O espírito da clandestinidade

Olavo de Carvalho

O Globo, 24 de Março de 2001

Quando os comunistas sobem ao poder na Rússia em 1917, eles trazem várias décadas de experiência da clandestinidade e nenhuma experiência da política “normal”, da legalidade democrática vigente nos maiores países europeus e na América. A conseqüência imediata foi que levaram para o governo as técnicas e hábitos da luta clandestina. “Governo revolucionário”, no caso, veio a significar: governo por meios de ação clandestinos: ocultação, traição, engodo, perfídia. O lutador clandestino é aquele que se permite tudo, que não tem compromisso com nenhuma ordem legal ou moral exterior, que inventa livremente sua regra conforme os interesses e contingências da luta pelo poder.

O que distinguiu o poder soviético nascente foi menos o emprego da violência do que o caráter deliberado e calculista da sua brutalidade. Lênin e Djerzhinzski, o chefe da polícia secreta, estavam persuadidos de que a violência funcionava sobretudo pelo seu impacto psicológico, pelo terror que infundia às multidões. Por isto adotaram métodos de uma crueldade que, para a opinião pública civilizada, era simplesmente inimaginável.

O empalamento de prisioneiros foi um deles. Empalamentos são raridade estranha na história ocidental. O conde Vlad, guerreiro romeno mitificado como Drácula, empregou-os contra os invasores turcos porque, usuários habituais dessa prática, eles a temiam acima de tudo. Na opinião dele, era empalar ou ser empalado. O requinte soviético foi que os candidatos a empalamento não foram escolhidos entre empaladores em potencial, mas entre padres e monges, para escandalizar os fiéis e fazê-los perder a confiança na religião, segundo a meta leninista de “extirpar o cristianismo da face da Terra”.

Também as inovações socialistas em matéria de tortura desafiam a imaginação do homem normal. Esfolar prisioneiros, fechá-los numa tumba junto com cadáveres em decomposição, colocá-los na ponta de uma prancha e escorregá-los lentamente para dentro de uma fornalha, encostar na sua barriga uma gaiola sem fundo, com um rato dentro, e em seguida aquecer com a chama de uma vela o traseiro do rato para que, sem saída, ele roesse o caminho no corpo da vítima – eis alguns dos processos então documentados por uma comissão de investigação dos países aliados.

Quem se interessar por esses fatos poderá consultar “A People’s Tragedy: The Russian Revolution 1891-1924” (London, Jonathan Cape, 1996), de Orlando Figes, um dos melhores estudos sobre o período, bem como o clássico depoimento de Sergei P. Melgounov, “The Red Terror in Russia” (London, J. M. Dent, 1925).

Naturalmente serei acusado de mau gosto por relembrar essa parte da história, bem conhecida porém propositadamente esquecida. Mas o esquecimento proposital, com todo o bom gosto que se alegue para justificá-lo, é parte do crime: é o recalque que consolida a neurose e eterniza a repetição dos sintomas. Para ver como isso funciona, basta notar como, desde então, os próprios socialistas se esmeraram em fazer um tremendo escarcéu publicitário em torno de denúncias de tortura, verdadeiras ou falsas, contra ditaduras que, em matéria de truculência, não têm gabarito para concorrer com a tradição leninista. Ninguém tem mais força e eloqüência na retórica de acusação do que o criminoso que oculta suas próprias culpas: ele sabe quanto a revelação de seus crimes o tornaria odioso, por isso é tão hábil em desenhar uma imagem odiosa de seus adversários. Ele tem estampado na alma o modelo do seu discurso.

É assim que se explica que sejam sobretudo os adeptos e servidores locais do regime cubano que exibem em público as mais patéticas emoções do escândalo ao falar das violências do nosso regime militar. Toda tortura é odiosa, mas não consta que a nossa ditadura tenha recorrido sistematicamente a mutilações de prisioneiros, ao passo que o canal dos exilados cubanos, TV Martí, exibe semanalmente uma procissão infindável de dedos cortados, orelhas arrancadas e olhos vazados que atestam a continuidade do leninismo nas prisões políticas de Havana.

É precisamente a consciência reprimida da sua cumplicidade moral com tais crimes que infunde nessas pessoas, pelo arquiconhecido mecanismo de inculpação projetiva, o fogo da eloqüência com que fazem brilhar ante os olhos da multidão o esplendor macabro de crimes incomparavelmente menores.

De modo análogo, a onda mundial de protestos em torno da morte de Orlando Letellier, assassinado no exílio por agentes da ditadura chilena, serviu para acabar de apagar da memória popular o fato de que a prática de mandar matar oposicionistas no exterior foi uma invenção de Lênin — invenção que fez algumas centenas de vítimas em Paris e Londres logo na primeira década da Revolução, e cujo uso se prolongou comprovadamente pelo menos até os anos 50, com o assassinato do general Walter Krivitsky num hotel em Washington.

Nenhum desses episódios teve repercussão publicitária nem de longe comparável à do caso Letellier. Como é possível que um único homicídio suscite mais revolta que centenas deles? A explicação é que a indignação do ser humano normal contra o crime e a violência é mista daquela tristeza que inclina antes ao silêncio do que às grandes efusões de lágrimas públicas: ela jamais pode concorrer, em teatralismo midiático, com as emoções fingidas de sociopatas.

Foi precisamente a síntese indissolúvel de crueldade e fingimento, a mistura de barbárie e cerebralismo, de ação oculta e publicidade histérica que caracterizou o primeiro governo socialista da Rússia, depois imitado fielmente por todos os socialismos revolucionários subseqüentes, da Ásia à América Latina.

O que o socialismo trouxe de novidade ao mundo foi um estilo inédito de ação política, radicalmente diferente de tudo quanto a civilização do Ocidente houvesse conhecido até então. O impacto dessa novidade abriu para o homem do século XX um abismo de oportunidades de degradação moral e espiritual que ultrapassavam, em horror e crueldade, tudo o que a humanidade anterior pudesse imaginar. A história desse século, o mais sangrento da história humana, seria inexplicável sem esse precedente aberto pelo revolucionário que sobe ao governo e leva consigo, para dentro do aparelho de estado, o espírito da clandestinidade.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano