Novas cartas à Época

Olavo de Carvalho 

16-18 de novembro de 2001

Estas são algumas das cartas enviadas à revista Época durante a semana passada. Não requerem o mínimo comentário, mas agradeço de coração a todos os remetentes. – O. de C.

______________________________________________________________

Prezados senhores, 
Fiquei impressionado ao ir comprar nessas semanas a revista e não encontrar lá o artigo do professor Olavo de Carvalho. Pensei no início tratar-se de mero problemas de editoração da revista o que por si só já seria impressionante), então a comprei de qualquer jeito. Foi apenas um dia depois que fui avisado que seus artigos iriam passar de semanais a mensais. Eu simplesmente não posso acreditar nisso. Primeiramente por motivos pessoais, já que já fui assinante da revista, e mesmo após ter expirado a assinatura da mesma continuei comprando-a regularmente meramente para ter acesso aos artigos de Olavo de Carvalho. Enquanto uma de suas principais concorrentes tem entre seus colunistas pensadores da envergadura de Stephen Kanitz, Diogo Mainardi, Gustavo Franco, entre outros, a revita Época, com a singela mas sempre brilhante análise de Olavo bastava para que eu optasse por sua compra. Em segundo lugar, por motivo de coragem da própria revista, que sempre vi como audaciosa e progressista ao disponibilizar textos tão polêmicos e agressivos como o do profesor Olavo, fugindo do status quo politicamente correto e pensamento cultural “main stream” em nosso país retrógrado. Não me parece que haja nenhuma razão lógica para esse comportamento, exceto duas coisas: covardia e submissão. Covardia ao se esquivar da responsabilidade de trazer a luz uma forma de pensar que é reiteradamente boicotada pela “intellgentzia” terceiro-mundista nacional. Submissão às pressões de grupos com muito pouco QI, mas muito interesse político e ideológico em jogo, do qual essa revista acaba se tornando mero peão. É muito triste e revoltante constatar que mesmo revisats de grande porte e respeitadas como Época possam se render a esse tipo de atitude. Com toda a sinceridade, espero que a revista não sofra em suas vendas e repercussão o prejuízo que certamente a falta de Olavo de Caravalho representa. O que, desde logo, duvido muito. Ao menos no que toca a mim, a Editora Abril tem mais motivos para festejar. 
Sinceramente, 
Roberto Dala Barba Filho

***

Caro Olavo: 
O objetivo desta é associar-me ao que diz o Sr. José Nivaldo Cordeiro em artigo publicado em seu “site”, com o título “A voz do trovão”, leituras recomendadas – 81, de 6 de novembro passado. Cumpre-me lembrar que os atuais responsáveis por “Época”, há pouco tempo, o eram por “Zero Hora” de Pôrto Alegre. Na ocasião, um leitor cujo nome não lembro, reclamou, na seção “sobre ZH”, das repetitivas colunas do Sr. Lula da Silva no referido jornal. Obteve como resposta, que os artigos do Lula eram um contraponto (sic), aos de Roberto Campos. Acontece que, pouco depois, adoeceu Roberto Campos, e, Zero Hora, como contraponto ‘a Lula, por muito tempo, publicava na mesma edição, artigos de Olívio Dutra, Tarso Genro, Miguel Rossetto e Tutti Quanti. Sem outro particular, com minha admiração envio o meu abraço 
Hermes Silva Pinto 
Uruguaiana RS 
hspinto@bnet.com.br

***

Prezados senhores, 
Venho somar o meu ao (felizmente) grande número de protestos pela redução do espaço reservado a Olavo de Carvalho na revista Época. Se o número de expoentes do pensamento liberal neste País é mínimo, o número de seus ouvintes atentos é elevado. Manifesto meu repúdio diante desta infeliz decisão de conceder ao filósofo Olavo de Carvalho uma participação meramente simbólica de um único artigo por mês. Prefiro acreditar que não se trata de censura pelas suas opiniões. Se, contudo, for esse o caso, pior para vocês. Acabaram de perder um potencial comprador ou assinante da revista – até então eu a acompanhava pelo site e cogitava, cada vez mais, em passar a adquiri-la. Seu principal atrativo para mim era justamente o colunista cujo espaço os senhores acabaram de mutilar. Aguardo a revisão dessa decisão. 
Felipe Augusto Trevisan Ortiz 
São Caetano do Sul, SP 
felipeortiz@directnet.com.br 

***

Senhor editor,
Descobri, recentemente, que a maré vermelha, sorrateira para os cegos e detestável para os que usam seus olhos para realmente ver, chegou aos nossos lares. Não nos atingindo propriamente, mas fechando (a força) nossos olhos e aquele que nos ensinava a ver. O que a Revista Época fez, foi um golpe fulminante na sociedade, pois as pessoas que tem acesso à sua leitura são formadores ou “difundidores” de opinião, o que nos indica que uma grande quantidade de pessoas que eram “atingidas” pelos conhecimentos de Olavo de Carvalho direta ou indiretamente também foram atingidas. É com muita tristeza que declaro-me órfão, como todos os outros que esta maré atingiu e atingirá futuramente. 
Luigi R. F. Flores 
Castro, PR 
kuda@convoy.com.br

***

Senhor Editor,
Acho que tenho uma boa solução para o “problema” da coluna de Olavo de Carvalho: que tal contratar como articulista para Época um intelectual de esquerda que tenha a capacidade de contra-argumentar Olavo? Tenho certeza que nós os leitores é que sairíamos ganhando. Mas há um problema: acho dificílimo que tal pessoa seja encontrada, ou mesmo que exista — pelo menos entre a massa acadêmica que forma o imbecil coletivo — e tenho certeza que V.Sa por saber disso é que lançou mão de tão baixo expediente: diminuir em ¾ o espaço do filósofo nesse periódico. Sabendo como isso vai acabar – V.Sa não encontrará tal gigante que faça frente ao outro gigante e este deverá perder também sua coluna mensal – só me resta deixar de reservar meu exemplar semanal de Época com meu jornaleiro e solidarizar-me com Olavo de Carvalho, lembrando a ele o que disse Millôr Fernandes ao sair de O Cruzeiro: o navio está abandonando os ratos.
Atenciosamente,
Paulo Sérgio Escóssio 
paulo.vieira@trf1.gov.br

***

À Revista Época:
Só vim a saber de um certo rodízio de articulistas que torna mensais os brilhantes artigos do Filósofo Olavo de Carvalho e da indignação resultante dessa decisão através da página desse autor na Internet, pois sou assinante de Veja e não leio Época. Pretendia fazer um esforço (já que ler as duas publicações toda semana tomaria muito de meu tempo) para também assinar Época ao final do ano, como forma de prestigiar uma publicação que tem a coragem de dar divulgação ao trabalho de Olavo de Carvalho. Pretendia.
Os textos de Olavo de Carvalho permitem a cada vez mais rara experiência de acesso a idéias não comprometidas com o avanço esquerdista e com a repetição monótona de distorções e chavões ridículos sobre a história e a sociedade atual. Seu trabalho é uma luz animadora nessa triste “época” em que o anormal e o ilegal são tolerados em nome de ideologias massacrantes e fanatizantes.
Óbvio que não faz diferença para Época perder este leitor (em potencial) ou tantos outros, mas é lamentável que o cerco esquerdista à informação tenha chegado ao ponto da censura. Época pode não tê-lo feito deliberadamente, mas se é inconsciente das implicações de suas decisões, ainda mais alarmante é a posição da revista, pois denota desconhecimento do que se passa. Peço que a revista reconsidere sua decisão e volte a publicar semanalmente os artigos de Olavo de Carvalho, que mereceria até mais espaço, pois não lhe faltam talento, conhecimento, inspiração e perspicácia.
Atenciosamente, 
Alceu Dias de Oliveira 
alcdias@terra.com.br

***

Caro sr. Olavo de Carvalho: 
Escrevo-lhe para manisfestar minha admiração por sua obra e pela verdadeira missão que o sr. tem exercido no sentido de ser a águia do bom senso. Se houve a Águia de Haia, o sr. pelo menos já é a Águia de Campinas! E também para apoiar-lhe quanto à censura por demais covarde de que foi vítima na revista Época, que certamente merece uma queda nas vendas por tal ato que só merece repúdio de todos. Muito sucesso nessa sua trilha brilhante! Álvaro Gomes dos Reis Neto agrn@hotmail.com

***

Caro Olavo,
Não seria mais correto escrever “madrassa” ? Tenho-lhe enviado dicas ou comentários que mando para meus amigos.Tenha certeza que não envio-lhe nada automaticamente. Imagino que receba grande quantidade de correspodência por e-mail a cada dia, envio apenas o q talvez possa interessar-lhe. Lamentoque deixe de difundir tão boas idéias na Época. Acho que o público é heterogêneo demais e uma variação de temas, até para mostrar a muitos o quanto é capaz de discutir assuntos os mais diversos, e, surpreênde-los, teria sido um bom recurso. Quanto a min, desde que tenho Internet há três anos, visito regularmente seu site, tendo impressas colunas que já nem estão mais online ( do JT). Continuo a visitá-lo e a acumular todos seus artigos, pex, nessa semana tive pouco tempo e houve muitos. Leio e, muitas vezes, releio. Os melhores votos, 
Sílvia Alves
alves.@uai.em.com.br 

***

Senhor editor, 
Estou muito decepcionado com Época, isto porque não encontro mais os inigualáveis artigos de Olavo de Carvalho, que eram meu principal interesse na revista inteira. Com a súbita e inexplicada decisão de suprimir a página semanal de que ele dispunha, os senhores fazem um desserviço à inteligência nacional. Espero que ponderem um pouco mais sobre o assunto e devolvam a Olavo de Carvalho o espaço que habitualmente ocupava. Respeitosamente, 
Henri Carrières
Rio de Janeiro, RJ 
hcarrieres@hotmail.com

***

Prezado Olavo de Carvalho, 
Não pude deixar de notar em sua Home Page as manifestações de alguns de seus leitores, a respeito da diminuição de suas colunas semanais da rev. Época. Faço minhas as palavras deles. Confesso que fiquei muito surpreso e indignado. Deixo aqui registrada, também, a minha mais profunda frustação de leitor assíduo e aprendiz. Eu tb, na última semana, registrei queixa junto à redação da revista. Não´foi um grande ou brilhant manifesto, porém… foi mais um. Um forte abraço, 
André Frantz 
Porto Alegre – RS 
rocker77@terra.com.br

***

Senhor editor,
Gostaria de saber o motivo da redução das colunas semanais do professor Olavo de Carvalho. Assino a revista Época justamente por motivo de tais colunas.
Quero continuar lendo-as semanalmente.. 
Aguardo resposta. Atenciosamente,
André Frantz 
rocker77@terra.com.br

Caro André,
Obrigada pelos envios de seus comentários. Olavo de Carvalho terá os seus artigos publicados uma vez por mês, porque resolvemos abrir espaço em Época para outras idéias e visões de mundo.
Esperamos continuar com a sua atenção e participação.

Um abraço,
A Redação epoca@edglobo.com.br

***

Caro Editor:
Não consigo acreditar que a revista Época faz calar a única voz que, de fato, nos defende desta mídia brasileira Stalinista !
A sua substituição por uma professora “vermelha” e irresponsável da USP, central de propaganda do PT, me faz sentir duplamente agredido. Uma representante da vil classe marxista dos professores universitarios que, em conjunto com uma mídia sem escrupulos insiste, ainda hoje, em defender o comunismo, o regime que mais assassinou seres humanos em todos os tempos.
Espero que o genial Olavo de Carvalho volte às páginas da revista Época SEMANALMENTE, como acontecia antes desta esdrúxula decisão.
Sou assinante de Veja e à tempos venho pensando em tambem assinar a revista Época mas, confesso que, sem a coluna SEMANAL do Olavo de Carvalho, meu principal motivo para a compra e leitura desta revista, fico seriamente inclinado à desistir desta idéia.
Com muito pesar pelo acontecido, espero, insisto em dizer, o retorno da brilhante mente do Professor Olavo à página central de Época.
Luiz Gentil Junior 
lgentil@daterranet.com.br 

***

Senhores, 
Quero manifestar meu pesar pela infeliz idéia de reduzir os artigos de Olavo de Carvalho nessa revista. Era um indicador de qualidade e liberdade de expressão que se perderá, assim como perderão muitos leitores que, como eu, a adquiriam no domingo certos de ler algo original e acima da mediocridade costumeira. Como falta de interesse e de repercussão dos artigos certamente não é, resta a hipótese de concessão ao habitual patrulhamento. Lamentável! Perde a revista e perdemos todos. Atenciosamente,
Antonio Roberto Batista 
arbc@uol.com.br

***

Senhor editor, 
“Frutos de mentes raivosas, destemperadas e sem real percepção da realidade que as cercam”, é o que venho observando nos escritos de articulistas de última hora, intelectualóides de meia tigela dos redutos esquerdosos, como a autora desse texto, por exemplo. É mais fácil projetar no outro, aquilo que não queremos que saibam que temos em nós. A professora uspiana não percebe que faz parte (ou faz com muito prazer) do Imbecil Coletivo, que continua a repetir o velho discurso da inteligentzia esquerdosa e emburrecedora, com chavões e conceitos completamente ultrapassados e desprovidos de sentido. Essa casta de gente já não sabe mais distinguir quem é vítima e quem é réu. A revista Época perdeu enormemente ao trocar o grande Filósofo Olavo de Carvalho, por uma mera palpiteira de botequim que, ela sim, odeia tudo que vem dos americanos, seja o que for, tenham eles razão ou não. Seu artigo não faz uma análise lúcida dos fatos que vêm ocorrendo nesse episódio de guerra, mas apenas reforça o coro dos estupradores de mentes e consciências, num processo bem articulado e maléfico de lavagem cerebral, orquestrado pelas esquerdas do mundo inteiro. E de tanto repetir a mesma mentira, eles acabam acreditando que falam a verdade mais absoluta, num processo de preservação da “espécie”. Meus pêsames à Época que foi, há não muito tempo atrás, a melhor revista informativa semanal. Hoje, ela mal serve para embrulhar o peixe comprado na mercadinho mais próximo. 
Graça Salgueiro 
irinna@terra.com.br

***

Sr.Diretor de Redação, 
É um ato de insensatez reduzir o espaço do filósofo Olavo de Carva- lho, que muito ajudou ( e ajuda ) a consolidar o prestígio de Època, por ter ele apontado o atual ministro da Justiça, Aluysio Nunes Ferreira, como ex-terrorista envolvido na luta armada e “expropiações bancárias” – coisa que, de resto, o ministro não contesta e todo leitor consciente, à direita ou esquerda, sabe. Por outro lado, reduzir o espaço do filósofo e não reduzir, por exemplo, o de Zuenir Ventura, um tradicional “quadro” da esquerda na imprensa, demonstra claramente aos leitores da revista que o novo diretor de redação acionou – “estrategicamente” – o dispositivo da censura ideológica – o que em jornalismo só leva ao descrédito, arbítrio e repúdio dos leitores. O espantoso de tudo é que Época e O Globo são orgãos historicamente comprometidos com a democracia política e econômica (pois vive delas) e, no caso de O Globo, com a figura histórica de Roberto Marinho, ligado por um hífen a luta contra qualquer forma de totalitarismo. Estou tomando a providência de não mais comprar nas bancas a revista Época até que o ato de pura violência e discriminação contra a liberdade de expressão seja revisto. E de hoje em diante, sempre que possível, citarei nos meus escritos e palestras Época como exemplo de revista que exerce a censura ideológica contra os seus colaboradors mais capazes. Cordialmente, 
Ipojuca Pontes 
brandwain@uol.com.br

***

Senhor editor,
Lamentável o fato da exclusão do Prof. Olavo de Caravalho da coluna semanal da revista. Infindas palavras tácitas ficam na atmosfera deste feito, e a nudez visceral que para os Senhores, a democracia não transcende as letras dos manuais de ética jornalística. Cordialmente, 
Rafael Gustavo Santos Vieira 
rafaelgu@brfree.com.br 

***

Prezados Srs, 
Causou-me espanto a nao publicacao do ultimo artigo de Olavo de Carvalho. Qual o motivo? Contando com sua pronta resposta, 
Marilia Tavares 
chez_moi@hotmail.com

***

Prezado Marilia,
Agradecemos o envio de sua mensagem. Seus comentários foram transmitidos ao editor. Os artigos de Olavo de Carvalho serão publicados uma vez por mês. Esperamos continuar contando com a sua atenção e participação.
Um abraço,
A Redação 
epoca@edglobo.com.br

***

Senhor redator,
Por que? Se eram tao bons e imperdiveis? Obrigada pela atencão. 
Marilia Tavares 
chez_moi@hotmail.com

***

Senhor Editor: 
Dirigimo-nos a essa prestigiada revista para estranhar a ausência dos artigos do Prof Olavo de Carvalho, ultimamente, em suas páginas. Motivados pelo costume e pela necessidade de ler as lúcidas e precisas colocações do Professor, solicitamos que sua publicação não volte a ser interrompida, o que traria um enorme vácuo ao ambiente intelecto- cultural do país, já insuportavelmente árido, medíocre e monocórdio Atenciosamente, 
AbelMonteiro
Porto Alegre RS
kero500@terra.com.br

Caro Abel, 
Agradecemos o envio de sua mensagem. Os artigos de Olavo de Carvalho serão publicados uma vez por mês. Esperamos continuar contando com a sua atenção. Um abraço, 
A Redação 
epocaleitor@edglobo.com.br

***

Prezados Senhores: 
Foi justamente essa a estranheza que assinalei: vocês cortaram 75% do espaço do OC, e nós ficamos privados de 75% de suas opiniões. Não haveria uma maneira de voltarem a lhe conceder a periodicidade semanal ? A “intelligentsia” brasileira agradeceria. 
Saudações patrióticas, 
Abel Monteiro 
kero500@terra.com.br

***

Prezado Olavo, 
Mais uma vez para cumprimentá-lo, não só pelo artigo de hoje “Diagnóstico” publicado no Globo, como pela idéia de reproduzir em sua homepage algumas das incontáveis cartas endereçadas a você e à Redação de Época, em virtude da censura que lhe foi imposta pelo novo Diretor daquela Revista. A destacar é que tais manifestações não foram sequer mencionadas na seção de Cartas dos Leitores da referida revista. Ou seja , a censura é mesmo para valer. Aliás, seu artigo de hoje retrata com perfeição essa realidade que nos está sendo imposta. Nossa esperança é que eles venham a tropeçar nas próprias pernas daquí mais um pouco, como nos revela aquela passagem de Paulo na Primeira Carta aos Coríntios (3,19) ” pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia”. 
Um forte abraço 
Carlos Scheliga 
cbs@ajato.com.br

***

Caros Senhores, 
Estava exatamente aguardando o final de minha assinatura da revisa VEJA, previsto para o próximo mês, para, transferi-la para ÉPOCA, quando, estarrecido, constatei que os senhores também são ingênuos (?) censuradores bolcheviques. Reduzir a participação do colunista Olavo de Carvalho, cujos textos acompanhava semanalmente com a compra de exemplares avulsos, reduzirá os lucros da revista mas, no seu entender, os fins justificam os meios, não é mesmo? Serei cristalino: como formadores de opinião, o que lhes interessa é acabar logo com essa ensebação e ajudar a promover de vez a tão esperada revolução comunista. Acaso passou-lhes pela cabeça qual o papel que essa revista e quase toda a mídia nacional, que ainda exercem alguma função “social” orientadora, desempenhariam sob um regime onde a orientação social é sempre ditada pela “ditadura militar” de plantão? E o que farão então? Levantarão barricadas em favor da democracia? Esse tipo de idealismo inconseqüente já custou cerca de 100 milhões de vidas em um século. Quantos brasileiros terão que ser sacrificados até que percebam que o sonho não pode ser realizado? Sinceramente… mesmo, 
Walmor Grade
wgrade@onda.com.br

***

Caro Olavo de Carvalho, 
Gostaria de expressar toda a minha solidariedade e adimiração por você que, sendo uma voz única no cenário cultural brasileiro, foi praticamente “censurado” pelos veículos de comunicação “globais” nos quais, por milagre, tinha algum espaço. Confesso que já imaginei que isso iria, mais cedo ou mais tarde, acontecer, vindo de um conglomerado que, entre outras coisas, fez propaganda explícita do MST na novela “O Rei do Gado”, do comunismo nos seriados “Hilda Furacão” e “Anos Rebeldes” e do anarquismo na novela “Terra Nostra”, além de empregar em seus estúdios e redações gente da pior qualidade, entre eles antigos bandidos e terroristas. Você é para nós brasileiros uma referência única nesse tempo dominado por professorinhas comunistas. Não desanime e continue a escrever seus artigos, mesmo que não venha a ter como publicá-los na mídia. A Internet é um magnífico meio de divulgação de idéias e, confesso, é através dela e não de nenhum meio de comunicação “usual” que desfruto periodicamente de seus escritos. Um abraço, 
Rodrigo Tassara 
Belo Horizonte MG 
rod.bhz@zaz.com.br

***

Prezado Olavo,
Os seus artigos não são mais publicados na Época? Porque? Será que houve censura?
Desde já obrigado pela sua atenção.
Hamilton Coragem 
coragem@uol.com.br

***

Prezado Professor Olavo de Carvalho, 
Encaminho ao senhor as mensagens trocadas entre um meu amigo, Miguel, e o novo diretor da Revista Época, “jornalista preocupado com a democracia, o pluralismo e o confronto de idéias”. Um abraço, 
Amílcar Nadu 
paulofrancis@hotmail.com

***

Caro Senhor Editor,
Como sempre acompanhei suas reportagens desde a época em que o senhor trabalhou na Veja até na Gazeta Mercantil, não fiquei surpreso com o seu gesto de reduzir a participação do professor Olavo de Carvalho em sua equipe. Afinal, sei que o senhor é um jornalista de formação socialista “light”, tipo arquetípico da esquerda que, no plano político, está muito bem encarnado em figuras como Blair, Clinton e Gore.
Apesar disso, insisto em protestar que isso não deixa de ser lamentável, pois mostra que o senhor, ao invés de evoluir em sua formação intelectual, regrediu.
A única coisa boa nisso tudo é que, agora, pelo menos alguns amigos meus vão economizar mais, pois só precisarão comprar a revista uma vez por mês.
Saudações de um ex-admirador.
Miguel Gustavo Lopes Kfouri 
miguelgustavolopes@zipmail.com

Caro Miguel,
Quem acompanha minha trajetória profissional sabe que sempre fui um jornalista preocupado com a democracia, o pluralismo e o confronto de idéias. Creio que ninguém tem o monopólio da verdade nem o direito exclusivo a expressar sua opinião. Por isso, resolvi abrir Época para outras idéias e visões de mundo. Acho que você só terá a ganhar se resolver conhecer outros olhares sobre velhos problemas. 
Paulo Moreira Leite
diretor de Redação

***

Prazado Olavo de Carvalho,
Puxa, diante de todas essas mensagens estou até pensando em acrescentar um ps de 50 parágrafos ao e-mail que mandei pra redação da Época: “Ele incomoda, né?”. Muito obrigado por tudo, professor. Que Deus o abençoe (e ainda te vejo católico!) e aos seus. 
Alexandre Ramos da Silva 
alexandrers@convoy.com.br

***

Caro Olavo, 
Não vi nas duas últimas semanas sua coluna na Época.Imagino que os totalitaristas tenham conseguido acabar com uma das últimas cidadelas da inteligência e da liberdade.Lamento profundamente.Mandei uma cartinha para eles, que anexo. Abraço.

***

Bem, demorou mas a Opinião acabou na revista Época também: a fantástica máquina de propaganda do esquerdismo brasileiro derrubou Olavo de Carvalho e instalou no seu lugar uma de suas mais representativas ativistas. É a marcha da insensatez burra exatamente no sentido contrário da História. Que tal pôr Fidel Castro aí, como colunista, enquanto ele agüenta. Assim ele já vai dando in loco todas as instruções para a rapaziada transformar isto aqui em mais uma lata de lixo do esquerdismo de uma vez. Ou chamam alguém de Angola, Moçambique, Coréia do Norte, Vietnã, exemplos de outros brilhantes dos resultados do comunismo, para passarem suas experiências e maldizerem também os Estados Unidos, assim como a dona Maria Aparecida, por quem, pior, estão sendo conduzidas as cabeças da juventude, naUSP. Parabéns, vocês vão conseguir transformar tudo em… bem, não vale o palavrão. Pô, será que vocês não acordam?!
Sergio Storti 
Mestre em Ciências da Comunicação pela USP 

***

Prezado Olavo, 
Indignada com o corte que a revista Época fez de seus artigos, também eu mandei uma mensagem à redação, e depois outra em resposta à que eles me mandaram. Aqui vão elas. Um forte abraço.

***

Procurei a Época desta semana somente para ler o artigo do Olavo de Carvalho, mas logo fiquei sabendo que ele não estava lá. Lamentável. Infelizmente serei obrigada a deixar de comprar a revista, já que sua maior contribuição para o leitor brasileiro eram justamente a lucidez e a absoluta franqueza do filósofo Olavo de Carvalho, sem o que o periódico perde todo o seu sentido. Espero que em breve possa ver novamente nosso maior filósofo nas páginas de Época.
Atenciosamente,
Marli Nogueira 
Brasília DF
themis14@uol.com.br

***

Senhor Editor, 
Tornei-me assinante de Época por apenas um motivo: a promoção que me daria a passagem aérea para qualquer capital do Brasil. Recebi a passagem, fiz uma bela viagem a Recife nas minhas férias. Estava concluído na minha opinião o meu interesse pela revista. Como a sssinatura estava paga, receberia os exemplares que tinha direito e depois cancelaria a assinatura. Mas acontece que sua revista prendeu o meu interesse de maneira muito forte, de tal forma que eu aguardava os exemplares com ansiedade e não deixava ninguém lê-los em casa antes de mim. O motivo de tamanho interesse? A coluna do filósofo Olavo de Carvalho. Ele é um homem brilhante, com um texto como há muito não se via no nosso jornalismo basal. E o que é mais importante, ele DIZ o que pensa, exibe claramente no peito a sua opinião política, o que é mais raro ainda na nossa mídia tendenciosa e ladina. Entrei na faculdade para fazer jornalismo e abandonei o curso nauseada com a falta de ética dos professores e dos profissionais da área. Olavo de Carvalho restaurou meu interesse pela leitura das publicações periódicas, mesmo que apenas em busca de artigos seus. Agora ele sumiu de Época. Hoje eu digo aos senhores: se Olavo de Carvalho foi excluído de sua revista, mesmo que os senhores me oferecessem uma passagem grátis para Paris, eu não renovaria minha assinatura. E estou pensando sériamente em cancelar o recebimento do resto do ano. A Editora Globo ao menos eu pensei que manteria um canal aberto com a opinião da maioria dos brasileiros (veja historicamente os resultados das eleições no Brasil). Senão por uma objetividade jornalística ao menos por um senso mercadológico. 
Assunção Medeiros 
suemedeiros@gbl.com.br

***

Caro Senhor, 
Por que a coluna de Olavo de Carvalho deixou de ser publicada em na revista “Época”? Algum tipo de censura? Antecipadamente grato pela resposta, 
O. M. Alves 
Medalves@aol.com

______________________________________________________________

Mais cartas à Época

2 Curtidas

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano