Loucuras americanas

Olavo de Carvalho

Diário do Comércio (editorial), 20 de abril de 2006

A ONG  “Parents and Friends of Ex-gays and Gays” foi expulsa da convenção annual da Associação de Conselheiros Educacionais da Virginia por distribuir dois folhetos considerados inaceitáveis naquele ambiente familiar: num deles, pessoas que tinham abandonado as práticas homossexuais informavam que outros homossexuais podiam fazer o mesmo; no outro, uma transexual arrependida advertia contra os riscos das cirurgias de mudanças de sexo. Enquanto isso, entidades dedicadas a ensinar as práticas homossexuais às crianças de escola participavam livremente da convenção, convidadas pela própria Associação organizadora do evento.

Mas isso não é nada. David Parker, pai de um garoto de seis anos, foi preso por protestar contra as aulas de homossexualismo que seu filho era obrigado a freqüentar numa escola pública de Lexington, Massachusetts. Passou a noite na cadeia e, levado à corte no dia seguinte, recebeu uma reprimenda do juiz, por desacato à autoridade, ao reclamar que a polícia não lhe havia permitido consultar seu advogado. O governador do Estado, Mitt Romney, fez um pronunciamento em favor de Parker, mas nos EUA o executivo não tem o mínimo poder sobre os tribunais. O processo continua rolando.

No mesmo Estado, Brian Camenker e Scott Whiteman, diretores da “Parents Rights Coalition”, gravaram e denunciaram as sessões de uma conferência, promovida pelo Departamento Estadual de Educação e a Tutts University, na qual estudantes de doze anos, trazidos em ônibus de várias escolas públicas, estavam recebendo instrução quanto à delicada prática do “fist fucking” — penetração anal com a mão fechada, até o antebraço. Denunciado nos programas de TV de Alan Keyes, Bill Bennett e Sean Hannity, o caso provocou revolta entre as famílias americanas, mas adivinhem quem está sendo processado? A srta. Margot Abels, militante da “Gay, Lesbian, Straight Education Network”, responsável pelas eruditas explicações dadas às crianças? Que nada! Os acusados são Camenker e Whiteman, por “atentado contra a liberdade de expressão” da srta. Abels. 

 Ao longo dos últimos trinta anos, os movimentos esquerdistas vieram “ocupando espaços” na Justiça americana. Juízes que se arvoram em legisladores, usando interpretações forçadas do texto legal para criar situações revolucionárias, são hoje uma praga nos EUA. Ninguém sabe o que fazer com eles. Há movimentos organizados tentando reverter o estado de coisas, mas substituir os magistrados levaria décadas, e até lá o mal que eles podem fazer é incalculável. Transformar uma geração inteira de meninos americanos em joguetes nas mãos de adultos pervertidos é o mínimo que se pode prever. O beautiful people de Hollywood tem contribuído ativamente para esse resultado, glamurizando tipos como Alfred Kinsey, o charlatão (e pedófilo nas horas vagas) que enganou metade do país entrevistando criminosos sexuais sobre suas práticas eróticas e depois alardeando as respostas como se viessem da população média.

O Brasil imita, de longe, esses trejeitos simiescos de uma sociedade que por tolerância excessiva para com seus inimigos acabou por se tornar inimiga de si própria. Imita de longe, mas, por isso mesmo, com devoção mais crédula e integral. O que mais impressiona, na comparação entre os EUA e o nosso país, é a pujança da reação conservadora à decadência planificada, lá, e aqui a subserviência geral, o silêncio cúmplice, mesmo das autoridades religiosas, empenhadas em salvar antes o PT do que as almas.

Intelectualmente, os conservadores americanos já podem se considerar vitoriosos, tal o estado de atrofia do pensamento esquerdista reduzido à macaqueação de seus próprios slogans dos anos 60. Socialmente, o seu poder de organização e de ataque, sobretudo entre os religiosos, cresce dia a dia. É politicamente que eles não estão muito bem, pois o Partido Republicano e o governo Bush não refletem adequadamente suas expectativas. A ascensão do senador George Allen, do governador Mitt Romney e sobretudo o crescimento de uma nova geração de republicanos negros e chicanos – um fenômeno que a mídia chique oculta por todos os meios possíveis – parecem anunciar grandes mudanças num partido que, se quiser continuar em cima do muro, vai cair.     

4 Curtidas

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano