Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

Quem atacou o Opus Dei? - 1

Olavo de Carvalho
2 de março de 2009

Meus comentários sobre o Opus Dei, no programa True Outspeak, foram respondidos como costumam sê-lo, no Brasil, os meus comentários sobre qualquer outra entidade, grupo ou instituição: com um intenso sentimento de autodefesa corporativa, afetações hiperbólicas de indignação moral, acusações escabrosas à minha pessoa e nenhuma atenção ao conteúdo das minhas palavras.

Eu já deveria ter-me acostumado com essas coisas, mas às vezes insisto em ignorá-las e em continuar imaginando que um escritor, um colunista de jornal, um comentarista de rádio ou qualquer outro formador de opinião tem o direito de ser respondido segundo aquilo que disse, não ao sabor das vagas associações de idéias que ocorram à platéia, nem muito menos das reações emocionais em cadeia que daí derivem, as quais só podem levar a discussão para longe do assunto originário e transformá-la, como quase invariavelmente ocorre, em campanha de difamação mesquinha adornada de afetações teatrais de bom-mocismo.

Puro jogo diversionista, por exemplo, é defender a dignidade e santidade da Obra de Dom Josemaria Escrivá de Balaguer contra quem jamais disse uma palavra contra ela nem teria motivos para fazê-lo. O Opus Dei é uma organização mundial: se eu quisesse atacá-la deveria falar dela em escala genérica e universal, em vez de concentrar minhas críticas, como o fiz, na conduta política – ou mais propriamente apolítica – de seus membros num país em particular, o Brasil. Nada do que eu disse sobre omissão e covardia poderia aplicar-se, digamos, ao Opus Dei americano, que é um dos fronts mais ativos da guerra cultural em defesa do cristianismo, muito menos ao tronco originário espanhol da mesma entidade, de cuja intensa e frutífera atividade política presta contas o eminente historiador Ricardo de la Cierva no livro indispensável Las Puertas del Infierno. La Historia de la Iglesia Jamás Contada (Barcelona, Fénix, 1995, pp. 567-587).

Se, portanto, limito-me a cobrar dos membros brasileiros dessa entidade uma conduta à altura da de seus colegas de outras nações, que sentido faz defender contra mim a entidade em si, que longe de ser atacada nos meus comentários está ali servindo de padrão de medida para a aferição do comportamento de um de seus ramos em particular?

É psicologicamente compreensível, mas moralmente inaceitável, que o servidor relapso, denunciado, tente se proteger ocultando-se por trás da honra e dignidade do chefe, fingindo que foi este e não ele o acusado, de modo a jogar contra o denunciante alguém mais forte e assim esquivar-se, seja de prestar contas de sua má conduta, seja, mais ainda, de corrigi-la.

Todas as apologias da Obra que estão circulando em resposta às minhas críticas devem, portanto, ser desde logo descartadas como meros subterfúgios covardes, totalmente alheios ao assunto em discussão.

O que eu disse, em substância, foi que, no Brasil, os membros do Opus Dei, entre os quais muitos políticos, empresários, magistrados, gente, em suma, de algum poder, se omitem de juntar suas forças àqueles combatentes, isolados e desprovidos de recursos, que hoje enfrentam em luta monstruosamente desigual as forças bilionárias do establishment esquerdista e sofrem por isso toda sorte de boicotes e difamações, marginalização profissional e ameaças de morte. Isso é um simples fato empiricamente comprovável. Não podendo negá-lo, não tendo um currículo de serviços prestados à causa da liberdade para tapar minha boca com ele, os acusados apelam então à desconversa e às gesticulações histriônicas de dignidade ofendida, que só podem servir de provas suplementares em favor das minhas declarações.

Dentre as inúmeras mensagens que recebi a respeito, uma, uma só tentou levantar contra meus argumentos um fato, um único fato isolado, que parecia contraditá-los.

“Josemaria Escrivá – escreve o missivista, aliás bastante gentil, em contraste com os demais – diz que se há algo absurdo para nosso espírito seria admitir que alguem deixe de ser católico ao entrar na Assembléia. Não é correto. A nós nos é muito cara a idéia de ser santo no cotidiano, como o exemplo de De Gaulle, que o senhor citou. Registro, professor, que um dos que revelaram o Foro de São Paulo foi o Dr. Graça Wagner, que por sua vez foi barbaramente perseguido. Ele era particularmente grato e amigo da Obra.”

Essa alegação é verdadeira, mas o primeiro a apresentá-la fui eu mesmo, no número de junho de 2006 da revista Digesto Econômico, edição especial sobre o Foro de São Paulo (v. http://www.dcomercio.com.br/especiais/outros/digesto/digesto_06/06.htm):

“O pioneiro inconteste na investigação do fenômeno ‘Foro de São Paulo’ foi o advogado paulista José Carlos Graça Wagner, homem de inteligência privilegiada, que muito me honrou com a sua amizade. Ele já falava do assunto, com aguda compreensão da sua importância histórica e estratégica, por volta de 1995, quando o conheci. Em 1999, a documentação que ele vinha coletando sobre a origem e as ações da entidade lotava um cômodo inteiro da sua casa, e uma prova da criteriosidade intelectual do pesquisador foi que só a partir de então ele se sentiu em condições de começar a escrever um livro a respeito. Na ocasião, ele me chamou para ajudá-lo no empreendimento, mas eu estava de partida para a Romênia e, com muita tristeza, declinei do convite. Maior ainda foi a tristeza que experimentei anos depois, quando, ao retomar o contato com o Dr. Wagner, soube que o projeto tinha sido interrompido por uma onda súbita e irrefreável de revezes financeiros e batalhas judiciais, que terminaram por arruinar a saúde do meu amigo e de sua esposa, ambos já idosos. Não sai da minha cabeça a suspeita de que a perigosa investigação em que ele se metera teve algo a ver com a repentina liquidação de uma carreira profissional até então marcada pelo sucesso e pela prosperidade.”

Longe de contradizer ou atenuar as minhas críticas, o total descaso dos membros do Opus Dei brasileiro pelas pesquisas iniciadas por esse grande batalhador é a prova mais contundente daquilo que eu disse. Se reunida e publicada, a documentação coligida pelo Dr. Graça Wagner teria bastado para bloquear a ascensão triunfante do esquerdismo no Brasil. Se os membros do Opus Dei no Brasil tivessem um pingo de senso do dever, jamais teriam deixado que esse material explosivo continuasse abandonado, por anos a fio, em caixotes empoeirados, enquanto os próceres do esquerdismo, protegidos da revelação de seus vínculos com o terrorismo e o narcotráfico, iam brilhando em público como exemplos de moralidade impoluta.

Fiz tudo o que estava ao meu alcance para divulgar em jornais e revistas alguns dos fatos descobertos pelo Dr. Graça Wagner, só deixando de citá-lo desde o início a pedido dele mesmo, mas passando a fazê-lo tão logo a morte desse meu querido amigo me livrou do compromisso de silêncio. O que não consegui foi que alguma entidade ou pessoa de recursos se responsabilizasse pela guarda e aproveitamento daquele material, constituindo uma equipe de pesquisadores para que o arquivasse, classificasse e publicasse.

É a esse fato que o sr. Alex Catharino de Souza, um tipinho ridículo ao qual darei mais adiante o tratamento que merece, alude com malícia pueril ao dizer que “a tentativa de aproximação do Sr. Olavo de Carvalho com alguns membros do Opus Dei tinha como principal objetivo, não a sua conversão ao catolicismo, mas, principalmente, o interesse de obter recursos financeiros”. Não vejo por que eu deveria precisar de auxílio do Opus Dei para me converter a uma Igreja que já era a minha. Mas sem dinheiro, decerto, era impossível dar prosseguimento ao trabalho iniciado pelo Dr. Graça Wagner. Tudo o que eu podia fazer com os meios de que dispunha foi exatamente o que fiz: estudar aquela massa de papéis e divulgar alguns dos fatos essenciais que eles documentavam. Fiz isso não só nos meus artigos de imprensa, mas também publicando, no jornal eletrônico Mídia Sem Máscara, as atas quase completas das assembléias e grupos de trabalho do Foro de São Paulo. O que fui pedir às criaturas aludidas pelo sr. Catharino não foi dinheiro: foi que honrassem a memória do pioneiro investigador, impedindo que seu trabalho, essencial para o futuro político de um continente inteiro, fosse abandonado e esquecido. Descontada a parcela que fiz sozinho – muito mais do que fizeram todos os membros do Opus Dei somados –, os únicos resultados que obtive em quase uma década de esforços persuasórios foram a edição especial do Digesto já mencionada – iniciativa pessoal de Guilherme Afif Domingos – e a publicação, pela É-Realizações, da coletânea de artigos Conspiração de Portas Abertas. Como o Movimento Revolucionário Comunista Ressurgiu na América Latina Através do Foro de São Paulo (2008), onde o artigo do Digesto foi aproveitado como prefácio, com a ressalva de que o organizador, Paulo Diniz Zamboni, sem autorização minha, cortou do texto justamente as linhas acima citadas, privando da indispensável homenagem a memória do Dr. Graça Wagner.

Também não posso dizer que o dr. Wagner foi a única exceção no quadro da omissão geral do Opus Dei. Quando o Mídia sem Máscara estava ainda engatinhando, foi outro membro daquela entidade, que conto entre meus melhores amigos e cujo nome não cito porque ele não me autorizou a isso, quem veio em nosso socorro durante algum tempo, oferecendo uma sala de seu escritório para sede da redação e ainda fazendo alguma contribuição em dinheiro, modesta porém salvadora naquele momento, da qual não embolsei um único tostão, deixando-a para os editores executivos, sem jamais pedir sequer que me prestassem contas, como aliás também fiz com as demais ajudas recebidas pelo jornal, seja do IRI, Independent Republican Institute, seja da É-Realizações, seja de outras fontes das quais não fui nem mesmo informado, ajudas sempre modestas e muito abaixo das necessidades da publicação. Toda a minha relação financeira com o Mídia Sem Máscara consistiu em alimentá-lo com dinheiro do meu próprio bolso, enquanto necessário, e em nada receber, mais tarde, que proviesse do bolso alheio.

Ainda com relação a esse tópico, uma só vez, em 20 de junho de 2006 – uma única vez e nada mais – coloquei no meu website um pedido de ajuda, acompanhado de links para contribuições pelo Paypal, exatamente como aqueles que se encontram em praticamente todos os sites ativistas do mundo, e depois nunca mais voltei a tocar no assunto. Mesmo no programa True Outspeak, ao longo de suas mais de cem emissões semanais, jamais pedi um tostão a quem quer que fosse. E mesmo quando abri o Seminário de Filosofia online, ali depositando os frutos de mais de trinta anos de trabalhos e estudos, só o que solicitei aos usuários foi a taxa mais que modesta de vinte dólares por mês, para cobrir despesas e pagar meus auxiliares. Pois bem, aquele apelo de 2006, excepcional e isolado, além de plenamente justificado pelas circunstâncias que ele mesmo descreve, bastou para que o sr. Catharino – por ironia, um fund raiser profissional – me acusasse de fazer “constantes campanhas para arrecadar fundos em benefício próprio (achando que, pelo simples fato dele existir, deve ser pago por todos)” e depois ainda alardear que “sem a oração perdemos a noção da caridade e não somos capazes de combater as falsas idéias, mas, apenas, atacar pessoas”. Só posso concluir que, no entender do sr. Catharino, o voracíssimo Olavo de Carvalho é uma idéia, não uma pessoa.

Mas deixarei essas catharinices para a sobremesa. Elas são saborosas demais para que as desperdicemos por aqui. Por enquanto, lembro aos interessados que, nas eleições de 2006, o candidato presidencial Geraldo Alckmin poderia ter liquidado as pretensões de seu adversário se consentisse em mostrar as atas do Foro de São Paulo, incluindo discursos pronunciados em círculos discretos pelo próprio Lula, que comprovavam acima de qualquer possibilidade de dúvida seu papel de liderança no movimento comunista continental e sua longa parceria política com organizações de terroristas, seqüestradores e narcotraficantes. Ele teria mesmo a obrigação de fazer isso, pois não é lícito a ninguém, muito menos a um católico praticante, acobertar os feitos de um criminoso para fazê-lo posar diante do público como um candidato normal e honrado, só separado de seu adversário por algo tão inofensivo como uma polida “divergência de idéias”. Dizem que o sr. Chuchu não é pessoalmente um membro da Obra, mas o fato é que vivia cercado deles em rodas de oração e encontros sociais. Algum cumpriu sua obrigação de levar a ele os documentos colhidos pelo Dr. Graça Wagner? Algum deles cobrou do candidato o dever estrito de revelar aos eleitores a verdadeira identidade do seu concorrente, para que decidissem seu voto com consciência de causa em vez de imaginar que faziam uma escolha entre meras correntes de opinião moralmente equivalentes?

[Continua]

Olavo de Carvalho

2 de março de 2009