Não quero citar nomes

Olavo de Carvalho

O Globo, 20 de setembro de 2002

As Farc são, ao mesmo tempo e inseparavelmente, uma organização política, militar e criminosa: partido, exército e máfia. Dedicam-se com o mesmo empenho à difusão do comunismo, à guerrilha (com seu imprescindível complemento terrorista) e ao narcotráfico. Essas três divisões funcionam de modo articulado e convergente para a mesma finalidade: a extensão do processo revolucionário colombiano a todo o continente.

O chavão corrente de que as Farc não participam do tráfico, apenas “cobram imposto” dos traficantes, é uma dessas obras-primas da hipnose semântica que só a arte soviética da novilíngua lograria criar. Compactando três ardis lógicos entremesclados, a expressão prende o ouvinte médio numa rede de confusões da qual só um esforço analítico superior à sua capacidade poderia libertá-lo. Desde logo, (1) enobrece com uma nuance de imposição legal a extorsão praticada por um grupo criminoso sobre outro grupo criminoso, o que automaticamente (2) força a legitimação implícita, artificial e antecipada do primeiro como governo constituído, funcionando também (3) como camuflagem destinada a sugerir que o referido, levando o dinheiro do tráfico, não suja suas mãozinhas na operação. Mas é óbvio que ninguém pode “cobrar imposto” se primeiro não reduz o pagante, pela força, à condição de seu subordinado e servo. Os homens das Farc são mais que traficantes: são os mandantes primeiros e os beneficiários últimos de toda a produção e exportação de drogas da Colômbia. Mas não ficam só mandando de longe: metem diretamente a mão na massa. Trocando regularmente cocaína por armas, têm no negócio das drogas a participação mais direta e material possível. Dominando-o de cima e de baixo, de fora e de dentro, são traficantes no sentido mais pleno e eminente da palavra.

Às suas três vias de ação correspondem três tipos de associados e colaboradores. Primeiro: os combatentes — planejadores e executores de ações de guerrilha e terrorismo. Segundo: os provedores de recursos, uma rede que começa com os produtores, passa por uma série de administradores, negociadores e fornecedores e termina nos últimos agentes de revenda que passam a cocaína aos consumidores, desde o beautiful people até as crianças da mais humilde escola de bairro. Terceiro: os agentes publicitários e políticos, encarregados de espalhar as palavras-de-ordem da entidade, legitimar moralmente sua atuação, elevar seu status e embelezar sua imagem perante o público.

Muitos brasileiros têm colaborado com as Farc nas três áreas.

O menor índice de participação é na esfera militar. As Farc têm conseguido entrar no território amazônico e recrutar brasileiros para a guerrilha. Mas, evidentemente, eles entram como soldados rasos e não participam da hierarquia de comando. A colaboração brasileira, aí, limita-se ao fornecimento de idiotas.

Outra escala de importância é a da parceria brasileira no segundo domínio, o do provimento de recursos. O Brasil é o maior mercado latino-americano para as drogas da Colômbia, obtidas em troca de armas. Através de seus agentes locais as Farc têm conseguido exercer um domínio inconteste não somente sobre esse mercado como também sobre amplos setores da polícia e da administração pública. Associadas à principal quadrilha de traficantes locais, elas são a fonte essencial das drogas consumidas no Brasil e a origem da maior ameaça organizada que hoje pesa sobre a segurança nacional (suponho que os leitores tenham acompanhado o noticiário da semana passada).

Ainda mais vital, porém, é a colaboração política e publicitária, pois do Brasil têm partido as principais iniciativas de escala internacional para descaracterizar as Farc como organização criminosa e limitar o seu perfil público à imagem de entidade política, senão ética e meritória, que ela aprecia projetar de si ante o mundo e a mídia. Na primeira reunião do Foro de São Paulo, em 1991, dezenas de organizações revolucionárias assinaram com as Farc um pacto de solidariedade na base da lisonja mútua. No final do décimo encontro da mesma assembléia, em Havana, dezembro de 2001, uma declaração oficial “contra o terrorismo”, maravilha da novilíngua, excluía da categoria de terroristas as próprias entidades signatárias e reservava essa classificação para os governos que tivessem o desplante de fazer algo contra elas… Entre esses dois momentos, houve a hospedagem oficial do governo gaúcho a dirigentes da entidade, a participação chiquérrima em dois Fóruns Sociais Mundiais, a intermediação de organizações locais para a pregação feita por agentes da narcoguerrilha colombiana em escolas brasileiras e, por fim, a publicação da revista farquiana “Resistência”, que circula livremente nas bancas deste país.

Se, agora, me perguntarem — “Mas quem, afinal, são esses brasileiros?” –, direi que, no campo militar, nenhum se destaca em especial: são todos anônimos. Quanto aos colaboradores principais nos outros dois campos, recuso-me terminantemente a fornecer seus nomes. Recuso-me a sujar reputações, seja a daquele cidadão que, desde a cadeia, espalha as drogas e o terror pelo Brasil, seja a daquele outro que, convocando e dirigindo sucessivos Foros de São Paulo, assinando e difundindo sucessivos primores do eufemismo universal, vem inoculando na mente do público a crença mentirosa de que as Farc não têm a menor parcela de culpa pelo que faz o primeiro. Se um deles é reconhecido como inimigo público número um e o outro como virtual cidadão numero um da República, isso só mostra que no Brasil o fundo e o topo da hierarquia se tornaram indiscerníveis.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano