Agredido a chupetadas

Olavo de Carvalho

Jornal da Tarde, 29 de agosto de 2002

Nas épocas revolucionárias – e seria ingenuidade negar que o Brasil vive uma delas – há um sintoma que se repete invariavelmente, com a constância das erupções cutâneas no início de uma sífilis: de repente surgem do nada pessoas que começam a opinar com paixão sobre assuntos que até à véspera não lhes interessavam no mais mínimo que fosse, dos quais mal ouviram falar e dos quais continuam ignorando praticamente tudo.

O fato é assinalado por muitos analistas célebres do fenômeno revolucionário.

Não é necessário sondar-lhe as causas. A quebra da confiança entre grupos e classes destrói na opinião pública o senso das proporções, o senso da realidade e, automaticamente, o senso da prudência no opinar. A propagação da loucura é espontânea e de escala geométrica. Na incerteza geral, uma palavra de ordem, um zunzum, uma exclamação ouvida num bar tornam-se de repente uma tábua de salvação. Cada um se agarra à novidade, pronto a exibi-la como emblema de segurança pessoal no meio do caos coletivo. Daí a epidemia de palpites idiotas, emitidos num tom de certeza absoluta e intolerante. “El sueño de la razón produce monstruos.”

Na última semana, três desses “monstruos”, nadando pelo mar das demências nacionais, vieram dar na minha caixa postal. O primeiro era um artigo assinado pelo cartunista Jaguar, publicado no jornal carioca O Dia, que assegurava não existirem mais comunistas no mundo – muito menos no Brasil – e, baseado nessa verdade infalível, diagnosticava o meu péssimo estado de saúde mental. Jaguar era considerado por seu amigo Paulo Francis um “gênio idiota” (sic), incapaz de captar o sentido ideológico até de seus desenhos.

Não espantava portanto que ignorasse a existência do Foro de São Paulo, dos agentes das Farc que operam no território nacional, dos campos de treinamento de guerrilheiros do MST, etc. Espantaria, apenas, que um jornal o julgasse habilitado a opinar a respeito. Espantaria, se não estivéssemos na época em que estamos.

O segundo vinha da seção de cartas do Zero Hora. Numa longa frase cujo predicado ia se afastando cada vez mais do sujeito até esquecê-lo por completo e acabar falando de outra coisa, o missivista acusava-me de escrever muito mal. Em seguida, ralhava comigo por criticar filósofos mortos, que não podiam se defender – uma objeção que, adotada como regra universal, teria bloqueado todas as discussões entre filósofos desde a morte do primeiro deles, no século VI a. C.

Por fim, um jovem universitário mineiro, em circular distribuída na Internet, passava-me um sabão em regra, chamando-me ignorante, burro e semi-analfabeto, por haver eu emitido determinado parecer sobre a guerra civil americana, o qual o dito jovem prometia reduzir a pó, linhas adiante, baseado em fontes históricas do mais alto gabarito.

Como a opinião que eu havia publicado era fundada nas pesquisas acadêmicas mais recentes e meticulosas, fiquei espantado. Teria algum detalhe essencial escapado à minha atenção? Teria eu cometido alguma gafe histórica formidável, expondo-me à reprimenda magisterial de um Ph.D. recém-saído dos cueiros? Comecei então a ler os parágrafos seguintes, já interiormente decidido a me desdizer se fosse o caso, pois não há vergonha maior que a teimosia no erro, quando provado.

O que veio a meu encontro, porém, foi a narrativa-padrão dos acontecimentos, idêntica à dos velhos livros escolares, apenas com a diferença de se respaldar na autoridade de um historiador que eu desconhecia, um tal de Roger Bruns. Fui averiguar na Internet quem era o sr. Bruns e descobri que era um autor de livros de história para crianças, de um dos quais o missivista havia colhido a substância de seus argumentos…

Na minha longa vida de estudos, eu havia me preparado para tudo, tudo – exceto a confrontação com um adversário que entrava em campo superconfiante, seguro de poder me fulminar intelectualmente por meio de citações de Dona Benta e de “A Vaca e o Frango”. Ah, isso não! Tudo, tudo, menos isso.

Adestrei-me para enfrentar, na disputa intelectual, todo tipo de arma:

canhão, revólver, faca, até mísseis atômicos. Agredido a golpes de chupeta, tudo o que pude fazer foi ficar profundamente consternado, perguntando a mim mesmo que raio de educação esse menino teria recebido, que o induzira a presumir de suas forças a esse ponto.

Mas não foi só a educação: foi o espírito da época.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano