Mãos limpas e jogo sujo

Olavo de Carvalho


Jornal da Tarde, 7 de dezembro de 2000

A caça aos corruptos, reais e supostos, começou neste país por inspiração da “Operação Mãos Limpas” da Itália. O exemplo italiano ainda entusiasma muitos brasileiros bons, arrebatados na esperança de que os métodos purgativos funcionem tão bem em política como em gastroenterologia.

E, como entre essas pessoas há políticos, empresários, oficiais militares e donos de jornais, a repercussão da idéia e de suas aplicações práticas tem entre nós a amplitude oceânica de um “tsunami”, devastando tudo o que encontra pela frente: a classe política, a confiabilidade das instituições, a governabilidade do país, a própria noção popular de certo e errado, que, bombardeada por uma apocalíptica sucessão de escândalos, já está completamente embaralhada.

Que de tamanho esforço saneador não resultasse nenhuma elevação do nível de moralidade nem entre os políticos nem entre o povo; que a década de mais feroz empenho moralizante de toda a nossa história fosse também a de maior crescimento do banditismo, da crueldade e da sem-vergonhice; que da destruição de lideranças suspeitas não resultasse senão a ascensão vertiginosa dos comunistas ao estatuto de virtuais governantes do País – nada disso é capaz de levar aquelas bem-intencionadas pessoas a tirar da experiência a conclusão que ela impõe: que há algo de intrinsecamente perverso e daninho no cerne mesmo do “combate à corrupção”.

Ao contrário: quanto mais deplorável é o resultado, mais devotamente se empenham na ação que o produz, redobrando a aposta a cada novo desastre, tudo sacrificando no altar de uma obsessão higienizante que está levando o doente para o ralo junto com o vômito. Quantos homens de sincera convicção liberal não se dispuseram mesmo, nas últimas eleições, a apoiar candidatos comunistas, por julgar que vigaristas, batedores de carteiras e ladrões de galinhas são mais perigosos para o país do que uma facção notoriamente aliada aos narcoguerrilheiros da Colômbia!

Assim, aqueles mesmos de quem dependeria a salvação do País são os primeiros a entregá-lo nas mãos de seus algozes, como um pai de família que, para manter os filhos a salvo de garotas sedutoras, os pusesse sob a guarda de um velho pedófilo.

É que nenhum deles tem a menor idéia da origem e da verdadeira natureza da “Operação Mãos Limpas” cujo exemplo tanto enleva seus corações. Nenhum sabe que ela foi um dos capítulos mais sórdidos da história da escroqueria universal. Se o soubessem, teriam uma idéia do futuro que estão ajudando a preparar para o Brasil.

Foi o seguinte. Dez anos atrás, certos documentos desviados da URSS, que a maioria dos jornais se recusava a divulgar sob o pretexto de não querer reacender a memória da guerra fria, começaram a despertar a atenção da imprensa italiana. Eles provavam que o Partido Comunista Italiano havia recebido pelo menos US$ 4 milhões da KGB. Tão logo a coisa começou a agitar os meios políticos, suscitando no Parlamento apelos a uma devassa fiscal, o vento repentinamente girou de direção. É que, seguindo a estratégia gramsciana da “longa marcha para dentro do aparelho de Estado”, o PCI fazia duas décadas que estava colocando gente sua nos altos postos do Poder Judiciário, discretamente, sem ruído, aguardando o momento de utilizá-la. As denúncias sobre as verbas da KGB deram o sinal de que a hora havia chegado.

Acossado pelo Poder Legislativo, o PCI recorreu a seus fiéis magistrados, os quais, sob os holofotes glamurizantes da mídia internacional, desencadearam uma portentosa caça às bruxas entre os políticos anticomunistas. Todos os partidos foram devassados… menos, naturalmente, o PCI. Ao mesmo tempo, este tratava de se desmembrar em dezenas de organizações, algumas assumindo o discurso róseo do pós-comunismo, com o efeito óbvio de inibir por chantagem psicológica as almas liberais – pois qual delas desejaria ser acusada de reavivar feridas do passado em ex-comunistas que mostravam tamanha boa vontade em “modernizar-se”?

Praticamente todas as lideranças anticomunistas foram desmoralizadas e destruídas. Hoje o PCI, disfarçado sob a multiplicidade de suas denominações e protegido sob a imagem de retidão imparcial da magistratura, domina o panorama político da Itália, virtualmente sem oponentes. Idênticas operações foram realizadas em vários outros países europeus, cujas agremiações de esquerda, todas elas abençoadas pelas verbas da KGB (só para a França foram US$ 40 milhões), se erguem hoje sobre os cadáveres políticos de seus adversários desacreditados, como Helmut Köhl, investigados por delitos menores para que a corrupção suprema dos que se venderam aos inimigos de seus países pudesse permanecer oculta.

Tudo indica que o mesmo modelo estratégico foi adotado aqui. A prova é que, no meio de tantas denúncias, ninguém jamais teve a coragem de investigar os partidos de esquerda e muito menos as milionárias ONGs estrangeiras que lhes dão apoio.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano