Em torno de Celso Pitta

Olavo de Carvalho

Jornal da Tarde, São Paulo, 22 jun. 2000

Não gosto de Celso Pitta e não votei nele. Sua exploração descarada da cor da própria pele na propaganda eleitoral fez com que ele entrasse, definitivamente, no meu index candidatorum prohibitorum particular. Mas o processo do seu impeachment é uma palhaçada em toda a linha, que, a pretexto de punir o mau representante para salvar a ordem que ele representa (é o pretexto de sempre), já começou por esculhambar desde logo as idéias de justiça, lei, autoridade e razão – tudo aquilo que compõe a essência da ordem.

A coisa veio errada desde a raiz. Ao encaminhar à Câmara de Vereadores o requerimento para que se constituísse a comissão processante, o presidente da OAB local – cujo nome esqueci e não quero lembrar – anunciou à imprensa, com aquele ar de sapiência que convém aos porta-vozes desse autoconstituído poder moderador, que, dentre os vereadores, quem não votasse a favor do pedido seria, num requerimento subseqüente, incluído entre os suspeitos de envolvimento nas tramóias pítticas.

Pela primeira vez na história do direito um queixoso, ao solicitar à autoridade a investigação de um crime, a acusava, no mesmo ato, de virtual cumplicidade no mesmo crime.

Eu não contrataria esse advogado para me defender de uma multa de trânsito indevidamente aplicada por um guarda sequioso de propinas. Ficaria com medo de que, na petição, o desastrado causídico recorresse ao seguinte argumento para persuadir o juiz: “Se V. Excia. não anula esta multa, é porque está levando algum.”

O país onde uma denúncia de crime já inclui entre os suspeitos a autoridade à qual se pede sua investigação não tem, é claro, ordem jurídica nenhuma. Tem apenas uma hierarquia de comando baseada no poder de chantagem midiática. Tanto a coisa é assim, que a própria Câmara dos Vereadores, em vez de devolver a petição ao malcriado, se apressou, temerosa, em dar-lhe o que ele pedia. Uma assembléia que tem um, dois ou cinqüenta corruptos está desonrada temporariamente até retirá-los do seu meio. Uma assembléia que se curva a uma ameaça insolente e absurda se desonra definitivamente, se desonra estruturalmente. Ela confessa, em público, que só consente em investigar para não ser investigada.

Se o prefeito está dando um baile em seus acusadores, isto não prova tanto que ele está inocente das suspeitas de corrupção quanto que eles são culpados de praticar uma falsa moral, na qual mais importa a cada um vasculhar com suspicácia os atos alheios do que governar os seus próprios com justiça e sabedoria.

De modo geral, o anseio de “ética” em nome do qual há doze anos este país é submetido a uma estressante sucessão de crises e sobressaltos não passa de um pretexto estratégico para produzir esse mesmo resultado específico: desativar o poder eleito, impor em seu lugar a autoridade legislante e judicativa da mídia e dos autonomeados representantes da sociedade civil. Mas essa destruição sistemática do processo de legitimação eleitoral não é um fato isolado: ela vem acompanhada, no meio rural, de manejos destinados a reconhecer como coadjuvante da autoridade pública, nas investigações criminais, uma organização sem registro legal e cuja atividade consiste unicamente em invasões, roubos e violências variadas.

Por baixo da estrutura do Estado, um novo sistema de poder já se constituiu e, informalmente, governa o país. As eleições só servem para legitimá-lo ex post facto ou, quando contrariam seus desejos, para ser anuladas mediante a mobilização maciça da indústria do escândalo.

É preciso um povo estar bem sonso e hipnotizado para não perceber que esse estado de coisas é infinitamente mais grave e mais alarmante do que todos os casos individuais de corrupção somados e multiplicados por mil.

Corruptos ambicionam apenas dinheiro e, pervertendo peças do sistema, não impedem que o conjunto prossiga funcionando. Revolucionários não se conformam com menos do que corromper e destruir o sistema inteiro para obter o poder total. Eles estão fazendo isso bem diante dos nossos olhos, com a colaboração de milhares de ingênuos bem intencionados que se comovem até às lágrimas à simples audição da palavra “ética” e se deixam manipular com a consciência limpa do escoteiro que perfaz sua boa ação diária.

A ingenuidade desses colaboradores funda-se na sua incultura, no seu despreparo, que os transforma em vítimas dóceis nas mãos de intelectuais versados em estratégia leninista e nas técnicas da “revolução passiva” de Antônio Gramsci. Quando decidirem se informar, será tarde demais.

01/06/00

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano