Conclusões incontornáveis

Olavo de Carvalho


O Globo, 14 de fevereiro de 2004

Intelectualmente, o único sujeito respeitável no presente governo é o ministro Viegas. O fato mesmo de ele ser tradutor de Eric Voegelin — o pensador político mais importante da segunda metade do século XX, ainda maciçamente ignorado pelo establishment acadêmico tupiniquim — já o coloca num patamar bem superior ao da média da nossa classe falante e governante.

Por isso mesmo, tinha de ser ele o primeiro a reconhecer aquilo que o universo inteiro já sabia, isto é, que as Farc são uma organização terrorista.

Espero apenas que S. Excia. não se recuse a tirar dessa obviedade as conseqüências lógicas que dela se seguem inapelavelmente:

1. Como fundador e dirigente máximo do Foro de São Paulo durante uma década inteira, o sr. Luís Inácio Lula da Silva colaborou estreitamente com essa organização colombiana na formulação de uma estratégia continental em que se articulam, numa promiscuidade indecente, partidos legais e pelo menos uma gangue de narcoterroristas e seqüestradores.

2. Se ele o fez inocentemente, nada sabendo das atividades das Farc, do MIR chileno, etc., então decerto ele é o mais presunçoso ignorante que já se instalou num posto de liderança continental, arrogando-se uma autoridade infinitamente superior aos conhecimentos elementares requeridos para exercê-lo.

3. Se, ao contrário, ele sabia com quem estava lidando, então aceitou conscientemente ser cúmplice político — se não beneficiário sob outros aspectos, como sugeriu o deputado Alberto Fraga — de uma ou mais organizações criminosas.

4. Qualquer autoridade competente que, sabendo dessas coisas, mude de assunto e escamoteie a obrigação incontornável de investigar e tirar a limpo as ligações PT-Farc, comete crime de prevaricação. Se todas as autoridades competentes preferirem fazer de conta que não viram nada, isto equivalerá a uma confissão geral de que não há neste país mais ordem jurídica nenhuma, de que é tudo uma imensa pantomima e de que o melhor para o cidadão honesto é mudar logo para a Zâmbia, para Serra Leoa, para o Paraguai ou para qualquer outro lugar onde possa esperar encontrar ao menos algum rudimento de seriedade, ordem racional e civilização.

Não pensem que, ao dizer isso, eu esteja querendo pressionar o ministro ou colocá-lo em situação constrangedora. Reconheço e louvo abertamente sua coragem de admitir a verdade proibida. Apenas digo que quem reconhece que 1 + 1 = 2 está moralmente obrigado a admitir, em seguida, que 2 + 2 = 4, 3 + 3 = 6, e assim por diante, doa a quem doer.

Bem sei — pois aprendi com a “Teoria do Medalhão” de Machado de Assis e com a obra inteira de Lima Barreto — que a desconversa, a dissimulação e a hipocrisia entram na composição dos nossos costumes (da nossa “cultura”, no sentido puramente antropológico do termo) em doses maiores do que as encontráveis, talvez, em qualquer outro país do mundo. Sei também que o controle formal ou informal das notícias de modo a favorecer as autoridades federais — o vício de alternar a censura com a autocensura — é quase uma cláusula pétrea da nossa organização mental, pelo menos desde os tempos do DIP. Sei ainda que, no Brasil, ser polido, inócuo, anestésico, tranqüilizante, é a suprema virtude do cidadão, mesmo nos momentos em que o exercício dela ameace expor a nação inteira, por indolência, comodismo e medo da verdade, a perigos graves e inúteis.

Mas, afinal, senhor ministro, hábitos são apenas hábitos, não deveres. V. Excia. mostrou que não é indiferente ao dever e que tem energia bastante para romper com o hábito. No seu lugar, eu não temeria fazer o resto do serviço. Afinal, o único risco que V. Excia. correrá com isso será o de sair do ministério para entrar na História. Duvido muito que, para um homem da sua estatura, seja uma perda substantiva.

 

1 Curtida

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano