A carta dos militares

Olavo de Carvalho

Diário do Comércio, 10 de julho de 2006

A carta enviada pelos comandantes das três Forças Armadas aos líderes do Senado, divulgada pelo Alerta Total (http://alertatotal.blogspot.com/2006/06/chefes-militares-mandam-carta.html), é decerto um documento significativo, mas não só pela razão mais imediata apontada pelo editor do site, Jorge Serrão: “Dá a impressão de ter vindo em resposta sincronizada ao polêmico e censurado (pelas tevês) pronunciamento do senador baiano Antônio Carlos Magalhães, no último dia 6 de junho.”

O discurso veio da reação compreensivelmente indignada do senador ante a invasão da Câmara Federal pelos agitadores do MLST. O trecho aludido pelo jornalista é o seguinte: “Eu pergunto: as Forças Armadas do Brasil, onde é que estão agora? Foi uma circular do presidente Castelo Branco, em março de 64, mostrando que o presidente da República não poderia dominar o povo sem respeitar a Constituição, que deu margem ao movimento de 64. As Forças Armadas não podem ficar caladas. Esses comandantes estão aí a obedecer a quem? A um subversivo? Quero dizer, neste instante, aos comandantes militares, não ao ministro da Defesa porque ele não defende coisa nenhuma: reajam, comandantes militares, reajam enquanto é tempo, antes que o País caia na desgraça de uma ditadura sindical presidida pelo homem mais corrupto que já chegou à Presidência da República.”

É bem possível que esse apelo tenha influenciado os comandantes, induzindo-os a mostrar ao presidente da República que as Forças Armadas não estão de todo adormecidas. Mas a melhor maneira de analisar um documento histórico não é conjeturar suas motivações subjetivas. É desencavar do seu texto, por análise lógica, as premissas e conclusões implícitas que necessariamente seus autores deveriam ter em mente para poder escrever o que escreveram.

Nesse sentido, o trecho mais importante da carta é aquele segundo o qual, dos quarenta denunciados por formar a quadrilha do Mensalão, “ 36 já tinham sido autuados por nosso sistema de informações e pelo antigo DOPS, como agitadores e até envolvidos com situações de corrupção e roubos”, durante o regime militar.

É inverossímil que quem afirma isso não esteja consciente da seguinte implicação imediata do que acaba de dizer: Partindo da premissa de que 36 delinqüentes praticaram juntos, durante décadas, crimes intrinsecamente ligados a um projeto de subversão revolucionária continental, qual é a possibilidade de que continuem a praticá-los como equipe por mero desejo de enriquecimento pessoal e fora de toda ambição revolucionária? A pergunta se torna ainda mais incontornável porque: (1) em vez de desaparecer nas brumas do passado, aquele projeto sofreu um upgrade formidável com a fundação do Foro de São Paulo e a rearticulação geral que permitiu a ascensão dos grupos esquerdistas ao comando de várias nações da América Latina; (2) esses grupos são os mesmos de antes, e aqueles delinqüentes continuam ligados a eles como sempre estiveram. Qual a possibilidade, então, de que os crimes agora denunciados sejam “desvios” individuais da linha geral da esquerda, em vez da sua consecução fiel pelos mesmos meios criminosos já usados com sucesso em outras épocas? Logicamente falando, essa possibilidade é quase nula, e menor ainda a probabilidade de que os signatários do documento não percebessem que estavam afirmando implicitamente essa nulidade.

Tal como no passado, corrupção e subversão não são fenômenos separados: são os dois braços da revolução continental. São os mesmos braços que fomentaram a gandaia financeira e a anarquia política no governo João Goulart; os mesmos que, derrubado o esquema janguista, instalaram por toda parte o império dos atentados a bomba, dos assaltos a bancos e dos seqüestros. Os mesmos de sempre, com algumas diferenças:

1. Em comparação com as dimensões majestosas do Foro de São Paulo, a OLAS, Organização Latino-Americana de Solidariedade, que coordenava a subversão continental na década de 70, era um clube de futebol de várzea.

2. Naquele tempo o narcotráfico ainda era incipiente e, na sua maior parte, continuava sob o domínio de quadrilhas autônomas, depois organizadas em cartéis. Agora até mesmo os cartéis desapareceram. Está tudo sob o comando das Farc, o que é o mesmo que dizer: do Foro de São Paulo. Ninguém cheira coca na América Latina sem contribuir para a revolução continental.

3. Fora os recursos locais obtidos de atividades criminosas, as organizações de esquerda recebiam ajuda clandestina dos partidos comunistas da URSS e da China. Com a queda do regime soviético e a abertura comercial da China, essa ajuda não cessou, mas legalizou-se e ampliou-se através de empresas constituídas no Ocidente já no tempo de Gorbachev, cujas ligações com a espionagem russa ou chinesa são conhecidas genericamente, mas dificílimas de rastrear em cada caso concreto. Mais ainda, desde os anos 50 o respaldo financeiro concedido pelas fundações bilionárias à esquerda latino-americana cresceu incalculavelmente.

4. Na década de 60, havia ainda um poderoso e organizado movimento anticomunista internacional e nacional, cuja simpatia fluiu naturalmente para a reação anti-Goulart. Hoje ele não existe mais. No ambiente de hegemonia cultural esquerdista, o anticomunismo desapareceu como atitude social legítima, castrando ideologicamente a “direita” e não lhe deixando espaço senão para um discurso moralizante genérico e apolítico.

5. A Igreja Católica, que era a mais forte barreira ao avanço do comunismo, tornou-se instrumento servil da propaganda esquerdista, deixando a população incapaz de resistir ao engodo gramsciano que suga e parasita em prol da política de esquerda o prestígio do cristianismo.

 6. As próprias Forças Armadas, humilhadas e aviltadas, já começam a ver com alívio as ofertas sedutoras do seu agressor que promete verbas e tratamento digno em troca da sua adesão, camuflada ou ostensiva, à “guerra anti-imperialista”.

Da análise do texto, pode-se concluir sem grande margem de erro que seus signatários estavam conscientes da continuidade do processo revolucionário e de sua ligação íntima e essencial com a expansão da criminalidade no país. Quer o confessem ou não, eles sabem que não estão lidando com casos avulsos de corrupção, mas com a destruição sistemática das leis e instituições, condição para que o partido revolucionário se coloque acima do Estado e o absorva. O que permanece em aberto é saber se estão igualmente conscientes das diferenças acima apontadas. Essa questão é vital. No seu discurso, o senador Magalhães equiparou o descalabro da era Lula aos últimos meses do governo Goulart. A evocação é nítida na expressão “república sindicalista”, então correntemente usada pelos adversários para qualificar o governo. Seu uso, agora, denota o intuito de reduzir o atual estado de coisas à semelhança com o seu precedente histórico. Será isso o máximo de periculosidade que os signatários da carta conseguem enxergar na situação presente? O futuro do Brasil depende de que reste algum senso de proporções na mente de seus comandantes militares. Mesmo o estado de alerta tem graus, e um alerta parcial no meio da catástrofe é quase um sono letárgico.

Ainda a luta dos monstros        

Minha posição no debate entre adeptos da evolução e do intelligent design é nítida: não há provas conclusivas em favor de nenhuma dessas teorias, e há objeções razoáveis contra ambas. A única atitude cientificamente defensável é admitir que tudo não passa, por enquanto, de um confronto de hipóteses. Enquanto propostas de investigação, tanto o evolucionismo quanto sua alternativa são disciplinas perfeitamente respeitáveis: é tão lícito e obrigatório investigar traços de continuidade evolutiva na história das espécies animais quanto buscar na estrutura do cosmos os sinais de uma intencionalidade racional. O próprio Darwin, como o declara expressamente nos parágrafos finais de A Origem das Espécies, apostava resolutamente nas duas hipóteses ao mesmo tempo: a evolução, para ele, era a maior prova de um propósito inteligente na origem do cosmos. Ninguém o acusou, por isso, de fazer pregação religiosa em vez de ciência. Também não é demais lembrar que as duas hipóteses são velhíssimas: rudimentos de uma teoria evolutiva encontram-se em Sto. Agostinho e Aristóteles, junto com a afirmação explícita de um design inteligente. Entre as duas áreas de investigação, cada uma tão ampla que até a possibilidade de seu confronto total é bastante problemática, não deveriam ocorrer maiores choques, o que só não acontece por causa das implicações ideológicas que mencionei no artigo anterior.

Na história das idéias, porém, há alguns conjuntos de fatos bem estabelecidos que deveriam induzir o evolucionista a entrar na conversa com um pouco de humildade em vez de fazê-lo com a prepotência fanática de quem não admite discussão:

1. Nenhuma outra teoria deste mundo, com as notórias exceções do marxismo e da psicanálise, teve tantas versões diferentes, contraditórias entre si, criadas num intervalo de pouco mais de um século. Desde o determinismo integral até o império do acaso absoluto e incontrolável, desde o gradualismo das alterações microscópicas acumuladas de geração em geração até as mutações repentinas e catastróficas de espécies inteiras, desde o materialismo intransigente até a especulação teilhardiana do plano divino, o evolucionismo adotou camaleonicamente as formas mais díspares e incompatíveis entre si. Basta esse fato para caracterizá-lo desde logo como uma ideologia e não como uma teoria científica. Cada uma das suas versões isoladas tem, em princípío, o direito de se pretender mais científica que as outras, mas seu conjunto é inconfundivelmente ideológico. E quem quer que fale em nome de uma delas deve primeiro vencer as outras no seu próprio terreno antes de exigir que o público em geral a aceite como única versão autorizada. Não tem sentido alegar a multiplicidade de igrejas como argumento contra a fé religiosa, ao mesmo tempo que se concede o direito de variedade plurissensa a uma teoria que, por suas pretensões científicas, tem a obrigação estrita de ser um discurso unívoco.

2. Nenhuma outra teoria, no esforço de se impor à credulidade da população, produziu tantas provas fraudulentas em tão breve transcurso de tempo. Desde as formas intermediárias forjadas por Haeckel até o vexame do homem de Piltdown, passando pelas falsas medições de cérebros na década de 20 e pelas brutais acusações mútuas de charlatanismo entre Richard Dawkins e Stephen Jay Gould, a história da argumentação evolucionista está tão entremeada à história da vigarice que distinguir claramente uma da outra, caso se possa fazê-lo, ainda é um desafio historiográfico à espera de quem o enfrente.

3. Desde seu surgimento, o evolucionismo já inspirou três ideologias notoriamente genocidas: o evolucionismo social, o comunismo e o nazismo. Em nenhum dos três casos se pode alegar que isso foi mero uso retórico de argumentos extraídos de uma teoria em favor de idéias que lhe eram estranhas. Ao contrário, o evolucionismo está nos fundamentos mesmos de cada uma dessas doutrinas, cuja argumentação evolucionista, para completar, nunca foi obra de amadores intrometidos, mas sempre de cientistas de alto prestígio nos círculos darwinianos e similares. No caso do evolucionismo social, não cabe nem mesmo imaginar que tenha sido subproduto ideológico acidental de uma teoria científica, de vez que, na sua versão spenceriana, ele antecedeu a obra de Darwin e foi uma das fontes diretas da sua inspiração.

4. Antes de resolvidas quaisquer das suas divergências internas e antes de extinta a memória das suas contribuições a ideologias totalitárias, o evolucionismo, ao mesmo tempo que pretende conservar suas imunidades de hipótese biológica estrita, já ampliou suas pretensões ao ponto de se apresentar como explicação da história cultural na sua totalidade e de fazer um esforço organizado para se impor como substitutivo das tradições religiosas na orientação moral, social, jurídica e política da humanidade. E nada disso é empreendido por palpiteiros leigos, mas pelos líderes mesmos das várias e concorrentes escolas evolucionistas. Quem poderia esperar uma prova mais evidente de que se trata de uma ideologia, com ou sem pedaços de ciência dentro dela?

5. Muito antes de se constituir como hipótese biológica, o evolucionismo era defendido como doutrina gnóstica pelo avô de Charles Darwin, Erasmus Darwin, e como tal circulou amplamente em sociedades ocultistas da Escócia e da Inglaterra. É impossível que a influência do avô não ajudasse a inspirar o neto. Em perfeita continuidade, após a publicação de A Origem das Espécies a idéia foi retomada pela doutrina teosófica de Helena P. Blavatski e em seguida pela escola esotérica de Alice Bailey. Foi através desta vertente, representada pelo pedagogo ocultista Robert Müller, que o evolucionismo se incorporou oficialmente aos parâmetros educacionais da ONU, tornando-se mundialmente obrigatório como preparação da juventude para “a civilização do Terceiro Milênio”. O componente gnóstico do evolucionismo transparece também claramente nos escritos de Teilhard de Chardin e, depois de tantos estudos que demonstram a identidade profunda do gnosticismo com os movimentos ideológicos de massa que culminam na utopia do “governo mundial”, é excesso de ingenuidade imaginar que uma idéia que aparece tanto nas origens quanto nos efeitos históricos de um processo cultural e político possa lhe ser totalmente alheia na sua constituição interna.

A ciência natural não é feita por anjos, e a hipótese de que suas bases possam ser totalmente isoladas de motivações culturais pré-científicas é pueril e besta demais para ser discutida. No mínimo, é confundir a ciência historicamente existente com a definição abstrata de um ideal científico jamais atingido e, a rigor, inatingível.

As cinco séries de fatos que apontei estão bem documentadas. Pode-se discutir a sua significação histórica, mas não negar a materialidade dos dados. Se tudo o que eles representam são acidentes marginais que em nada comprometem o núcleo científico puríssimo do evolucionismo, cabe ao evolucionista prová-lo muito bem provado em vez de exigir, pela mera força das proclamações autoritárias, que o interlocutor aceite a priori como ciência incontaminada uma doutrina que historicamente se apresenta tão carregada de comprometimentos e implicações ideológicas. Se, por outro lado, alguém lograsse provar a total ausência de elementos extracientíficos em alguma das versões do evolucionismo, ou mesmo numa parte dela, nesse mesmo momento teria desacreditado como pura excrecências ideológicas todas as conclusões metafísicas, sociológicas, morais, culturais, religiosas e anti-religiosas que os mais célebres porta-vozes da teoria, incluindo Gould e Dawkins, para não falar do próprio Darwin, jamais cessaram de extrair dela. O evolucionismo apareceria então como um imenso discurso ideológico gerado a partir de um pequeno núcleo de ciência genuína, que é aliás precisamente o que suspeito que ele seja. Mas quem pode negar categoricamente que um núcleo semelhante exista no marxismo, na psicanálise, no mecanicismo setecentista, no historicismo ou no próprio “design inteligente”?

Que um modelo explicativo obtenha sucesso em coletar fatos que o comprovem não significa, de maneira alguma, que ele não possa ter defeitos teóricos monstruosos e que os mesmos fatos, amanhã ou depois, não possam ser absorvidos num modelo mais vasto que o supere, o impugne ou o neutralize. Só a livre investigação e discussão pode elucidar isso, num prazo que decerto se contará em séculos. O esforço dos evolucionistas para bloquear as pesquisas no sentido do design inteligente é a exata repetição do decreto dogmático com que Leonhard Euler, em 1748, vetou como anticientíficas as investigações que implicassem a negação, mesmo hipotética, da doutrina newtoniana do “espaço absoluto”, doutrina que desde Einstein ninguém mais ousa defender em voz alta, mas que poderia ter caído muito antes, abrindo caminho para a física relativista em pleno século XVIII, se o partido de Euler, dominante nas academias como é hoje o evolucionismo, não prevalecesse sobre as sábias advertências do pioneiro minoritário G. W. von Leibniz. O design inteligente é uma hipótese científica como outra qualquer, e tentar proibir sua investigação sob o pretexto de que ela é anticientífíca por ter talvez uma remota inspiração religiosa é esquecer que o próprio evolucionismo nasceu de origem similar, com a ressalva de que há uma imensurável diferença de qualidade intelectual entre as doutrinas das grandes tradições monoteístas e o lixo ocultista de Erasmus Darwin.

Que meninos de ginásio posem de campeões do evolucionismo acreditando-se imbuídos da autoridade da pura “ciência” em oposição heróica à fé cega e às crenças ideológicas, é coisa que se entende facilmente pela natural prepotência juvenil e pelo atrativo mágico das eras primitivas (meu próprio quarto de adolescente era repleto de miniaturas de dinossauros e tinha um retrato de Darwin na parede). Mas que cientistas adultos entrem em campo com a mesma arrogância ingênua é fenômeno que só se pode explicar pelo fato de que sua cultura histórica é tão ginasiana quanto a daqueles meninos.

  Curtiu?

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano