“Dogma” e a mentira

Olavo de Carvalho


Jornal da Tarde, 6 de janeiro de 2000

Sou contra a proibição de qualquer filme, mas não quero ser cúmplice de uma operação montada para enganar o público. A Igreja e a TFP, que pediram a proibição de Dogma , não são o poderoso establishment oprimindo um pobre artista libertário, que é como procuram apresentá-las os apóstolos da liberação do espetáculo. Guardadas as proporções que as separam, ambas são organizações debilitadas, perseguidas, boicotadas e marginalizadas, em luta contra a máquina internacional do  anticristão. Quando o establishment quer impedir que você veja um filme, ele não pede às autoridades civis que proíbam sua exibição: ele simplesmente tira o filme de circulação com um memorando administrativo, como a Disney fez com Sete Anos no Tibete e Kundun , que cometiam o pecado mortal de denunciar o massacre de 1 milhão de tibetanos pelo governo chinês e assim arriscavam prejudicar os interesses comerciais que unem os EUA ao seu sangrento “parceiro privilegiado” do Extremo Oriente. Quando isso aconteceu, não houve um intelectual brasileiro que protestasse, um militante de esquerda que visse aí qualquer atentado à liberdade de expressão.

Se a TFP e a Igreja pedem a proibição do filme, é porque não têm meios de lutar contra a propaganda anticristã com as próprias armas dela. Quem tem dinheiro opõe anúncio a anúncio, espetáculo a espetáculo. Quem não tem, pede socorro ao Ministério da Justiça.

Não apóio os que pedem a proibição de Dogma , porém é preciso denunciar toda tentativa de manchar a nobreza da sua causa, tão respeitável, ao menos em tese, quanto a da liberdade de expressão.

Essa causa é, no fundo, o direito e o dever de qualquer fiel católico se precaver contra uma propaganda cujos efeitos, de há muito, já passaram da esfera do boicote moral à do genocídio puro e simples. A propaganda anticristã aplanou o caminho e anestesiou as consciências para o massacre de pelo menos 30 milhões de cristãos no mundo comunista. Não há rigorosamente diferença alguma, quanto à periculosidade, entre um filme anti-semita e um filme anticristão. Em ambos os casos trata-se de preparar ou legitimar genocídios. Podemos querer a liberação desses espetáculos, mas não sem expressar a repulsa que nos inspiram e não sem pedir desculpas àqueles cujos sentimentos eles ofendem. Em vez disto, o que fazem os defensores de Dogma é desrespeitar esses sentimentos uma segunda vez, usando de uma retórica truculenta que transforma o ofendido em malfeitor. O texto do manifesto que fazem circular pela Internet trai claramente a sanha comunista que o inspira, ao utilizar-se do típico jargão stalinista para qualificar a TFP de “organização fascista pequeno-burguesa” – expressão que denota, além do tradicional preconceito de classe, a típica inconsciência social do militante comunista, que, ignorando a classe a que pertence, usa o nome dela como se fosse um insulto e, ademais, insulto aplicável somente aos outros.

Não morro de amores pela TFP e não hesitaria, noutras circunstâncias, em argumentar que é estúpida e herética, mas não vejo sentido em bater em quem já está apanhando. A TFP, que nunca cometeu crime nenhum exceto o da babaquice, recebe da imprensa o tratamento que se dá a uma quadrilha de malfeitores, enquanto notórios seqüestradores, assassinos e assaltantes de bancos são premiados com dinheiro público e elevados ao céu das beatitudes por uma mídia comprometida e servil. Numa hora dessas, iria eu me associar covardemente à investida unânime de massas e elites contra um punhado de fanáticos inermes e encurralados?

Quanto à Igreja Católica, apelando ao mecanismo repressivo do Estado, ela só faz é posar de membro de um establishment que a despreza e achincalha, e tornar-se voluntariamente vítima da mentira generalizada que faz dela a encarnação do poder, e da indústria internacional de  um desamparado grupo de artistas independentes que gemem sob o tacão da autoridade. Dogma é só mais um prego fincado na cruz de Cristo. Mas Cristo, sangrando, não haveria de querer posar no palanque ao lado de Anás e Caifás. Antes mais um prego do que tamanha desonra.

Recebi pela Internet pedidos de aderir à luta pela proibição e pela liberação do filme. Aos primeiros devo responder: vocês têm todo o meu respeito, mas não o meu apoio. E aos segundos: vocês têm todo o meu apoio, mas não merecem o meu respeito.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano