Cabeça de esquerdista

Olavo de Carvalho


Diário do Comércio, 10 de abril de 2006

Em artigo do Monde reproduzido na Folha de S. Paulo do dia 2, os críticos Michel Guerrin e Jacques Mandelbaum apontam algumas fraudes montadas pelo diretor austríaco Hubert Sauper no documentário “Os Infernos de Darwin” para impressionar a platéia com os malefícios imaginários da globalização capitalista, mas acabam louvando o filme sob a alegação de que a tese ali defendida por meios desonestos é certa e adequada. Reconhecem que, se a propaganda ideológica não se apresenta honestamente como tal, “aquilo que se pretende um projeto alegórico pode ser apreendido pelo público como um acúmulo de fatos irrefutáveis”; admitem até que “com o filme de Sauper, não estamos distantes do princípio segundo o qual o fim justifica os meios”, mas no fim desculpam o diretor na base de que “é preciso avaliar o filme pelo olhar da subjetividade do cineasta” e alegam em favor dele o lema de outro vigarista cinematográfico, Johan van der Keuken, segundo o qual “pouco importa a trapaça — a base precisa ser justa”.

A iniciativa de Sauper não é nova. Reflete a tradição essencial do documentarismo esquerdista, que começou a mentir com o “cinema-verdade” de Dziga Vertov, prosseguiu com Jean Rouch e recentemente chegou à apoteose da mendacidade com Michael Moore. A atividade da moderna elite artística do Ocidente, nesse sentido, pouco se diferenciou da indústria de fraudes da KGB. Ao contrário, com freqüência não consistiu senão na comercialização elegante dos produtos dela.

A justificativa apresentada também não é nova. “Mentir em prol da verdade”, dizia Brecht, é o dever fundamental do militante comunista. Com igual boa consciência os funcionários da KGB apagavam a cada ano os trechos inconvenientes da memória coletiva depositados nas enciclopédias e dicionários, remoldando o passado à luz do futuro desejado.

Mas, cá entre nós, se alguém tem uma tese geral e abstrata sobre a realidade – o tal “fundo justo” – e se para argumentar em favor dela reúne imagens singulares e concretas num filme, essas imagens estão para a tese exatamente como a prova está para a teoria. A prova artística não precisa ser completa, exata, rigorosa, mas, que é um tipo de prova, é. Se o filme não pretendesse provar nada, nem mesmo implicitamente, não seria obra de tese, não seria a favor nem contra coisa nenhuma, não poderia portanto ter o sentido de um argumento político, que é justamente o que esses documentários pretendem ser. Ora, num cérebro normal humano, a prova reforça a veracidade da tese, a veracidade da tese sustenta-se na prova. Na lógica dos srs. Michel Guerrin e Jacques Mandelbaum, como também na de Dziga Vertov, Rouch, Michael Moore e Sauper, o que sucede é o contrário: a prova, mesmo mentirosa, deve ser aceita como boa porque a tese é dada por verdadeira. A tese não é provada pela prova, mas a prova é que é provada pela tese que, ao mesmo tempo, ela simula demonstrar.

Imagine um rapaz tentando entrar numa balada, às três da manhã, e mostrando como prova de maioridade um documento obviamente falsificado.

— Este documento não serve, diz o porteiro.

— Serve. Como sou maior de idade, isso prova que o documento prova isso.

Esse raciocínio imita aqueles desenhos de Escher, em que uma mão, parecendo emergir do papel, se desenha a si mesma. Mas esse truque requer um desenhista de carne e osso que, desde fora do papel, crie a ilusão. O que a vigarice intelectual esquerdista dos Moores e tutti quanti pretende nos impingir é que a mão, se está desenhada, realmente se criou a si própria.

Quando o psiquiatra Joseph Gabel disse que as ideologias de massa têm uma estrutura lógica idêntica à dos delírios psicóticos, era a esse tipo de raciocínios que se referia. A que respeitabilidade intelectual pode aspirar o charlatão que os produz ou, pior ainda, o semilouco que se deixa levar por eles, arrebatado para o sétimo céu da estupidez no instante mesmo em que acredita estar sendo muito esperto e profundo?

Toda a militância esquerdista, sem exceção, compõe-se de quatro tipos de pessoas: vigaristas, otários, vigaristas que estão se tornando otários sem largar da vigarice e otários que estão se transmutando em vigaristas sem deixar de ser otários. Os dois extremos são raros, são na verdade puros tipos ideais weberianos que não existem na realidade: a população esquerdista efetiva compõe-se de vigaristas otários e otários vigaristas, num perpétuo intercâmbio de posições. O sr. Palocci, que não era muito otário, entrou em transição quando começou a freqüentar a casa da sra. Jeanne Mary Corner. O sr. Lula, que não era muito vigarista, progrediu depressa.

Tanto faz, sob esse aspecto, o nível cultural do cidadão. Safadeza e idiotice em doses iguais às de um Lula ou de um Palocci observam-se nos mais sofisticados intelectuais esquerdistas, como os srs. Michel Guerrin e Jacques Mandelbaum. Quando Roberto Campos dizia não haver esquerdista que fosse ao mesmo tempo inteligente e honesto, ele ainda tinha a esperança de que alguns conseguissem ter uma dessas duas qualidades separadamente. Mas malícia não é inteligência, e sonsice não é honestidade. Cabeça de esquerdista é isso: ser esperto na fraude e cretino na ilusão de probidade.

Os srs. Guerrin e Mandelbaum não têm, é claro, a menor noção de que seu conceito de honestidade artística é apenas um sintoma psicótico. Estão de tal modo imbuídos do sentimento de ser pensadores sublimes, que não enxergam a estupidez maciça do que dizem. O público de pseudo-intelectuais pedantes que se deleita com as seções inculturais da Folha embarca na canoa deles, sentindo-se inteligentíssimo. Estão vendo como a inteligência, quanto mais definha, menos o cidadão se dá conta da sua falta?

O fato de que o artigo dessa dupla de idiotas saia no Monde e na Folha é aliás muito natural, já que a noção de veracidade que eles enunciam é a expressão literal do conceito de jornalismo que ali se pratica.

Meios e fins

Uma ideologia revolucionária não é uma teoria sobre a realidade, muito menos um plano de ação. É um enredo ficcional, uma história imaginária da qual o adepto, militante ou crente tenta acreditar que está participando, e cuja unidade aparente dá um simulacro de coerência e de sentido à sua vida dispersa e fragmentária.

Toda ideologia revolucionária identifica o bem com o futuro, com um vago estado de plenitude a ser atingido em data incerta por meios não muito bem esclarecidos. A indefinição nebulosa da imagem visada não perturba em nada a consciência do crente. Ao contrário, é essencial à eficácia persuasiva do discurso ideológico. Se o futuro que se busca fosse objeto de definição racional e descrição meticulosa, se tornaria imediatamente alvo de discussão, perdendo o prestígio do mistério, fonte da sua autoridade sacral.

O objetivo permanece indefinido não somente quanto à sua consistência, mas também, é claro, quanto à sua data. Mas não se trata apenas da natural incerteza do futuro. É antes uma incerteza dupla e retroativa. Quando, por exemplo, se instaura um regime socialista na Rússia ou em Cuba, toda a militância universal proclama o advento vitorioso do socialismo. Mas, como esses regimes só podem subsistir na base da violência e do crime e isso pega muito mal, é preciso proclamar também que esse vexame só acontece porque ainda não se trata de verdadeiros regimes socialistas. Deste modo, a chegada do socialismo não somente é incerta no futuro, como também no passado. Não sabemos quando ele chegará, mas, quando chega, também não podemos saber se chegou.

Por essas razões é que, quando o sr. Luís Inácio confessa a seus companheiros do Foro de São Paulo: “Não sabemos como é o socialismo que buscamos”, ninguém dentre eles o chama de irresponsável por convocá-los a uma viagem com destino ignorado. O indefinido não pode ser contestado, e atrai ainda sobre o portador da mensagem uma aura encantadora de modéstia e realismo. O guia é confiável precisamente porque não sabe para onde leva a caravana e porque nem mesmo pretende ter a menor idéia a respeito.

A indefinição dos fins não espalha entre os fiéis nenhuma insegurança porque lhe corresponde, em oposição dialética, a organização estrita dos meios e a disciplina rígida do corpo de agentes. Quanto menos a militância sabe para onde vai, mais se apega à certeza presente das tarefas e da solidariedade grupal. Todos se dedicam com maior intensidade quanto menos sabem a que raio de coisa estão afinal se dedicando.       Tão frágil é o equilíbrio entre esses extremos, que qualquer intromissão da realidade externa, qualquer adversidade, por mais passageira e fátua que seja, desperta imediatamente o pânico, o horror, a revolta paroxística contra a abolição do sentido do enredo. Nenhuma exclamação, nenhuma hipérbole, nenhuma fantasia paranóica, nenhuma calúnua aberrante deve então ser poupada no esforço de exorcizar o perigo. A segurança psicológica da comunidade é tudo. Em sua defesa, qualquer coisa que se diga contra o atacante é válida. Como a raiz da segurança consiste em continuar acreditando no enredo, a mentira empregada para restaurá-la vale como símbolo da “verdade”. É por isso que o esquerdista “mente em prol da verdade”: quanto mais cabeluda a mentira, maior a prova de fidelidade na defesa do enredo. Daí o sentimento de personificar a verdade em pleno paroxismo da mentira.

Contra a universidade

Obviamente um dos fatores que mais contribuem para idiotizar as pessoas a esse ponto é a formação universitária que recebem. No Brasil, isso chega a uma perfeição raramente igualada. Com trinta anos de experiência na direção de grupos de estudo de filosofia, com incursões ocasionais em instituições universitárias onde meus alunos não encontraram a educação que desejavam e de onde por isso mesmo saíram e vieram parar nos meus cursos, posso lhes assegurar que a universidade brasileira na sua quase totalidade é hoje uma entidade inútil e lesiva ao interesse público, dedicada à pseudocultura, à propaganda política e à exploração da boa fé popular. A diferença entre escola privada e pública, desse ponto de vista, é irrisória. Consiste apenas em que a primeira é paga em mensalidades por aqueles que a freqüentam, a segunda em impostos pela multidão dos trabalhadores que não podem freqüentá-la. Nenhuma delas presta serviço digno de ser pago, mas uma explora a sua própria clientela, a outra o restante da população. Se algumas pessoas ainda acreditam que esta última hipótese é a menos indecente das duas, isso só se explica pelo coeficiente de estupidez que adquiriram no curso da sua própria formação universitária.

A honrosa folha de realizações de umas poucas escolas técnicas e científicas, especialmente militares, nada prova contra o que estou dizendo. Exatamente ao inverso: a desproporção entre essas ilhotas de sinceridade e o mar de fingimento que as cerca é tanta, que o sucesso da parte só torna ainda mais deprimente o fracasso do todo.   

Alguns de meus alunos, reconhecendo esse estado de coisas, não ousam porém admitir que tudo está perdido. Acreditam que vale a pena submeter-se ao massacre das suas inteligências durante alguns anos em troca de um emprego universitário que lhes permitirá, mais tarde, atuar dentro do próprio ventre do monstro e tentar reconduzi-lo a um comportamento decente. Assim, depois de alguns anos nos meus cursos, onde aprendem o que ninguém lhes ensinou nas instituições universitárias, voltam a alguma faculdade na esperança de que a educação que adquiriram comigo lhes dará forças para sair ilesos da freqüentação diuturna desses templos da estupidez, ao ponto de um dia poderem lutar aí dentro por um ensino autêntico e um Brasil melhor. Estão iludidos. Nem eu mesmo sobreviveria a essa experiência. Entrar numa dessas instituições com o intuito de transformá-la numa universidade genuína é o mesmo que entrar numa jaula de leões na esperança de convertê-los ao vegetarianismo.

A universidade brasileira não pode ser melhorada. Ela deve ser abandonada, desprezada, esquecida. A quase totalidade da produção intelectual mais alta neste país já vem de fora dessa instuituição presunçosa, dispendiosa e inútil. Em filosofia isso é ainda mais visível do que em outros ramos da atividade intelectual. Mário Ferreira dos Santos, Vicente Ferreira da Silva, Vilém Flusser e o próprio Miguel Reale, malgrado seu cargo na Faculdade de Direito, jamais foram aceitos pelo establishment acadêmico que, ao mesmo tempo, admitia sua impotência de criar um só filósofo que fosse. Mas nos estudos literários é a mesma coisa. A crítica literária brasileira definhou, secou e morreu sem deixar herdeiros a partir do instante em que a presunção universitária houve por bem apropriar-se dela, gabando-se de substituir o império da ciência ao reino do “amadorismo”.

Nas ciências sociais, a marginalização de talentos fulgurantes como Gilberto Freyre, Oliveira Vianna e Guerreiro Ramos já basta para mostrar que a universidade brasileira já fez há tempos a opção preferencial pelos medíocres e lesados, que por força da sua própria inépcia cedem mais facilmente à chantagem dos superiores e à gritaria da massa militante.

Está na hora de fazer com que a independência da vida do espírito em relação ao estamento burocrático universitário, já longamente praticada entre nós, seja assumida publicamente, ostentada como um orgulho e legitimada como um direito fundamental, do qual depende a própria sobrevivência da cultura brasileira.

Apelo humanitário

Três jornalistas brasileiros que vivem em Londres, Chico Nader, Morgana White e Alberto Salvador, do site do CMI, Centro de Mídia Independente (o mesmo que divulgava convocações ao meu assassinato), informam a um estupefato mundo que uma conspiração foi urdida entre os serviços secretos americanos, a polícia inglesa, eu, o Reinaldo Azevedo, o Diogo Mainardi, o Ricardo Noblat, o Cláudio Humberto, a Lilian Witte Fibe, o Merval Pereira e mais uns quantos, para derrubar o governo Lula e, de quebra, infernizar a vida desses seus gentis servidores londrinos. Já violamos a correspondência deles, grampeamos seus computadores, invadimos seu escritório e até, com a ajuda do MI-5 e do Mossad, matamos um dos infelizes.

Entre outras informações preciosas postas em circulação pelos três anjinhos, descubro que a vítima fatal da nossa trama foi o eletricista Jean Charles de Menezes, aquele que a polícia baleou por engano no metrô de Londres. Na verdade ele era um agente lulista disfarçado, e foi morto não por acidente, mas sim por ordem do sr. Donald Rumsfeld, aquele sacana. Novos homicídios aguardam-se a qualquer momento, em edição extraordinária.

Enfim, um rolo dos demônios. E vocês ficam aí, de braços cruzados, sem mover uma palha em defesa dos coitadinhos. Quanta frieza! Quanta indiferença! Quanta maldade! Se vocês continuarem assim, não vão ganhar sorvete de sobremesa.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano