Mudando de bichos

Olavo de Carvalho


Jornal do Brasil, 21 de setembro de 2006

Diante do fracasso total da espécie humana, ao menos tal como exemplificada pelos seus representantes no governo federal, dedicarei a crônica desta semana a bichos mais promissores.

Após o falecimento do meu querido cão Robin, atropelado por um trem em pleno ato de traçar uma Labrador pretinha no leito da via férrea, comprei um filhote da raça English Mastiff (mastim inglês), persuadido a isso por um dito popular do século XVIII: “Tal como o leão está para os gatos, assim está o Mastiff para os cães.” Esse negócio de leão é puro eufemismo. O bicho é um tipo de elefante canino, sem limite previsível de crescimento ou consumo alimentício. Em vista deste último detalhe, denominei-o Big Mac, também de modo a que ele possa se apresentar como James Bond: “Meu nome é Mac. Big Mac.”

O nome tem ainda a vantagem de poder ser pronunciado pelos americanos, livrando a criatura de humilhações como as que passo por aqui quando as pessoas, entre esgares de ginástica fonética, me chamam de Olêivo de Ca rvalo, Ólavo de Cárvalo e até Olâno de Varcálto. Durante algum tempo suportei tudo com resignação estóica. Quando ouvi meu filho, numa festa escolar, ser anunciado no alto-falante como Pedro de Varcáulou-Hôu, decidi que a coisa tinha de parar: o próximo membro da família teria nome gringo e passaria despercebido como qualquer cidadão normal.

O primeiro beneficiado por essa sábia decisão veio pela American Airlines, despachado por um canil do Missouri, que o oferecia a um terço do preço por ser o último da ninhada e estar grandinho demais para continuar sendo um cachorro sem dono. De dentro da gaiola, no aeroporto de Richmond, a encomenda, amarela com listras pretas como um tigre, já abanava a cauda e lambia as nossas mãos com aquela ternura histérica própria dos membros da sua espécie.

Nesse encontro inicial reparei numa característica que a observação posterior não fez senão confirmar: talvez por inexperiência da vida, Big Mac não distingue entre as afeições castas e o arrebatamento erótico, ficando de pinto duro ao menor sinal de que alguém gosta dele.

Não obstante esse vício juvenil que os leitores terão a gentileza de perdoar, o referido tem uma conduta de exemplar moralidade, obedecendo aos comandos com presteza e até adivinhando-os como se estivessem no seu código genético. Devem estar mesmo, porque os Mastiffs são a raça canina mais antiga do mundo, tendo servido no exército dos césares e cobrindo-se de honras militares, sem dar refresco ao inimigo como o fazem o general Colin Powell e a Escola Superior de Guerra. Malgrado sua ancestralidade guerreira, Big Mac é um coração de ouro, recusando-se a machucar os sapinhos que infestam os gramados da Virginia e limitando-se a cheirar-lhes delicadamente o traseiro, como se cachorros fossem. Com toda a evidência, ele não tem a menor idéia do seu tamanho, mas eu tenho. Aos cinco meses, ainda apenas um puppy , o equivalente animal de baby (sofri muito para decorar a diferença), ele já tem as dimensões de um pastor alemão adulto. Não sei aonde isso vai parar, mas quando parar, se parar, podem deixar que eu aviso.

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano