o sustenta. Sabem o que isso significa, moralmente? A hipersensibilidade aos valores pecuniários, acompanhada de insensibilidade aos valores mais abstratos e gerais, delineia o inconfundível perfil da mentalidade sociopática, da mentalidade dos delinqüentes e defraudadores, estelionatários e traficantes, proxenetas e ladrões. É nessa mentalidade que o brasileiro está sendo educado por uma campanha de ódio seletivo, que se prevalece da visibilidade espetaculosa do delito menor para tornar invisível o delito maior. Por isso, em vez de moralizar a nação, essa campanha só faz produzir mais corrupção, mais espionagem, mais perversão do senso moral. Mas seria injusto dizer que ninguém ganha nada com isso. Para saber quem ganha, perguntem a si mesmos se alguma facção política se destaca, mais que as outras, na dupla atividade de espionar e denunciar. Tal será o nome da afortunada beneficiária da perdição nacional.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano