Casos pessoais

Olavo de Carvalho


 Jornal da Tarde, 30 de janeiro de 2003

Um sintoma da baixeza moral da sociedade moderna é a autoridade quase sacerdotal que nela desfrutam certos tipos aos quais todas as demais culturas, sem exceção, reservavam o último lugar na escala da respeitabilidade pública.

Refiro-me, em especial, à turma do show business: atores, atrizes, roqueiros, locutores, sambistas, modelos.

Para um partido político, o apoio dessas criaturas é uma garantia de aprovação popular, uma fiança dada em nome da inteligência e da cultura aos chavões da retórica partidária.

Desde o advento da democracia, cada partido tem abusado desse recurso fácil, movido pela obsessão da vitória imediata e sem ter na mais mínima conta as conseqüências devastadoras que a coisa pode ter para a cultura, a moralidade e o próprio regime democrático.

Mas nenhum outro se esmerou nisso como o Partido Comunista e os filhotes que espalhou pelo mundo sob denominações variadas.

Desde os tempos de Stalin, um investimento monstruoso em dinheiro e recursos humanos fez do comunismo o senhor quase absoluto dos meios de manipular a opinião pública através da indústria de espetáculos (V. Kenneth Lloyd Billingsley, “Hollywood Party”, Prima Publishing, 1998).

Os astros e estrelas, mais que depressa, acorreram em massa a colaborar no embuste, que dava um verniz de nobreza moral às suas paixões mais vaidosas e aos seus caprichos mais fúteis. A facilidade com que se enganaram a si mesmos para poder enganar os outros evidencia a sua profunda inconsistência humana.

Os atores, por exemplo.

Embora um ator possa ser algo mais que ator, possa ser um artista em sentido pleno e até um pensador como o foram Stanislavski, Jouvet ou o nosso Eugênio Kusnet, em geral o estofo intelectual do ator fica muito abaixo disso e as únicas habilidades requeridas para o bem sucedido exercício da sua profissão residem no talento mimético e na expressividade física, dons pueris que raiam a animalidade.

Dificilmente a opinião de um indivíduo desses terá algum valor especial. Por que ouvi-lo, então, sobre as questões mais altas e difíceis, sobre o destino da humanidade, a guerra e a paz, a religião e a moral?

Não faz o menor sentido, mas tornou-se um hábito tão geral e disseminado que já ninguém contesta a autoridade insigne dos pop stars.

Os efeitos disso na cabeça deles próprios são portentosos: cada um acaba se achando mesmo um sábio, um guia iluminado das multidões, e, arrastado nessa vaidade louca, perde até o mínimo de consciência que deveria servir para o guiamento de sua conduta pessoal.

Um exemplo acaba de nos ser dado por Danny Glover, que, no Fórum Social Mundial, reagiu com a brutalidade de um autêntico zelote do comunismo ao pedido de ajuda para uma causa humanitária que lhe pareceu não convir ao seu credo político.

Há tempos o físico cubano Juan Lopez Linares, residente no Brasil, tenta um reencontro com seu filho Juan Paolo, de quatro anos, retido na ilha pelo cristianíssimo governo de Fidel Castro. Desesperado, foi ao Fórum Social Mundial, onde se encontravam tantos amigos do ditador cubano, no intuito de tentar sensibilizá-los para o seu drama. Quando três membros do Instituto Liberal de Porto Alegre, entidade que dava apoio à viagem de Lopez Linares, viram o astro de “Máquina Mortífera”, imaginaram que não se furtaria a colaborar num esforço cujo êxito só poderia concorrer para a boa imagem dele e do próprio regime fidelista. Glover, um brutamontes de 1m95, partiu para cima dos postulantes, com ganas de agredi-los, sendo impedido pelos seguranças e passando a exibir, aos berros, toda a ruindade dos seus sentimentos. O pai que desejava rever o filho era, no seu entender, “um egoísta”, por querer “tratar de um caso pessoal em vez de enaltecer as qualidades positivas do regime”. Claro: numa ditadura em que as crianças são ensinadas a abjurar dos pais para amar o governante, por que não deveria também um pai abandonar o filho por devoção ao regime? Essa é a moral de Danny Glover. São muitos os que em Hollywood pensam como ele. Por isso não é de estranhar que, enquanto ele faz sermões fidelistas em Porto Alegre, seu companheiro de sucesso, Mel Gibson, sofra toda sorte de discriminações e vexames, segundo denunciou na Fox News, por seu projeto de filmar os Evangelhos de maneira fiel à mensagem cristã. Glover, é claro, não está nem aí. Afinal, o problema de Gibson, como o de Lopez Linares, é apenas um “caso pessoal”.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano