Cadeia para a inocência

Olavo de Carvalho


Jornal do Brasil, 31 de agosto de 2006

Mike Whitney, um popular escritor de esquerda, está defendendo a tese de que o seqüestro dos repórteres Steve Centanni e Olaf Wiig por terroristas palestinos foi um ato justo e inteiramente legal. Seu argumento é o seguinte:

Premissa maior: Centanni e Wiig trabalham na Fox News.

Premissa menor: A Fox News é “parte integrante da máquina de guerra norte-americana”.

Conclusão: Logo, Centanni e Wiig não podem ser considerados não-combatentes.

Mas, por mais que os esquerdistas odeiem a Fox News, ela não é sequer um canal conservador. Apenas dá aos conservadores cinqüenta por cento do espaço nos debates, opondo Bill O’Reilly e Michael Moore, ou Sean Hannity e Jim Colmes. Como isso é noventa e nove por cento a mais do que a opinião politicamente incorreta tem no restante da mídia chique e cem por cento a mais do que o elevado espírito democrático da esquerda pode tolerar, a Fox foi rotulada de “extrema direita”, e agora, forçando o hiperbolismo até à demência, de organização militar a serviço do imperialismo judaico-americano.

 Assim, embora Centanni e Wiig tenham se limitado a fazer a cobertura da guerra sem xingar nem árabes nem judeus, eles entram na história como membros das tropas invasoras, podendo ser seqüestrados ou mortos sem ofensa ao direito internacional.

Houve quem reclamasse da estupidez psicótica do argumento de Whitney, mas até agora ninguém deu sinal de ter percebido o óbvio: ao distorcer monstruosamente os fatos para conceder aos terroristas o direito de matar americanos inocentes, ele forneceu baldes de conforto e auxílio ao inimigo e cometeu portanto crime de traição. O lugar dele é na cadeia.

Lá também deveriam estar, pela mesma razão, todos aqueles que, como o o ex-procurador Ramsay Clark, acusam o governo americano de “crimes de guerra” no Iraque. Segundo averiguação do Washington Post, tão suspeito de bushismo quanto eu de lulismo, o número de soldados americanos judicialmente acusados de matar civis de propósito desde o início da guerra é de exatamente 39. Milhares de olhos ferozes ciscando criminosos de guerra para jogar na cara do presidente, e a colheita é de trinta e nove em três anos de combates — a quota mais baixa já registrada em qualquer conflito militar. Se houve no mundo um governo inocente de crimes de guerra, é o governo Bush. Os que o acusam disso fazem guerra psicológica a serviço do inimigo: são uma Quinta-Coluna e, sem nenhuma figura de linguagem, parte integrante da máquina de guerra assimétrica do Hezbollah e da Al-Qaeda. Mas eles são tantos, que todas as cadeias dos EUA não bastariam para abrigá-los. Quando a impunidade geral é a solução mais cômoda, o crime se converte em lei e exige cadeia para a inocência. Rendendo-se a isso, os inocentes se tornam por sua vez culpados de entregar o país, sem luta, aos inimigos que planejam destrui-lo. Se, avessos a enxergar a deslealdade cínica de seus adversários, os conservadores continuarem tratando como debate normal de opiniões o que é de fato uma guerra civil unilateral, os EUA se tornarão uma nação de culpados – uma nação condenada.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano