Esconde-esconde

Olavo de Carvalho


Época, 4 de agosto de 2001

No jogo da política nacional, dizer a verdade é proibido

Quando um nacionalista defende seu país contra a Nova Ordem Mundial, ele luta por uma coisa que já existe contra outra que está apenas em via de existir, ou que só existe pela metade. Defende, portanto, como Edmund Burke, o passado certo contra o futuro hipotético. Nada mais lógico do que, nesse empenho, ele apegar-se aos valores e tradições que fundamentam a identidade nacional e buscar demonstrar que, acima e independentemente de toda promessa de um paraíso globalista, eles merecem sobreviver.

É isso o que fazem os adversários americanos da Nova Ordem Mundial. Argumentam que os Estados Unidos são uma república e não um império, que o globalismo coloca o país sob o jugo de umas quantas empresas monopolistas, que a nova civilização que se anuncia em escala planetária é a antítese dos valores judaico-cristãos que formaram a nação americana.

O que os revolta, sobretudo, é a nova educação pública, que, em vez de ensinar literatura, ciência, História e religião como antigamente, só se ocupa de incutir slogans globalistas politicamente corretos na cabeça das crianças: já não é educação, é engenharia comportamental. A maioria desses nacionalistas votou em Bush júnior para não votar em Gore, o mundialismo encarnado, mas não perdoa a Bush pai ter transformado as escolas americanas em fábricas de cidadãozinhos globais. O nacionalismo americano, como a maioria dos nacionalismos, é de direita.

No Brasil, porém, não existindo direita ideológica, só fisiológica, a apologia do globalismo foi incumbida de representar ad hoc o papel de direitismo, enquanto o discurso nacionalista era assumido pela esquerda. O resultado é um imbróglio ideológico sem mais tamanho. Pois a direita, ao mesmo tempo que professa da boca para fora os valores tradicionais e religiosos associados ao passado nacional, aposta numa Nova Ordem Mundial que flagrantemente os destrói. E a esquerda, ao mesmo tempo que combate essa Nova Ordem na esfera econômica, luta para implantar na educação as ideologias globalistas do multiculturalismo, da affirmative action, do feminismo e do movimento gay, diluidoras das tradições nacionais. Não se trata, enfim, de uma luta pró e contra a Nova Ordem Mundial, mas de uma pura disputa de lances no leilão da identidade nacional.

Nessa dupla hipocrisia, a da esquerda é mais inteligente. Pois seu nacionalismo é mesmo de fachada e sua oposição à Nova Ordem Mundial é propositadamente dúbia: combate as empresas globais ao mesmo tempo que luta para dar mais poder aos organismos internacionais e à rede mundial de ONGs, que é a multinacional da comedeira de subsídios estatais.

Os direitistas, por seu lado, aderiram a um globalismo fácil por pura preguiça mental, vendo nele o pretexto de um modernismo cor-de-rosa para apregoar o “fim das ideologias”. Julgavam que, com esse discurso, esvaziariam o ideário da esquerda. Esvaziaram foi o seu próprio, descaracterizando-se ideologicamente e entregando à esquerda, de mão beijada, o monopólio da circulação de opiniões. O duplo engano, portanto, não é simétrico. A direita engana-se a si mesma fazendo de conta que engana o adversário. A esquerda consente em fingir que se engana a si mesma, para mais facilmente enganar o adversário e o público.

A vantagem da esquerda nesse jogo é nítida, mas, qualquer que seja o resultado final, o preço da aposta, de ambos os lados, terá sido o rebaixamento do nível de consciência da população. Pois é um jogo de esconde-esconde, no qual a única coisa que não vale é dizer a verdade.

PS.: No artigo da edição 166, esqueci dois detalhes importantes. Primeiro: o livro em que Mortimer J. Adler expõe as técnicas da educação liberal tem edição brasileira – Como Ler um Livro, da Editora UniverCidade. Segundo: um de nossos maiores educadores, dom Lourenço de Almeida Prado, é adepto e praticante dessas técnicas, tendo-as usado com seus alunos no Colégio de São Bento do Rio de Janeiro, com grande sucesso.

2 Curtidas

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano