O grande rombo

Olavo de Carvalho


Diário do Comércio, 9 de janeiro de 2006

Reagindo com fúria burlesca ao meu artigo da semana retrasada, o general Andrade Nery, por extenso Durval Antunes Machado Pereira de Andrade Nery, vice-presidente da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, está fazendo circular pela internet uma nota repleta de solecismos, na qual me chama de “pseudojornalista dissimulado, entreguista, antipatriota, peitado, defensor intransigente de uma política globalizante que prioriza uma só nação dando-lhe o direito de explorar todos os povos” ( sic ).

Eu não solicitaria a atenção do leitor para semelhante estupidez se esta fosse apenas um insulto pessoal e não, como de fato é, um sintoma elucidativo daquilo mesmo que denunciei no meu artigo: o esforço maciço de traidores e usurpadores para colocar as nossas Forças Armadas a serviço de tudo o que elas combateram no passado. Pela sua posição na Adesg, Andrade Nery está bem equipado para dar uma substantiva contribuição a esse esforço, e é só isto o que torna as suas palavras dignas de exame.

O teor mesmo das imputações é tão ridículo, tão inverso ao conteúdo expresso de tudo o que escrevi, disse e fiz ao longo da minha carreira jornalística, que nenhuma dificuldade séria impedirá o leitor de perceber, à primeira vista, que o general não tem a menor idéia do que está dizendo: é apenas um papagaio de bordel a repetir mecanicamente coisas feias que ouviu de prostitutas. Com efeito, o encanecido oficial, nos intervalos furtivos do seu convívio perfeitamente respeitável com velhos companheiros de farda, freqüenta o círculo de redatores da Hora do Povo , aquela publicação eminentemente fecal que, no centenário de Stálin, celebrou o ogro genocida como “o maior democrata da humanidade” ( sic ), e cuja misteriosa sobrevivência com tão poucos leitores e anúncios só veio a ser cabalmente explicada mediante a revelação das propinas que, por conta do tristemente célebre projeto “oil for food”, recebera de Saddam Hussein. Nas horas sombrias em que o peso da dignidade castrense se torna excessivo e os instintos baixos da mendacidade atávica clamam por soltar a franga, é nesse submundo mental que o general Nery busca alívio e reconforto, não só intoxicando-se daquela droga impressa, mas ajudando a produzi-la sob a forma de invencionices convenientemente anti-americanas, bem ao gosto de seus camaradas de farra ideológica, publicadas em confraternização promíscua com as de outras macacas de auditório de Mao Tsé-tung, Fidel Castro e Pol-Pot.

O que se ouve num ambiente desses não se repete em casa. Deposita-se discretamente na privada do esquecimento. A não ser, é claro, quando se tem a vocação incoercível da papagaiada. Aí o que o sujeito faz é empoleirar-se na janela do prostíbulo e repetir o discurso inteiro que ouviu lá dentro, surpreendendo-se de que os transeuntes distraídos não parem para aplaudi-lo.

O que o general Nery escreveu de mim só fica bem no recinto fechado da redação da Hora do Povo . Fora daí, alardeado para o mundo, a céu aberto, é uma gafe medonha, um vexame colossal, além de delito previsto nas leis penais do país.

O general chama-me de todos aqueles nomes para dar a impressão de ser um tribuno indignado, erguido em defesa de uma nobre instituição, a Escola Superior de Guerra, que teria sido atacada por mim. Bela comédia. Na verdade, eu nada disse contra a ESG, mas tudo contra o estado atual em que se encontra. Nada contra a instituição, tudo contra os que hoje se servem dela para finalidades opostas às suas metas originárias. Defender esses farsantes e usurpadores não é defender a instituição: é aviltá-la, é cuspir na sua história, fingindo-se de seu advogado. Atacá-los não é falar mal dela: é honrar os que a criaram, é dar voz aos mortos que já não podem se defender. Tal a diferença entre o empreendimento do general Nery e o meu.

A ESG de hoje não é mais a de ontem. Mas não é a sua continuação, o fruto de uma evolução normal. É a sua negação, o seu oposto simétrico. Não há conciliação entre elas. Quem ama a primeira, odeia a segunda, e vice-versa. O próprio general Nery fornece a prova dessa transformação. Leiam o seguinte parágrafo (transcrevo sem correções):

Assim foram encomendados (à ESG) planos de governo na área energética, planos para melhoria das comunicações – o que à época era um caos, pois se demorava quatro dias para falar do Rio de Janeiro para Manaus- domínio da energia nuclear, tecnologia para agroindústria, tecnologia de ponta na área de engenharia. desta forma, nasceram a Usina de Tucuruí, Itaipu, ampliação da Usina de Paulo Afonso, Furnas, a Usina Nuclear de Angra dos Reis, Embrapa, I.T.A, Embraer, bem como o desenvolvimento dos motores a álcool, plano hoje oferecido a Cuba para solução  de suas carências, face ao atual valor do petróleo, e o embargo pelos Estados Unidos da América .”

Tudo o que ele diz aí é verdade. A ESG realizou grandes trabalhos para o país. Só que todos eles – com exceção do último, e já veremos por quê — foram realizados entre a fundação da Escola e o fim do chamado “governo militar”, em 1988. Nesse período, a instituição, com sua “doutrina da segurança nacional”, servia ao Brasil e aos valores tradicionais da civilização cristã que nortearam a construção do país. Ela era o centro intelectual da defesa da nacionalidade – e da segurança continental — contra a ameaça comunista vinda de Cuba. Por isso os comunistas a odiavam, tanto quanto hoje odeiam a mim, e falavam dela nos mesmos termos que o general agora usa contra mim. Consideravam-na o templo do entreguismo, chamavam-na de vendida ao imperialismo ianque, de servidora da exploração internacional. Nesse tempo, a ESG recebeu vultosas tarefas do governo e se desincumbiu delas com eficiência e patriotismo inigualáveis. Não é estranho que tantas coisas boas para o país fossem feitas por uma instituição acusada de trabalhar a serviço de interesses estrangeiros, como representante local de uma concepção de segurança continental “imposta por Wall Street”? O general não faz idéia de quanto me honra ao macaquear, contra mim, o discurso com que os inimigos do Brasil tentaram enlamear a imagem da instituição que hoje ele finge servir para melhor servir-se dela.

Não por coincidência, de todas as realizações da ESG que constam da sua lista, só uma corresponde ao período atual, à chamada redemocratização ou Nova República: trata-se de um plano para o desenvolvimento de motores a álcool, já antigo, mas agora – surprise! — “oferecido a Cuba para solução de suas carências, face ao atual valor do petróleo, e o embargo pelos Estados Unidos da América”. Não liguem para a regência preposicional capenga. O homenzinho apenas exerce seu direito ao analfabetismo funcional. O que importa é a informação: o apologista da nova ESG não tem a alegar em favor dela senão o que a velha ESG fez pelo do Brasil e o que ela, agora, faz em benefício de Cuba. Para ele, já se vê, as duas coisas são igualmente patrióticas. Tanto faz defender o Brasil contra uma ditadura estrangeira que financiava a subversão armada no nosso território, nas décadas de 60-70, ou ajudar essa ditadura a fazer exatamente o mesmo, agora. Com um agravante formidável: comparadas aos feitos das FARC, as guerrilhas dos anos 70 eram uma escaramuça de moleques; ao lado do Foro de São Paulo, a velha OLAS de Fidel Castro ( Organización Latino-Americana de Solidariedad ) era um clube de futebol de botão. Se naquela época a ESG serviu como um poderoso cimento para dar solidez à “grande barreira” erguida contra as ambições cubanas, muito mais obrigação teria de fazê-lo hoje, em vez de dar força a uma ditadura que subsidiou e orientou a matança de tantos soldados brasileiros.

Fazer de conta que a ESG não mudou, que dá na mesma servir ao Brasil ou a Cuba, é uma fraude tão manifesta, tão despudorada, que só por endossá-la o general já faria jus ao estatuto de inimigo da pátria, de traidor das Forças Armadas, de agente de influência a serviço – gratuito ou remunerado, pouco importa – daquilo que existe de pior no mundo. E sua atuação na ESG é a prova mais evidente de que a entidade, para dizer o mínimo, traiu a si própria e hoje se empenha em cortejar seus inimigos de ontem.

Saber como se deu essa transformação é outro problema. Não freqüento a Escola, só observo suas manifestações exteriores, assustando-me com o espaço cada vez maior ali concedido a agentes de influência dedicados a fazer das Forças Armadas brasileiras um instrumento do comunismo internacional. Quando, alguns anos atrás, o sr. Márcio Moreira Alves chegou a ser cogitado para reitor civil da instituição, a mudança que ela sofrera ao longo dos anos se tornou visível demais para ser ignorada. O sr. Moreira Alves, pouco antes, tinha voltado de uma viagem à Amazônia, entusiasmado com a transformação ideológica das nossas tropas de fronteira, que, dizia ele, varavam noites estudando as obras de Ho Chi Mihn e sonhando com uma guerra na selva… contra os narcotraficantes? Não. Contra os guerrilheiros das Farc, que entravam e saíam do nosso território como se fosse sua própria casa? Não. Sonhavam com uma guerra contra os marines americanos.

Era esse o mesmo Exército das décadas de 60 e 70? Quantos soldados brasileiros a Marinha americana havia matado, para que nossos jovens oficiais a odiassem tanto? Que extraordinários benefícios o Brasil havia recebido do movimento comunista internacional, para que nossas tropas se oferecessem para morrer a serviço dele?

Não acompanhei a transformação da ESG capítulo por capítulo, mas observei que, tão logo veio abaixo a ditadura soviética, intelectuais iluminados, civis e militares, se aproveitaram da impressão do momento para proclamar que o movimento comunista internacional já não era problema e que nosso inimigo potencial, daí por diante, eram os EUA.

Como prova disso, alegavam a presença constante de ONGs americanas na Amazônia e, naturalmente, a expansão do “imperialismo americano” através do Plano Colômbia e atividades similares.

A falsidade desse diagnóstico saltava aos olhos de quem quer que conhecesse algo do movimento comunista. Desde logo, a extinção da URSS não foi acompanhada de nenhuma modificação substancial na velha KGB, que só mudou de nome mas nem sofreu cortes no seu orçamento, nem foi expurgada de seus velhos quadros comunistas, nem teve alteradas as suas funções tradicionais. Falar em “fim do comunismo”, nessas circunstâncias, era tão ridículo quanto teria sido proclamar a extinção do nazismo se, morto o Führer, a Gestapo continuasse a funcionar sem ser incomodada.

Desde o começo dos anos 90, era previsível a qualquer momento a revivescência do comunismo sob outro nome qualquer. Quando a IV Assembléia do Foro de São Paulo proclamou seu objetivo de “reconquistar na América Latina tudo o que perdemos no Leste Europeu”, ignorar esse perigo trornou-se cegueira suicida. Hoje, quando o poder no continente está nas mãos dos Chávez, dos Evos Morales, dos Kirchners e dos Lulas, continuar a ignorá-lo é cumplicidade criminosa. Mas, na ESG, os Andrades Nerys estão preocupados é com o “avanço do imperialismo americano”.

Ora, só um observador perverso e mal intencionado, ou ainda mais burro do que o próprio Andrade Nery jamais conseguiria ser, não percebe que as entidades americanas que interferem na Amazônia, como por exemplo o Conselho Mundial das Igrejas, a Fundação Rockefeller e agentes de George Soros, não representam de maneira alguma os interesses nacionais dos EUA, mas, ao contrário, estão profundamente associadas ao movimento esquerdista e anti-americano que se esforça para quebrar a espinha do poder nacional americano e transferir a soberania do país para organismos internacionais. Não há ninguém que ignore isso nos EUA – mas, graças a onipresença de agentes de influência na mídia nacional e em entidades como a ESG, essa informação ainda não chegou ao Brasil. Claro: é preciso ocultá-la a qualquer preço, pois ela modifica radicalmente a visão do quadro estratégico internacional e dilui perigosamente o empenho de juntar forças no mundo inteiro para um ataque multilateral aos EUA – empenho apoiado pelas mesmas organizações que os intelectuais iluminados descrevem como pontas-de-lança do “imperialismo ianque”.

Quanto ao Plano Colômbia, obra de um presidente cujas conexões ideológicas não escapam nem a velhinhos com Alzheimer desde que ele se elegeu com a ajuda do governo da China e depois se tornou protetor da espionagem chinesa em Los Alamos, o seu único efeito, previsível demais para ser coincidência, foi desarmantelar os velhos cartéis e transferir todo o seu poder às Farc. Se isso é imperialismo americano, eu sou o Andrade Nery em pessoa.

Dentro dos EUA, até as crianças de escola sabem que há uma briga de foice entre o nacionalismo americano, tradicionalista e conservador, e o esquema globalista associado às fundações bilionárias, à intelectualidade enragée , ao movimento neocomunista e aos organismos administrativos internacionais. Juntar tudo no mesmo saco e catalogá-lo sob o rótulo geral de “imperialismo americano” só é possível no Terceiro Mundo, onde a população ignora tudo da política interna americana e pode ser facilmente ludibriada para desviar seu ressentimento das verdadeiras centrais globalistas e despejá-lo sobre os EUA. Patifes como Andrade Nery não fazem outra coisa na vida senão colaborar com esse gigantesco esquema de desinformação, no qual se depositam as mais altas esperanças de “reconquistar na América Latina o que perdemos no Leste Europeu”. Se para isso tentam parasitar as glórias da velha ESG, é porque sabem que só por meio do engodo podem manipular as Forças Armadas, transformando a “grande barreira” no “grande rombo” por onde a tropa inteira dos tradicionais inimigos do Brasil vem entrando para galgar todos os altos postos e cobrir-se de glórias usurpadas.

Durante anos fui, na grande mídia brasileira, o único jornalista empenhado em defender as Forças Armadas contra o bombardeio de calúnias, sabendo que este, no fundo, vinha das mesmas fontes da “nova doutrina estratégica” que ia ganhando terreno na ESG e por toda parte. Por ter assumido essa posição, sofri toda sorte de ataques e boicotes, recebi inumeráveis ameaças de morte, vi minha família ser difamada e perdi três empregos. Recebi duas condecorações, uma do Exército, outra da Aeronáutica. Senti que compensavam tudo aquilo. Não tenho estômago para assistir a esse espetáculo grotesco de um agente de influência comunista posar de advogado da honra militar enquanto eu faço o papel do malvadinho, do inimigo, do bandido. É absurdo demais, é insano demais. É o mundo de Pirandello, de Kafka, de Ionesco, o mundo da Rainha de Copas. É a realidade transformando-se em sátira de si mesma. Um engenheiro do rombo falando em nome da “grande barreira”! Valha-me Deus! Até que ponto este país vai consentir em deleitar-se no fingimento, na farsa, na burla geral?

***

PS – No terceiro parágrafo deste artigo, o leitor não deve enxergar nenhuma insinuação maldosa contra as prostitutas, essas boas moças que tanto alegraram a nossa juventude. Como diria o eminente Agamenon Mendes Pedreira, o jornalista mais sério do Globo , a única coisa em comum entre elas e os Andrades Nerys é que elas mudam de posição a pedido do freguês.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano