O escândalo do ‘Código 12’

Olavo de Carvalho

Jornal da Tarde, 15 de fevereiro de 2001

A revelação de pretensas descobertas históricas, que envolveriam dois ex-presidentes da República numa trama sinistra para o assassinato de inimigos políticos, sugere, uma vez mais, que a USP não é propriamente uma universidade e sim uma gigantesca central de adestramento de propagandistas revolucionários, adornada, aqui e ali, de algumas escolas técnicas e científicas regularmente eficientes, destinadas a dar ao conjunto o mínimo indispensável de respeitabilidade acadêmica que justifique o consumo voraz de verbas estatais.

Segundo foi noticiado na TV, pesquisadores da USP teriam localizado, entre os papéis do antigo Dops, uma mensagem na qual o general João Batista de Figueiredo, então chefe do SNI, transmitia ao nosso embaixador em Portugal a ordem, emanada do presidente da República, General Ernesto Geisel, de aplicar um tal “Código 12” em cima de dois exilados, um deles o almirante Cândido Aragão. “Código 12”, segundo os criptógrafos uspianos, significa matar o sujeito e fingir causa acidental.

Não examinei os papéis, mas, qualquer que seja o seu teor, as conclusões factuais que se pretende tirar deles não resistem, por si, ao mínimo exame crítico.

Em primeiro lugar, o próprio nome cifrado da operação já é duvidoso. O que aparece nos documentos não é “Código 12”: é “Oyykl”. Para acompanhar o raciocínio uspiano, temos de aceitar que “Oyykl”, com o perdão da palavra, significa Código 12, e que Código 12 significa a porcaria acima mencionada. A sutileza criptográfica da mensagem já brada aos céus que nenhuma conclusão a respeito pode ser aceita “prima facie”, sem verificação por técnicos de fora de uma instituição que assumiu, como seu dever pedagógico primordial, sujar a reputação do regime militar e de tudo quanto a ele esteja associado mesmo remotamente.

Uma corporação acadêmica que não se inibe de discriminar seu próprio reitor, vetando o estudo de livros dele como fez com Miguel Reale, e que chega ao cúmulo de dificultar, durante décadas, o acesso de seus alunos de ciências sociais às idéias do único dos nossos sociólogos que tem envergadura universal — Gilberto Freyre –, não deve ser chamada de preconceituosa, porque o termo é doce demais. Ela é simplesmente sectária. Que os arquivos do Dops, em vez de ser colocados sob a guarda de uma comissão mista supra-ideológica, sejam entregues a essa suspeitíssima instituição, para que os utilize como matéria-prima de shows publicitários a pretexto de ciência histórica, já é algo, para o meu gosto, demasiado chocante.

Mas ainda há, nas conclusões uspianas, muitas aberrações a ser explicadas, se explicação tiverem. Por exemplo: nada, no mundo, pode justificar que o chefe de um serviço secreto, ao efetivar a secreta execução de uma secretíssima operação ilegal, o faça… por vias diplomáticas! Por que raios um oficial militar, que tem sob suas ordens diretas profissionais habilitados para missões de guerrilha, sabotagem e quantas mais truculências o adestramento de combate inclua, no momento de passar à ação transmite a ordem, não a eles, mas a um funcionário civil? Seria o embaixador um agente mais qualificado do que os militares para convocar e acionar os executores da ordem homicida? A coisa é tão estúpida que raia o impensável.

Menos ainda haverá explicação razoável para o fato de que, ao enviar à embaixada de Lisboa o memorando assassino em vez de remetê-lo a destinatário mais apropriado, o chefe da conspiração urdida em altos círculos federais ainda fizesse tirar cópias do sigiloso documento para uma repartição estadual paulista…

Porém o mais inverossímil da trama é a vítima. Por que, em pleno processo de abertura democrática, o governo se comprometeria numa arriscada operação para mandar matar, no exterior, um inimigo esquecido, aposentado, política e militarmente inócuo? Já em 1964 a agressividade do almirante Aragão contra o novo regime revelara ser apenas um blefe, quando sua ameaça de invadir o Palácio das Laranjeiras com um batalhão de fuzileiros navais se desfez como por mágica ante a simples reação verbal enérgica do governador Carlos Lacerda. Se, à frente de tropas armadas, tudo o que ele conseguiu fazer foi sair da história para entrar no esquecimento, que milagre poderia tornar tão temível, onze anos depois, esse velho balão furado?

Não, um plano governamental para transmutar um almirante de opereta em mártir da causa esquerdista seria insensato demais, contraproducente demais, suicida demais para que pudéssemos acreditar nele à primeira vista, confiados na pura autoridade de meninos uspianos, ansiosos para acrescentar a contribuição da sua criatividade pessoal ao filme de Bela Lugosi em que a máquina esquerdista de desinformação vem transformando a história – digamos que o seja – do período militar.

Por fim, resta o fato de que as vítimas, após a data fatídica, continuaram passando bem e ignorando por completo a sua morte anunciada…

Tudo isso prova, no mínimo, que a acusação é duvidosa e sua divulgação afoita. Se nem mesmo uma simples denúncia jornalística se exime do dever de ser inspecionada “pelos dois lados” antes de estampar-se em manchete, por que uma revelação histórica que se arroga foros de seriedade acadêmica deveria ser alardeada pela TV antes de submeter-se à inspeção de historiadores profissionais alheios ou antagônicos à fé ideológica de seus autores?

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano